Fixação e regressão, dois lados da mesma moeda

· abril 16, 2019
A fixação e a regressão são respostas inconscientes a um excesso de complacência ou frustração em um estágio de desenvolvimento, ou a uma situação diante da qual não existem recursos psíquicos de gerenciamento suficientes.

Em condições normais, todos os seres vivos avançam naturalmente a um processo de maturação. No entanto, o crescimento não mantém uma linha de progresso totalmente contínua. Isso significa que, mesmo em um crescimento normal, há momentos de avanço, imobilidade e retrocesso. A isso se referem os conceitos psicanalíticos de fixação e regressão.

A palavra fixação refere-se a algo que permanece, mas também a uma resistência à variação. É uma imobilidade no processo de desenvolvimento. Em outras palavras, um ponto em que não há progresso nem retrocesso. Não é uma estagnação em sentido estrito, mas uma insistência, uma reiteração que se mantém inalterada.

Por outro lado, a palavra regressão relaciona-se a um retrocesso. Isso significa que houve progresso em direção a um estágio mais avançado, mas, por algum motivo, em um dado momento, retornou a um estágio anterior. Por que os fenômenos de fixação e regressão ocorrem no ser humano? E que implicações isso tem na vida psíquica? Abordaremos este tema a seguir.

“Nem sempre reagimos a choques com regressão. Às vezes, diante de uma crise, crescemos”.
-Naomi Klein-

A libido como fator evolutivo

Tanto a fixação quanto a regressão são fenômenos intimamente relacionados ao conceito de libido. Na psicanálise, a libido é uma energia psíquica (um impulso) que visa a obtenção de prazer. Um desejo que move o indivíduo e que o impele a encontrar satisfação. Essa força, ou impulso, é direcionada a diferentes objetos, de acordo com o processo de evolução de cada indivíduo.

Esse impulso também é instintivo. De acordo com Sigmund Freud, a libido segue um curso evolutivo no qual aparecem vários estágios. Em cada um deles, a obtenção de prazer está associada a uma determinada área do corpo e às ações relacionadas a ele. Essas fases são as seguintes:

  • Fase oral. Há um predomínio da obtenção de prazer na região da boca. Sua ação própria é a de se alimentar do seio da mãe. Está associado à satisfação de receber.
  • Fase anal. Acontece após o desmame. Neste caso, as sensações de prazer concentram-se no reto e nas áreas adjacentes. A maior satisfação está em reter e evacuar. Está associado à satisfação de dar ou negar.
  • Fase fálico-genital. O prazer é obtido nos órgãos genitais, basicamente através da masturbação.
  • Fase de latência. É um estágio no qual a libido diminui sensivelmente e “se acalma”, por assim dizer.
  • Puberdade. Há uma exacerbação do desejo sexual e a transição definitiva para a vida adulta, na qual o prazer é obtido a partir das relações sexuais.
Desenho de Sigmund Freud

Fixação e regressão

Do ponto de vista da psicanálise, quando se fala de fixação, faz-se referência à persistência de uma dessas fases do desenvolvimento da libido. Assim, uma pessoa pode ficar fixada na fase oral ou anal, por exemplo. Isso significa que exibe basicamente as características que correspondem a essa etapa e não às outras.

Por sua vez, a regressão envolve o retorno a uma fase já superada. É muito comum nos filhos primogênitos quando têm um irmãozinho. Às vezes eles querem retirá-lo do seio da mãe e é possível que deixem de controlar os esfíncteres para serem cuidados pela mãe, assim como faziam quando eram bebês.

Na idade adulta, você também pode sofrer uma regressão, não em um sentido tão básico, mas nos traços de personalidade que acompanham um determinado estágio. Por exemplo, um fumante ou um consumidor compulsivo de álcool obtém prazer em uma ação oral. Buscam, assim, o prazer perdido nesse estágio.

Caminhar em direção à luz

O porquê desses mecanismos

A fixação e a regressão também são mecanismos de defesa, ou seja, estratégias inconscientes para abordar uma situação adversa quando não se possui ferramentas psíquicas que permitam assumi-la conscientemente e superá-la. Portanto, a fixação e a regressão envolvem a existência de um problema associado.

Em geral, a fixação aparece quando, em um determinado estágio, há um excesso de indulgência ou uma grave frustração. Em cada um dos estágios de desenvolvimento da libido, os adultos, em particular os pais, desempenham um papel fundamental. Quando apresentam sérias deficiências para responder à satisfação ou para limitar as manifestações libidinais, dão origem à fixação.

Enquanto isso, a regressão é produzida quando ocorre uma situação altamente frustrante ou, inclusive, traumática. Voltar atrás é uma maneira de evitar ou negar essa situação e os desafios envolvidos. Assim, um adulto pode fazer birra quando a realidade não segue o curso de suas expectativas.

Kohut, H. (1989). Análisis del self. El tratamiento psicoanalítico de los trastornos de personalidad. Buenos Aires: Amorrortu.