Hábitos emocionais: quais são os seus?

Talvez você nunca tenha pensado nisso, mas assim como você tem hábitos comportamentais, que você chama de rotina, você também tem certos hábitos emocionais. Agora, quais são eles? Você sabe como eles condicionam você?
Hábitos emocionais: quais são os seus?

Última atualização: 29 julho, 2022

Se você for questionado sobre seus hábitos, provavelmente examinará sua rotina para responder. Por exemplo, tomar um café ao acordar, fazer exercícios à tarde ou ler um pouco antes de dormir. Mas você seria capaz de identificar seus hábitos emocionais com a mesma precisão? Mesmo que você não saiba, suas emoções também seguem um padrão e em cada pessoa os mesmos circuitos emocionais tendem a se ativar e se repetir. Você pode imaginar como isso pode nos afetar?

Pode não ser difícil para você identificar certas tendências emocionais nas pessoas ao seu redor. Há aqueles que tendem a ser enérgicos e otimistas, e aqueles que tendem a adotar um papel mais passivo ou pessimista. Há aqueles que tendem a ser desconfiados ou ansiosos, e aqueles que tendem a ser calmos e relaxados. Embora todos possamos experimentar uma vasta gama de emoções, a verdade é que há algumas que nos acompanham mais do que outras: se tornam um hábito.

A aquisição de hábitos emocionais

Um hábito pode ser definido como uma certa maneira de se comportar ou agir que foi adquirida pela repetição. Tornou-se assim uma tendência, que se reproduz automaticamente e sem deliberação por parte da pessoa.

Os hábitos permeiam nossas vidas, facilitando nosso dia a dia ao nos permitir economizar energia. Você provavelmente não tem consciência de muitas de suas ações quando escova os dentes, dirige para o trabalho ou faz o café da manhã. A sequência é tão arraigada que seu corpo sabe como fazê-lo praticamente por conta própria. Bem, algo semelhante acontece com o seu estado emocional. Todos nós adquirimos certos padrões ou tendências de resposta também neste plano.

Parece que ao nascer somos praticamente uma “folha em branco”, dando especial atenção aos cuidadores principais para escrever as primeiras linhas. E, entre muitas outras coisas, aprendemos como devemos nos sentir. Por observação e imitação, vamos assimilando certos estados emocionais e certas maneiras de reagir; e, à medida que as repetimos e praticamos, elas se tornam cada vez mais arraigadas.

Essas emoções automáticas são programadas e aparecem sem que possamos escolher. Por mais que não gostemos, nos vemos respondendo com raiva ou sentindo medo ou desesperança na maior parte do tempo. Felizmente, podemos desaprender esses hábitos emocionais e gerar outros mais funcionais.

mulher preocupada
Os hábitos emocionais são aprendidos com a educação e as experiências vividas.

Descubra seus hábitos emocionais

Como qualquer outro hábito, os hábitos emocionais podem ser mudados seguindo uma série de passos. Antes de tudo, é fundamental identificá-los e entender quais são seus gatilhos; para que possamos deliberadamente agir de forma diferente nesses momentos e estabelecer uma nova sequência que seja gravada em seu lugar.

Por exemplo, imagine que você tem o hábito de tomar um café todas as manhãs sentado no sofá; e você faz isso automaticamente. Se você quiser mudar essa rotina para o hábito de se exercitar todas as manhãs, precisará fazer um esforço deliberado para se envolver nessa atividade quando acordar até que se torne natural.

O mesmo acontece se você quiser mudar seus hábitos emocionais. O primeiro passo será reconhecer quais são eles, para que deixem de ser automáticos e você possa se conscientizar deles. Neste objetivo, pode ajudá-lo a responder às seguintes questões:

  • Qual foi o seu humor predominante no último dia? E no último mês? E no último ano? Você verá que não é tão difícil responder a essa pergunta, porque todos nós temos uma certa tendência emocional.
  • Quais são suas reações típicas a certas situações? Hábitos emocionais são muito fáceis de detectar se observarmos como reagimos a eventos desafiadores. Por exemplo, se seu filho deixa o quarto bagunçado, você pode identificar a raiva e ver que você reage com gritos e ameaças. Se você discute com um amigo, pode se encontrar se retraindo, inibindo e isolando, em vez de ser assertivo. Ou se lhe for oferecido um novo desafio de trabalho, você pode ver como reage com medo, ansiedade e falta de confiança. Se essas reações se repetem com frequência em situações semelhantes, você encontrou seus hábitos emocionais.

Se você ainda tiver problemas para identificá-los, peça ajuda às pessoas mais próximas. Às vezes, de fora é mais fácil reconhecer o que está acontecendo do que quando falamos de nós mesmos.

Mulher irritada simbolizando casais obstrucionistas
Os hábitos emocionais podem ser detectados observando como reagimos às situações.

Modificar sua tendência emocional é possível

Depois de identificar sua tendência a sentir ou reagir de uma certa maneira, você deve fazer um esforço consciente para substituí-la. Para fazer isso, encontre um momento de silêncio e escreva como você gostaria de reagir ou se sentir na próxima vez que se encontrar em uma dessas situações desafiadoras. Por exemplo, se você gostaria de se sentir otimista em vez de temeroso.

Tenha em mente que as emoções são o resultado de um processo de pensamento, então é sua interpretação da situação e seu diálogo interno que você terá que mudar. Em vez de pensar “não posso”, “não vai dar certo”, “não estou pronto”, escolha deliberadamente outros tipos de pensamentos, por exemplo: “esse novo desafio é emocionante”, “farei o meu melhor “, “Eu vou encontrar uma maneira de superar os obstáculos.”

Obviamente, a princípio, essa mudança de pensamento parecerá forçada. No entanto, é uma questão de repetição para que esse novo hábito mental e emocional se estabeleça; portanto, pratique em todas as ocasiões que surgirem. Quando você automatizar essa maneira de pensar e sentir, verá que a mudança será grande e positiva.

Pode interessar a você...
Curiosidades sobre os hábitos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Curiosidades sobre os hábitos

Hábitos são práticas recorrentes que são internalizadas e automatizadas. Eles mudam, dependendo do indivíduo, da sociedade e do tempo.



  • Atkinson, B. J. (2010). Rewiring Emotional Habits. Clinical casebook of couple therapy, 181.
  • Barnes, T. D., Kubota, Y., Hu, D., Jin, D. Z., & Graybiel, A. M. (2005). Activity of striatal neurons reflects dynamic encoding and recoding of procedural memories. Nature437(7062), 1158-1161.
  • Yin, H. H., & Knowlton, B. J. (2006). The role of the basal ganglia in habit formation. Nature Reviews Neuroscience7(6), 464-476.