O fenômeno dos influenciadores digitais

24 Janeiro, 2020
O marketing de influência é um fenômeno viral para os consumidores e as empresas. Os consumidores preferem confiar em uma pessoa que, embora não conheçam, inspira confiança e apresenta bons argumentos para a compra de um produto.
 

A globalização é um fenômeno que acabou afetando até a maneira como entendemos o marketing. Hoje, a saturação da publicidade adicionada ao auge das redes sociais levou muitas empresas a criar novas ações para chegar aos consumidores. É aqui que surge a figura dos influenciadores digitais, também chamados de digital influencers.

São pessoas com uma conta em uma rede social específica e uma comunidade de seguidores que podem ser muito influenciados. Também são considerados novos atores na estratégia de marketing da empresa, que busca passar uma mensagem mais confiável.

Os influenciadores digitais podem ser celebridades tradicionais, mas também ganharam relevância significativa muitos blogueiros, youtubers e instagramers, que podem oferecer uma maior segmentação à mensagem da marca e permitir que as empresas alcancem o seu nicho de mercado.

A chegada das redes sociais criou um panorama em que a opinião de qualquer usuário pode gerar uma corrente ideológica, dando origem a uma nova linguagem. O objetivo deste artigo é examinar esse fenômeno que movimenta milhões de reais anualmente, e no qual mais de 20 milhões de pessoas trabalham em todo o mundo.

Pessoas usando seus celulares
 

O que são influenciadores digitais?

Embora todos nós tenhamos a capacidade de influenciar, em maior ou menor grau, um influenciador digital é capaz de transferir determinadas informações para mais círculos de influência. Essas pessoas alcançam várias comunidades online, mídia, outros influenciadores digitais e, mais importante, o consumidor final.

Entre as suas principais habilidades se destaca a capacidade de se comunicar e entrar em contato com os seus seguidores. O influenciador digital precisa conhecer o seu público e a sua linguagem, para saber como adaptar sua mensagem. Devemos ter em mente que o modelo de comunicação do influenciador é bidirecional, pois gera um espaço de diálogo.

Assim, eles também têm a capacidade de gerar confiança e reciprocidade. Ou seja, capacidade de transmitir proximidade e estabelecer relacionamentos duradouros. Além disso, mostrar empatia e semelhança com os seguidores é a chave para influenciá-los.

Obviamente, também é importante mostrar conhecimento sobre o assunto específico e falar de forma objetiva. Portanto, um ponto muito positivo no seu trabalho é que eles sabem como antecipar as perguntas que os potenciais compradores poderão fazer sobre os produtos que promovem.

Entre as principais características dos influenciadores digitais está a sua capacidade de criar tendências. Essa pessoa deve ser capaz de fazer o cliente comprar, consumir e recomendar o produto. Para isso, o influenciador deve ter uma boa habilidade de contar histórias, criar conteúdo (vídeos, imagens, artigos e opiniões), mantendo um bom nível de qualidade e gerando interesse do público que deseja alcançar.

 

Entre a fraude e os números

Também devemos destacar os perigos desse fenômeno, no qual é fácil se aproveitar da ignorância das pessoas. Aqui podemos ver dois casos que destacam os perigos que podemos encontrar:

Uma história especialmente paradigmática é a da instagramer americana Arii, uma garota com mais de 2,6 milhões de seguidores que decidiu lançar uma linha de roupas. Mesmo com tantos seguidores, não conseguiu vender mais de 36 camisetas.

Esta é uma demonstração real de que nem sempre o número de seguidores representa um público fiel ou uma massa de clientes em potencial. Existem, por exemplo, ferramentas que permitem comprar seguidores, os chamados “perfis fake”.

Outro caso muito conhecido foi o do Fyre Festival, um evento divulgado por vários influenciadores. Praia, supermodelos, uma ilha que pertenceu a Pablo Escobar nas Bahamas, ingressos a partir de 4.000 euros; todos os ingressos foram vendidos em 48 horas, mas era uma farsa.

No entanto, apesar desses perigos, de acordo com um estudo realizado em 2016 pelo Twitter, 49% dos consumidores buscam conselhos de influenciadores nas redes sociais para comprar. Além disso, 20% dos seguidores declararam que já compraram após os tweets de algum influenciador.

Este estudo também mostra que as áreas mais afetadas por esse tipo de marketing são a política, a sociedade e a moda. As redes sociais mais utilizadas são o Facebook, Twitter e Instagram.

Jovem mexendo nas redes sociais
 

Conclusão

Podemos dizer que o marketing de influência é um fenômeno viral para os consumidores e as empresas. Os consumidores preferem confiar em uma pessoa que, embora não conheçam, traz argumentos convincentes para comprar um determinado produto.

Por isso, as empresas decidiram investir tempo e dinheiro em um novo plano de marketing que inclui influenciadores digitais na estratégia de promoção e comunicação.

No entanto, é importante escolher o influenciador mais apropriado para a marca. Caso contrário, os recursos serão investidos inutilmente e a confiança na empresa poderá ser perdida.

 
  • Biblioteca Unirioja, https://biblioteca.unirioja.es/tfe_e/TFE004079.pdf
  • El País, https://smoda.elpais.com/moda/influencers-engano-marcas-pierden-millones-euros/
  • ABC, https://www.abc.es/tecnologia/redes/abci-instagram-adios-farsa-influencer-falso-fenomeno-entra-fase-madurez-201907250210_noticia.html