A história do símbolo da psicologia (Ψ) - A Mente é Maravilhosa

A história do símbolo da psicologia (Ψ)

junho 21, 2018 em Psicologia 0 Compartilhados
A história do símbolo da psicologia

A história do símbolo da psicologia contém algo de mitológico e uma curiosa evolução do termo “psi” (Ψ) não isenta de alguma originalidade. Originalmente, essa vigésima terceira letra do alfabeto grego acabou sendo transliterada pelos romanos para formar a palavra psique, o que significava borboleta e mais tarde evoluiu para brisa, respiração, ânimo e, finalmente, ‘alma’.

Todos os que estudam psicologia se lembram do dia em que, ao chegar na universidade, a impressão desse símbolo aparecia em quase qualquer lugar. Livros, mesas dos professores, notas informativas… Os curiosos por esta ciência também sabem reconhecê-lo, a tal ponto que já faz parte da cultura de símbolos tão comuns em diferentes disciplinas, como pode ser a filosofia e seu conhecido “fi” (Φ).

A origem da palavra psicologia está na fusão de duas palavras gregas: ψυχή e λογία.
Compartilhar

Agora, às vezes ficamos com a iconografia sem ir mais adiante. Além disso, às vezes assumimos como certas pequenas lendas urbanas que distorcem um pouco a magia de nossas origens. Assim, é muito comum ouvir que o símbolo da psicologia (Ψ) é um tridente, o tridente do diabo: nem mais nem menos.

Essa teoria falsa tem suas raízes naquela época em que as doenças mentais eram consideradas males diabólicos. Distúrbios que respondiam a influências sobrenaturais, feitiços e bruxarias, onde o homem não podia ajudar o homem. Tudo ficava então nas mãos da igreja e, é claro, das fogueiras. Nada mais longe da realidade. Vamos ver agora qual é a verdadeira origem do símbolo da psicologia.

A história do símbolo da psicologia

A história do símbolo da psicologia (Ψ), a ciência da alma

No grego antigo, a palavra psyque, como indicamos no começo, significava borboleta. Este inseto também simbolizava o fôlego da vida, um sopro de vento, uma brisa vital… Lentamente e por influência também do Império Romano, essa palavra acabou por simbolizar a alma humana, uma ideia em que foi integrada a força da vida do ser humano ou o “ka” da cultura egípcia.

Os gregos e os romanos costumavam manter uma visão muito específica da alma das pessoas. Dentro de suas crenças, quando alguém morria, aquele suspiro, aquele “ka” do qual os egípcios também falavam, emergia para o exterior como um sopro de ar. E o fazia na forma de uma borboleta. Da mesma forma, nessa imagem não havia nada aterrorizante, nada a lamentar ou temer, já que a borboleta era um ser que representava a luz, a mudança, a esperança…

A história do símbolo da psicologia assumiu, portanto, o termo psique para uni-lo depois com “logia” (ψυχή e λογία). Desse modo, e com o tempo, deixou de ser etimologicamente a “ciência da alma” para se tornar a “ciência da mente”, sendo o símbolo “Ψ” sua representação máxima.

Mão com borboleta

O mito de Eros (Cupido) e Psique

Na mitologia grega, a palavra “psique” significa algo mais que borboleta, alma ou mente. Psique é uma deusa, uma bela criatura com asas de borboleta que viveu um dos mais belos amores, que foi imortalizado por Apuleyo em sua Metamorfose (O Asno de Ouro).

Conta a história que das três filhas do rei da Anatólia, havia uma que era realmente especial. Ela era tão delicada, atraente e cheia de alegria que a própria deusa Afrodite ficou desesperada ao ver na jovem sua rival. Seu ciúme era tão desesperado que não hesitou em mandar seu filho Eros (Cupido) para que lhe lançasse uma de suas flechas, de modo que a jovem Psique caísse rendida pelo homem mais vil, feio e mais cruel de toda Anatólia.

No entanto, algo não previsto por Afrodite aconteceu. Foi seu filho Eros quem caiu rendido por Psique. Assim, o jovem deus, incapaz de resistir, decidiu ir ao quarto da jovem todas as noites para conquistá-la e torná-la sua. E assim foi. Foi assim que Psique se apaixonou perdidamente por um estranho que a visitava todas as noites no escuro, para que ela não pudesse ver seu rosto. Um deus que queria preservar sua identidade, para não acabar com aquele mágico idílio.

O símbolo da psicologia

No entanto, algo aconteceu. Quando Psique falou com suas irmãs sobre aquele relacionamento, elas aconselharam-na a não prosseguir se não conseguisse ver o rosto de seu amante misterioso. A jovem fez isso. Aproveitando o fato de que Eros dormiu em sua cama, aproximou uma lâmpada para iluminá-lo. Quando ela fez isso, o filho de Afrodite saiu cheio de raiva pela ousadia de Psique.

Os testes de Psique

Desconsolada, desanimada e arrependida, a filha do rei da Anatólia foi até Afrodite para lhe pedir ajuda. A mãe de Eros, então, viu sua chance de se vingar dela, para eliminar do mundo uma mulher que rivalizava em beleza diante da própria deusa do amor. Ela lhe propôs quatro testes, quatro trabalhos que, se superados, poderiam devolver o perdão e o afeto de Eros. Agora, esses trabalhos envolviam viajar para o submundo, enfrentar a Cerberus, viajar com Charon e depois com Hades para chegar até Perséfone e depois lhe pedir então um pouco de sua beleza, a qual guardava em uma pequena caixa.

No entanto, contra todas as probabilidades, a inteligente Psique acabou por ser não apenas beleza, mas também inteligência, coragem e determinação. No entanto, justamente quando conseguiu superar cada dificuldade e obter a caixa de Perséfone, a menina pecou de curiosidade e vaidade. Ela decidiu abri-la para ver o conteúdo e tirar um pouco daquela beleza. Foi naquele momento em que caiu afetada por uma armadilha: o sonho de estágio. Mas uma mão familiar tirou a maldição de seus olhos. Uma pele familiar a consolou e um rosto esperançoso lhe devolveu a alegria: era Eros que, tendo-a perdoado, veio em sua ajuda.

O fim desse casal mágico não poderia ser mais feliz. Afrodite se libertou de sua inveja em relação à amada de seu filho e dançou no casamento deles. Zeus, por outro lado, decidiu tornar Psique imortal, aquela mulher bela e corajosa que, com suas asas de borboleta, também representa o símbolo da psicologia “Ψ”.

Recomendados para você