Hipocondria e nosofobia: duas manifestações do medo da doença

Você tem muito medo de contrair uma doença? Você tende a interpretar mal e exagerar os sinais do seu corpo? Então, você estará interessado em aprender sobre hipocondria e nosofobia, dois distúrbios semelhantes, mas diferentes.
Hipocondria e nosofobia: duas manifestações do medo da doença

Última atualização: 18 julho, 2022

Você já notou um pequeno caroço na pele e teve quase certeza de que era um tumor? Você sentiu uma leve pontada no peito e se preparou para um ataque cardíaco? Esses tipos de interpretações são o cotidiano de muitas pessoas que vivem preocupadas e angustiadas com a doença, mas  essas não são a única manifestação desse medo. Por esse motivo, hoje queremos falar com você sobre as diferenças entre hipocondria e nosofobia.

A hipocondria é bastante conhecida; na verdade, o termo, apesar de técnico, faz parte da linguagem coloquial. Sabemos que se refere à crença (praticamente à convicção) de que sofremos de uma doença não diagnosticada.

No entanto, em outras ocasiões, esse medo da doença se manifesta por antecipação: tememos desenvolver uma doença no futuro, e isso nos causa grande desconforto. Você quer saber mais sobre isso? Continue lendo.

Mulher preocupada com a dor
O medo da morte geralmente está por trás da hipocondria e da nosofobia.

Hipocondria: o medo de ficar doente

Na última versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) o termo “hipocondria” desapareceu para ser incluído na categoria de “ansiedade por doença”. A hipocondria designa a firme crença ou convicção de que uma pessoa está sofrendo de uma doença grave, geralmente como resultado de algum sintoma leve. Trata-se, portanto, de uma interpretação errônea e exagerada desse sinal físico do corpo.

Existem vários comportamentos muito característicos entre aqueles que sofrem de hipocondria:

  • Sua atenção está focada na parte do corpo que ela acha que está afetada. É comum ela olhar ou tocar repetidamente para confirmar sua hipótese ou detectar alguma mudança.
  • A pessoa passa muito tempo procurando informações na internet, em revistas ou em livros sobre a doença que pensa ter, seus sintomas e exames diagnósticos.
  • Ela constantemente pede à família e amigos para se certificarem de que ela está saudável. No entanto, quando eles tentam tranquilizá-la e racionalizar seus sintomas, a pessoa hipocondríaca se sente isolada, incompreendida e mais preocupada.
  • É comum a peregrinação de médico em médico em busca de um diagnóstico. E é que, a curto prazo, a confirmação por um profissional de que o indivíduo está saudável pode tranquilizar. No entanto, em pouco tempo as dúvidas ressurgirão. Ela pensará que o médico está errado, que os exames realizados foram inadequados ou que eles foram realizados muito cedo.
  • A crença de estar doente gera grande sofrimento e níveis de ansiedade que, por sua vez, podem aumentar os sintomas físicos que a pessoa vem sentindo e interpretando erroneamente. Além disso, o desempenho no trabalho, as finanças e as relações sociais são frequentemente afetados.

Nosofobia: um medo antecipatório

Na nosofobia há também o medo da doença; porém, neste caso, é o medo de adoecer no futuro. Essa pessoa vivencia um medo intenso, irracional e incontrolável de contrair uma doença, mas sua forma de lidar com o medo é diferente:

  • Evita ir ao médico, fazer exames, mesmo que precise. Isso para evitar a confirmação de que ela ficou doente.
  • Procura não falar sobre sintomas ou doenças, não assiste filmes ou séries sobre o assunto, não vá a hospitais nem passa tempo com pessoas doentes. E é que nessas situações sua ansiedade pode disparar.
  • Ela tem um grande medo de sua própria morte e da seus entes queridos.
  • Há também um forte medo de envelhecer e uma rejeição da velhice. Pela mesma razão, as pessoas com nosofobia tentam permanecer jovens.
Mulher pensando muito preocupada
Na pessoa com nosofobia aparece um medo irracional, intenso e incontrolável de sofrer uma doença grave em um futuro indeterminado.

Principais diferenças entre hipocondria e nosofobia

Como você pode ver, apesar do medo da doença ser central para ambos os distúrbios, a hipocondria e a nosofobia apresentam diferenças significativas. O hipocondríaco teme estar doente, quem sofre de nosofobia teme adoecer no futuro. No primeiro caso, presta-se atenção aos sintomas corporais, busca-se informações e respostas; no segundo, você tenta evitar tudo relacionado à doença (você não quer saber nada sobre isso).

Por outro lado, é comum que pessoas hipocondríacas tenham vivido infâncias superprotegidas ou marcadas por doenças próprias ou de entes queridos. Da mesma forma, muitas vezes tiveram que conviver ou cuidar de doentes que faleceram, o que os faz ver a doença constantemente em seu horizonte.

Por sua vez, a nosofobia geralmente ocorre após os 40 anos, justamente relacionada a esse medo do envelhecimento, declínio e morte. No entanto, se disparou como resultado da pandemia derivada da covid-19.

De qualquer forma, e além das diferenças entre hipocondria e nosofobia, são dois distúrbios que causam grande sofrimento e para os quais se deve procurar tratamento. Em ambas as situações, a terapia cognitivo-comportamental é a mais recomendada. Por meio de técnicas de relaxamento, exposição e reestruturação de crenças, pode-se conseguir aliviar a ansiedade, ajustar percepções e reduzir o impacto desse medo da doença.

Pode interessar a você...
Para que serve o medo?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Para que serve o medo?

O medo é uma emoção negativa, mas muito útil tanto individual quanto coletivamente. Na verdade, ele nos ajuda a nos proteger. Saiba mais!



  • Fernández, C., & Fernández, R. (2001). Tratamientos psicológicos eficaces para la hipocondría. Psicothema13(3), 407-418.
  • Lara, G. E., Baca-Salinas, J., & Reyes-Mendoza, L. G. (2021). Nosofobia como impacto negativo de la pandemia derivada del COVID-19. Boletín Científico de la Escuela Superior Atotonilco de Tula8(15), 56-60.
  • Vallejo, M. Á. (2014). De los trastornos somatomorfos a los trastornos de síntomas somáticos y trastornos relacionados. Cuadernos de medicina psicosomática y psiquiatría de enlace, (110), 75-78.