Fobia de elevadores

04 Outubro, 2020
Em um elevador, queremos gastar o mínimo de tempo possível devido ao espaço muito pequeno, à inacessibilidade e à altura. Esses são os principais componentes da fobia desse meio de transporte. Saiba mais a seguir.

Ter medo é uma resposta natural que nos ajuda a nos salvar de certos perigos. Portanto, é comum ter medo de situações que são novas e que não controlamos. No entanto, também podemos sentir medo de elementos do nosso cotidiano; um medo que poderia ter sido adquirido por aprendizagem vicariante ou como resultado de uma experiência traumática. Em alguns casos, o medo se torna irracional, transformando-se em fobia. Um exemplo disso é a fobia de elevadores.

Os elevadores são uma fonte de ansiedade para muitas pessoas. São espaços pequenos e fechados, isolados do exterior, que podem trazer à tona o lado mais claustrofóbico de todos nós. No entanto, existem pessoas que realmente têm pavor de elevadores. Isso afeta muito o seu cotidiano, pois para estas pessoas, é impossível entrar em um deles, ou até pensar em fazer isso.

Fobia de elevadores

Os sintomas da fobia de elevadores

Os sintomas comuns de qualquer fobia são sudorese, tremores, dor de cabeça, náuseas, tonturas, taquicardia, hiperventilação e até vômitos. Para que uma fobia seja diagnosticada, é necessário que esses sintomas, além do medo exagerado, sejam vivenciados há pelo menos seis meses.

Uma peculiaridade da fobia de elevadores é que, embora seja tratada como uma fobia geral, é composta por dois tipos: claustrofobia e acrofobia. A primeira consiste no medo irracional de espaços fechados e dimensões limitadas. Por outro lado, a acrofobia é o medo extremo de altura.

Assim, os elevadores têm todas as características para atender a essas fobias, embora existam pessoas que têm mais medo de um dos dois aspectos. Isso faz com que aqueles que sofrem com a fobia de elevadores experimentem todos os sintomas de ansiedade ao subir em um deles, ou ao pensar que precisam chegar ao andar mais alto de um edifício.

O que causa esta fobia?

Geralmente, essa fobia se desenvolve a partir de experiências traumáticas relacionadas a elevadores. Assim, uma pessoa teria uma maior probabilidade de desenvolver uma fobia de elevadores se ficasse presa por um longo tempo em um deles. Também pode ser que essa experiência negativa tenha sido vivida por outra pessoa próxima ou conhecida.

Assim como acontece com outras fobias, o medo pode ser herdado. Isso significa que uma pessoa pode sofrer de fobia de elevadores porque alguém muito próximo a ela tem esse medo desde a infância e a alertou constantemente sobre os perigos. Ou pode ser que o medo apareça sem um motivo claro.

Outra possibilidade é que a pessoa tenha sofrido de um transtorno de ansiedade anterior independente dos elevadores e tenha entrado em um durante um momento crítico. A ansiedade funciona por associação. Portanto, ter experimentado sintomas de ansiedade intensos em um elevador pode fazer com que a pessoa tenha medo de entrar em um elevador e passar pela mesma coisa novamente.

Mulher com crise de ansiedade

Como essa fobia pode ser curada?

Se o medo ainda não for muito intenso, pode ser suficiente fazer alguns exercícios de respiração e relaxamento antes de entrar no elevador. É importante tentar não evitar fugir da situação, muito menos com comportamentos abruptos ou compulsivos que podem tornar a experiência ainda mais traumática.

Pode ser muito útil estar acompanhado por alguém da sua confiança para obter uma maior segurança. Além disso, essa pessoa pode intervir se você não se sentir bem ou precisar de algum tipo de ajuda. Da mesma forma, estar acompanhado e ter uma conversa nesse meio tempo pode ser uma distração muito simples que o ajudará a não se concentrar no medo.

No entanto, se essas orientações não forem suficientes, é melhor recorrer a um profissional para iniciar um tratamento psicológico adequado. Esses tratamentos são bastante diretos e consistem principalmente em três estratégias: reestruturação cognitiva, relaxamento e dessensibilização sistemática.

O primeiro tentará modificar aquelas crenças ou pensamentos negativos que interferem na relação normal entre a pessoa e os elevadores. Por exemplo, obter informações reais sobre quantos acidentes graves ocorrem em elevadores ou as chances de ficar preso.

Os exercícios de relaxamento se concentrarão na redução dos sintomas de ansiedade antes e durante a exposição a elevadores. Por sua vez, a dessensibilização sistemática consiste em expor gradativamente a pessoa ao objeto que a assusta.