Fruit snack challenge: o autocontrole das crianças

19 Agosto, 2020
Você só precisa de uma tigela com algo saboroso e de uma câmera para observar a capacidade de autocontrole das crianças. Você já ouviu falar do Fruit snack challenge?

O desafio fruit snack challenge inundou as nossas redes sociais nas últimas semanas. Na Internet, também o chamam de desafio da paciência, e está baseado em uma capacidade fundamental do desenvolvimento: o autocontrole das crianças.

O desafio consiste em encher uma tigela com um alimento atraente para as crianças, principalmente doces. Eles são colocados à vista e ao alcance, mas a criança é informada de que não poderá comê-los até que os pais estejam de volta. Em seguida, uma câmera fica gravando as crianças sozinhas enquanto o adulto sai por alguns minutos.

As reações das crianças são tão sem precedentes quanto variadas. Algumas crianças mostram um grande autocontrole e até recorrem a técnicas de distração, como cantar ou instruir-se a não tocar no lanche. Outras mordem apenas um pedacinho e logo ficam arrependidas, enquanto outras são vencidas pela tentação e comem antes do tempo indicado.

Jujubas coloridas

Antecedentes: o experimento do marshmallow

Na verdade, esse novo desafio tem um precedente nos anos 70 conhecido como o experimento do marshmallow, uma espécie de guloseima. Esta experiência foi realizada na Universidade de Stanford pelo pesquisador Mischel e seus colaboradores, que estavam tentando obter respostas sobre a gratificação atrasada ou demora na gratificação e o autocontrole das crianças.

O experimento do marshmallow é semelhante ao fruit snack challenge, mas além disso, foi proposto que se as crianças fossem capazes de superar o desafio, receberiam o dobro de doces do que havia sido inicialmente fornecido. Assim, descobriram que as crianças que passaram no experimento usavam técnicas de distração e autoinstrução.

No entanto, as maiores descobertas vieram depois. Quando eles avaliaram essas crianças em idade adolescente e adulta, perceberam outras descobertas significativas.

As crianças que passaram no experimento tinham maiores habilidades sociais e maior autoestima. Em contraste, as crianças que não conseguiram chegar ao final do experimento apresentaram níveis mais elevados de impulsividade, agressividade e maior probabilidade de desenvolver distúrbios de comportamento.

O autocontrole das crianças é um fator protetor da saúde mental.

O autocontrole das crianças

Trata-se da capacidade oposta à impulsividade infantil. Dessa forma, supõe uma capacidade de regular as próprias emoções e impulsos. O autocontrole das crianças é, na verdade, uma habilidade bastante complexa. Além disso, requer treinamento e é especialmente difícil de administrar até os 4 ou 5 anos.

Essa habilidade influencia todas as áreas importantes da criança e, por esse motivo, está relacionada ao desenvolvimento de dificuldades em fases posteriores. Por exemplo, na esfera social, o autocontrole das crianças é especialmente importante no que diz respeito a esperar a vez de falar, controlar as birras, compartilhar e respeitar as propriedades de cada criança, etc. Da mesma forma, o baixo autocontrole levará a uma regulação deficiente das emoções e a criança poderá se exceder em situações cotidianas.

Existem alguns transtornos da infância em que o autocontrole pode ser especialmente comprometido, como o transtorno de déficit de atenção ou TDAH. Uma das principais características desse transtorno é a impulsividade que compromete o seu dia a dia e até mesmo a sua saúde física por sofrer acidentes e quedas frequentes.

Menino brincando na grama

Como avaliar o autocontrole das crianças?

O desafio fruit snack challenge é um desafio que tem divertido os usuários das redes sociais ao testemunhar a forte luta interna (ou não) que algumas crianças têm para mostrar o seu autocontrole. No entanto, existem alguns sinais do dia a dia que nos permitem avaliar essa capacidade.

  • Na escola, as crianças demonstram ter paciência: esperam ouvir o seu nome, levantam a mão para falar, respeitam o momento estabelecido para falar e não interrompem as aulas com muita frequência.
  • Na esfera social, estabelecem diálogos e brincadeiras em que nem sempre são o centro das atenções e não fazem monólogos. Além disso, estão cada vez mais abertos à possibilidade de compartilhar.
  • No ambiente familiar, as crianças que vão desenvolvendo gradativamente o seu autocontrole apresentam, à medida que vão crescendo, cada vez mais habilidades de calma durante as birras e aprendem a aceitar as pequenas frustrações do dia a dia.

As capacidades de autocontrole descritas ainda são um ideal e um modelo para nos guiar. Nem todas as crianças desenvolvem essa habilidade da mesma maneira e ao mesmo tempo. Assim, nem todas essas habilidades são adquiridas e não há maiores dificuldades relacionadas: a aprendizagem é um processo circular.

Como vimos, o desafio do fruit snack challenge pode ser um momento divertido para as crianças aprenderem a lidar com situações que exigem autocontrole e, acima de tudo, valorizar a importância de adquirir gradativamente essa habilidade.

Lembre-se de que a melhor maneira de educar o autocontrole nas crianças é comportando-se como um bom modelo de autocontrole.