O impacto de um mundo estressante

O ser humano tem uma tendência inata a normalizar as situações nas quais está envolvido. É por isso que às vezes é difícil identificar o impacto que este mundo estressante em que vivemos tem na nossa saúde.
O impacto de um mundo estressante

Última atualização: 27 Maio, 2021

Muito tem sido falado sobre o estresse e suas consequências devastadoras para a saúde. Todos nós conhecemos o termo e muitas pessoas ainda o associam à imagem de alguém sobrecarregado, com pressa e um tanto acelerado. No entanto, o que os dados nos mostram é que muitas pessoas vivem em um estado de estresse contínuo e não têm consciência disso. Infelizmente, vivemos em um mundo estressante e regido pelo relógio.

Criar um ritmo de vida que se ajuste às nossas expectativas ou às dos outros não significa estar livre do estresse. Infelizmente vivemos experiências estressantes todos os dias, incorporando essa ansiedade como parte da nossa rotina.

Hoje, queremos falar sobre os fatores mais relevantes que tornam o nosso mundo estressante, ensinar a reconhecê-los e agir diante deles. O fato de nossas vidas nos parecerem normais muitas vezes nos impede de ver as consequências daquilo que normalizamos. Estamos enchendo lentamente o copo, esperando que a última gota que vai fazer tudo transbordar nunca caia.

Mulher estressada

A intoxicação do cérebro em um mundo estressante

Existem níveis leves de estresse que nos ajudam a melhorar as nossas habilidades cognitivas. Com a liberação de adrenalina, as vias nervosas são ativadas, permitindo que nos concentremos e que tenhamos um foco melhor. Este é o estresse mágico. Não há vida sem um nível mínimo de estresse.

Mas existe uma linha, seja pela intensidade, pela frequência ou pelo prolongamento no tempo, que, uma vez ultrapassada, faz com que todo o processo se volte contra nós.

A mesma mistura química que nos faz focar melhor em uma tarefa pode levar à ansiedade e até ao pânico. A adrenalina que liberamos em situações que nos deixam alerta, na medida certa, é necessária.

Quando aumentamos a dose, o corpo reage mal. Aumenta o fluxo de testosterona que é o que aumenta as nossas expectativas. Se você é mulher, a ocitocina também fica em alta e pede que você proteja as pessoas próximas a você, outro estressor adicionado à situação.

O cortisol liberado como contraponto ao excesso de adrenalina pode ser tóxico para o hipocampo. Tudo isso contribui para a criação de um efeito cascata que pode levar a problemas crônicos de saúde, desde doenças autoimunes até diabetes. Estar submerso em altos níveis de estresse também dificulta a conexão saudável com os outros.

O nervo vago

Quando passamos por períodos de estresse elevado, sistema nervoso simpático funciona com plena capacidade. As pessoas ao nosso redor podem ser grandes aliadas no combate a esses excessos de estresse.

Porém, em um mundo estressante como o que vivemos, às vezes temos que lidar com fatores como a competitividade – e tantos outros que veremos mais tarde – que nos afastam desse suporte de proteção contra o estresse.

O apoio que recebemos é traduzido em sinais inibitórios que passam pelo nervo vago para o sistema nervoso simpático. Quando interagimos com outras pessoas que nos fazem sentir seguros, reduzimos o estado de alta excitação constante.

Vivemos em uma cultura que mina constantemente nossos caminhos de conexão e nem sempre temos a facilidade de mudar as circunstâncias das nossas vidas. É por isso que é essencial encontrar uma maneira de equilibrar a resposta ao estresse excessivo.

O primeiro passo é reconhecer as circunstâncias

Muitos fatores neste mundo estressante nos deixam à mercê desse coquetel químico. Veremos alguns que são claros em princípio, mas há outros que não são, porque geralmente não os associamos a fatores indutores de estresse.

Os mais facilmente reconhecidos são os estressores no trabalho. Estudos mostram que mais de 70% da população sofre de estresse no trabalho. A aparência pessoal também aparece nos estudos entre os primeiros estressores.

Isso, embora à primeira vista pareça superficial, na verdade não é. Nossa aparência física está diretamente relacionada à nossa autoconfiança e autoestima. O estresse social que sofremos diariamente é outro fator do qual não temos consciência.

Nesse mundo estressante, as disputas absurdas por questões políticas, o bombardeio da mídia para formar a opinião pública e a inércia a que somos submetidos para tentar entender um mundo muitas vezes inexplicável têm um forte impacto em nosso estado de alerta.

Homem estressado

Principais circunstâncias

Além de tudo isso, mais cedo ou mais tarde teremos que enfrentar eventos que vão questionar nossa capacidade de gerenciar o estresse. A perda de um ente querido é um grande estressor que, dependendo das circunstâncias, pode até levar ao transtorno de estresse pós-traumático.

A perda de um ente querido em circunstâncias muito trágicas pode ser um choque de realidade. Começar a entender que essas coisas acontecem e continuarão a acontecer com as pessoas ao nosso redor pode gerar, antecipadamente, grandes níveis de estresse.

Da mesma forma, as preocupações financeiras pela perda do emprego ou pela simples situação que vivemos como sociedade atualmente são outras fontes de estresse. A preocupação de não poder pagar as contas ou chegar à idade de aposentadoria sem ter contribuído por anos suficientes são outras fontes de risco para a nossa saúde.

Tome medidas para lidar com o mundo estressante de hoje

O que para algumas pessoas pode ser uma fuga mental ou uma fonte de tranquilidade, como as reuniões de família, para outras pode ser um verdadeiro pesadelo. O estresse é algo absolutamente subjetivo e relativo à personalidade de cada um.

Fazer compras pode ser um bálsamo para muitas pessoas, mas para outras pode ser um ambiente propício ao estresse por excesso de estimulação. No âmbito do casal, é muito importante compreender isso e não estender nossas próprias demandas de tranquilidade às pessoas ao nosso redor.

Sem dúvida, tenha sido o estresse identificado ou não, é aconselhável seguir um programa de prevenção ou redução do estresse. Existem muitas maneiras de combatê-lo que são relativamente simples. Da meditação aos exercícios físicos, temos diversas opções.

Nem todos os sistemas funcionam para todos, por isso é importante encontrar o seu e colocá-lo em prática. É fato que o mundo é estressante, mas este é o mundo em que vivemos, e é mais fácil cuidar dele do que tentar mudá-lo.

Pode interessar a você...
As 4 preocupações existenciais do ser humano, segundo Irvin Yalom
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
As 4 preocupações existenciais do ser humano, segundo Irvin Yalom

Você conhece as 4 preocupações existenciais que enfrentamos ao longo de nossas vidas? Descubra neste artigo em que mencionaremos Irvin Yalom.



  • Miller, Lyle H., Smith, Alma Dell y Rothstein, L. (1993). The stress solution: an action plan to manage the stress in your life.
  • Banks, A. (2019). Counteracting the Impact of a Stressful World. Psychology Today
  • Jackson, M. (2014). The stress of life: a modern complaint?. The Lancet Journal.
  • The American Psychological Association (2010). Stress in American Findings.
  • Annu Rev Clin Psychol (2005). Stress and Health: Psychological, Behavioral, and Biological Determinants. US National Library of Medicine National Institutes of Health Search.