Idade subjetiva e bem-estar: quantos anos você realmente tem?

As consequências da nossa idade não são fixadas pela nossa data de nascimento. Em um nível mental, é igual ou ainda mais importante, os anos que sentimos que temos. Assim, hoje queremos falar sobre o peso da idade subjetiva no nosso bem-estar.
Idade subjetiva e bem-estar: quantos anos você realmente tem?

Última atualização: 25 julho, 2022

Envelhecer é inevitável, mas navegar nessa fase da vida com a melhor atitude pode tornar esse processo algo enriquecedor. Uma maneira de conseguir isso é se sentir mentalmente mais jovem do que realmente somos. Ou seja, moldar uma idade subjetiva que está abaixo da idade cronológica. Isso, longe de ser um mecanismo de negação, tem um grande impacto em nossa saúde.

Podemos estar nessa fase da nossa existência quando nos olhamos no espelho, dizemos a nós mesmos que não sou eu, se por dentro sinto que tenho 20 anos! Essa é a chave, perceber que dentro de nós ainda há a mesma ênfase, paixão e prazer em viver dia após dia, como quando éramos mais jovens.

Existe um velho ditado que diz que “você é tão velho quanto se sente”. A sabedoria popular raramente falha em seu conhecimento, e se há um indicador de bem-estar físico e psicológico, é perceber que para além de um corpo que envelhece, há uma mente que anseia por continuar aprendendo, aproveitando o que o futuro quer coloque na frente.

A juventude é um estado de espírito que todos podemos promover.

Homem pensando em sua idade subjetiva durante o exercício
Se nos sentirmos jovens, teremos maior motivação para levar uma vida mais saudável.

O que é idade subjetiva e por que é um indicador de saúde?

Entendemos a idade subjetiva como os anos que uma pessoa realmente sente que tem. Não importa, portanto, quando nascemos, importa como nos sentimos. Uma pesquisa da Universidade da Carolina do Norte chega a uma conclusão clara: os anos que sentimos que temos é um preditor de bem-estar e saúde.

Assim, e por mais curioso que nos pareça, há aqueles que se percebem mais velhos do que são. Há quem tenha cerca de quarenta anos e ainda se sinta como se tivesse vivido mais vinte anos. E não é porque acumularam grandes aprendizados, mas porque se sentem mais exaustos do que o necessário, mais angustiados do que o normal e com menos esperança do que é permitido.

A idade subjetiva, como explica o já citado estudo conduzido pelo Dr. Matthew Hughes, tem a ver com várias variáveis, sendo uma das mais importantes a forma como interpretamos nossas experiências pessoais. Uma vida marcada por estresse crônico, decepções ou até vulnerabilidade social nos envelhece mais cedo…

Na verdade, a idade também é marcada pelo componente psicológico e pela forma como a pessoa se percebe.

Se você se sente jovem, as dificuldades são melhor enfrentadas

O envelhecimento é um processo complexo e cheio de desafios. Além da mudança física progressiva, há problemas de saúde. Nem todo mundo chega ao outono da vida sem ter visitado seu médico várias vezes.

Não seremos capazes de evitar todos os eventos negativos que ocorrem. A atitude com que lidamos com todas essas situações será decisiva. Além disso, em um estudo realizado em colaboração com várias universidades americanas, algo notável pôde ser observado.

Viver com uma idade subjetiva inferior à idade cronológica não está relacionado apenas a uma melhor saúde física, mas também a uma melhor saúde mental. O risco de depressão é reduzido.

Componentes da idade subjetiva

Estudos nos dizem que a idade subjetiva é um conceito que começa a ter seu peso por volta dos 55 anos. Parece que é melhor manter uma compensação negativa de dez anos em relação à nossa idade objetiva. A esta percepção junta-se um conjunto de metacognições que irão reforçar o bem-estar dia a dia.

  • Ter uma visão positiva do envelhecimento. Não veja isso como uma limitação para continuar traçando metas, mas como uma nova etapa para continuar cultivando a felicidade, a vida social, etc.
  • A idade subjetiva é acompanhada por uma abordagem resiliente. São pessoas que não têm medo das dificuldades, as enfrentam e aprendem com elas.
  • A curiosidade, o desejo de aprender, de continuar conhecendo mais pessoas estão ligados a essa variável.
  • Você se sente mais jovem do que é quando encontra sentido na vida e continua a estabelecer metas.
  • Outro ponto importante é sentir-se apoiado, ter laços sociais fortes e felizes.
  • Ter uma profissão gratificante também determina a idade subjetiva. É um elemento que nos permite ter uma imagem positiva de nós mesmos, mesmo além da aposentadoria.
Mulheres mais velhas felizes pensando em sua idade subjetiva
Quantos anos temos não importa, importa o que sentimos vontade de fazer.

Não me pergunte quantos anos eu tenho, me pergunte quantos anos eu sinto que tenho

O peso da idade não é assinalado pela certidão de nascimento, é condicionado sobretudo pelo nosso interesse em continuar a evoluir. Em uma sociedade como a nossa, tão censuradora de rugas e rigorosa com a aparência física, teremos que fazer algumas mudanças em nível mental para que a expectativa de vida que estamos ganhando gradualmente não se materialize em sofrimento em nível mental.

Isso não será um problema enquanto estivermos preparados para essa fase. Aquela em que devemos desenvolver uma idade subjetiva inferior à cronológica. E faremos isso mantendo a ilusão, a esperança e o desejo de alcançar novos objetivos.

Porque, mesmo que não percebamos, ao nosso redor há muitos jovens que já estão velhos, ou seja, são pessoas sem motivação, sem objetivos ou propósitos. E esse não é o caminho.

Da mesma forma, existem inúmeros idosos que transbordam juventude, espontaneidade, desejo de continuar contribuindo para este mundo e suas próprias vidas. Portanto, a partir de agora, em vez de perguntar a alguém quantos anos eles têm, vamos perguntar quantos anos eles sentem que têm.

Pode interessar a você...
Os superidosos, um fenômeno inexplicável
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os superidosos, um fenômeno inexplicável

Muitos dos superidosos têm um desempenho intelectual semelhante ao de um jovem de 20 anos. Seu cérebro se deteriora muito mais lentamente do que o ...



    • Chaix R, Alvarez-López MJ, Fagny M, Lemee L, Regnault B, et al. (2018). Epigenetic clock analysis in long-term meditators. Psychneuroendocrinology,85:210-4.
    • Chen YT, Holahan CK, Holahan CJ, & Li X. (2018). Leisure-time physical activity, subjective age, and self-rated memory in middle-aged and older adults. Int J Aging Hum Dev,87(4):377-91.
    • Steitz JA, McClary AM. Subjective age, age identity, and middle-age adults. Exp Aging Res. 1988 Summer-Autumn;14(2-3):83-8. doi: 10.1080/03610738808259728. PMID: 3234457.
    • Kwak S, Kim H, Chey J, Youm Y. Feeling How Old I Am: Subjective Age Is Associated With Estimated Brain Age. Front Aging Neurosci. 2018 Jun 7;10:168. doi: 10.3389/fnagi.2018.00168. PMID: 29930506; PMCID: PMC5999722.