Inteligência somática: a conexão consigo mesmo

Grande parte do seu sofrimento, estresse e ansiedade são armazenados em seu corpo. A inteligência somática é a competência que nos permite conectar e compreender tudo o que acontece em nosso corpo e, consequentemente, em nossa mente.
Inteligência somática: a conexão consigo mesmo

Última atualização: 24 julho, 2022

A inteligência somática é uma competência de bem-estar mental que todos devemos desenvolver. Está relacionada à interocepção, com essa capacidade de fazer contato com as informações que o corpo nos envia sobre o que está acontecendo lá dentro. É também a arte de saber viver nessa embalagem que nos contém e que muitas vezes descuidamos tanto.

Por exemplo, as emoções são manifestadas através de um correlato fisiológico. O que sentimos aparece muito mais cedo no estômago, nos músculos, na pele e no coração do que na própria mente em forma de pensamento. Essas reações são poderosas e reveladoras, mas neste mundo acelerado cheio de estímulos externos, dificilmente temos tempo para ouvir mensagens somáticas.

Fazer isso, conectar-se com nosso próprio corpo, nos permite desenvolver muito mais nossa consciência. É favorecer uma união necessária entre corpo e mente para desenvolver aquele outro tipo de inteligência que tanto contribui para o nosso bem-estar. Porque saber o que acontece no corpo é entender o que suas emoções querem te dizer.

“Seu corpo é um templo da natureza e do espírito divino. Mantenha-o saudável; respeite-o; estude-o; e garanta-lhe seus direitos.”

Henri-Frédéric Amiel

Adolescente olhando no espelho pensando em desenvolver seu QI somático
Ansiedade, estresse e trauma geram sinais interoceptivos em nosso corpo que nem sempre sabemos entender.

A inteligência somática: a verdade está em seu corpo

A inteligência somática não é um conceito novo. No entanto, está ganhando cada vez mais relevância hoje. Está integrado naquelas perspectivas que procuram promover uma compreensão mais profunda do “eu”. Ali onde o corpo, a mente e as emoções formam uma entidade completa, inseparável e também reveladora.

Para entender essa abordagem, vamos pensar em algo por um momento. A cultura ocidental se concentra excessivamente em tudo relacionado ao intelecto. Assumimos que a melhor competência do ser humano é a sua inteligência. Ela é aquela que faz a diferença, aquela que nos permite ir longe na vida e resolver quase qualquer tipo de problema.

No entanto, como bem sabemos, a competência emocional também é relevante e configura outro poderoso marcador de inteligência. Agora, devemos introduzir uma terceira variável, e é a que se refere à interocepção, à conexão íntima com tudo o que acontece no organismo.

Porque embora estejamos sempre focados no que se passa na nossa cabeça, a verdade é que vivemos num corpo que, muitas vezes, não cuidamos como merece…

A ascensão das terapias somáticas

Aquelas conhecidas como abordagens somáticas ganharam peso nos últimos anos. Aí temos, por exemplo, a terapia de experiência somática desenvolvida pelo Dr. Peter Levine, voltada para o tratamento de traumas psicológicos. O objetivo é colocar o foco da atenção naquelas sensações corporais ligadas a eventos e sentimentos dolorosos do passado, e que a pessoa deve reconhecer e abordar.

Pesquisas da Universidade Hebraica de Jerusalém e do Instituto Internacional de Cura de Traumas apóiam a utilidade dessa estratégia. O objetivo é favorecer aquela inteligência somática capaz de favorecer a consciência corporal e os mecanismos de autorregulação emocional.

Por outro lado, também podemos destacar o método terapêutico criado pelo filósofo e psicoterapeuta Eugene Gendlin, que foi discípulo de Carl Rogers. Seu objetivo era promover a sabedoria corporal, a fim de integrar emoção e razão em um diálogo profundo. Somente quando favorecemos um autoconhecimento sobre o que nos acontece física e emocionalmente, conseguimos descobrir o que precisamos.

Somente quando conseguimos nos conectar com nosso corpo, entendemos o que nossas emoções estão nos dizendo. Esse é o ponto de partida de toda cura e ponte para o crescimento pessoal.

Sair da sua cabeça para entrar no seu corpo

Jon Kabat Zinn, o professor de medicina que popularizou as práticas de meditação na ciência ocidental, ele muitas vezes propôs algo muito concreto. Devemos sair de nossas cabeças para nos conectar ao nosso corpo através da respiração. Isto, insistiu, vai permitir-nos sentir mais presentes e também focados nas nossas necessidades.

De alguma forma, para desenvolver uma verdadeira inteligência somática, devemos fazer a mesma coisa: “sair” da nossa mente mais vezes. Estabelecer uma certa distância do ruído mental, das preocupações e das negatividades facilitaria a fuga da psique para entrar naquele corpo físico que tem tanto a nos explicar.

Casal fazendo mindfulness

Como desenvolver sua inteligência somática

É provável que toda vez que você sofrer de dores de cabeça ou dores musculares, você tome um analgésico e tente descansar um pouco. Nada mais. No entanto, nem sempre você para por um momento para se perguntar o que seu corpo quer lhe dizer. Porque ele está gritando, mas você não ouve ele, você não ouve ele dizer que, às vezes, por trás desse mal-estar, há estresse, tristeza, preocupação, angústia

É hora de fazer mudanças e desenvolver um pouco mais sua inteligência somática. Estas são chaves simples que podem ajudá-lo:

  • Fique ciente de onde a tensão se acumula em cada parte do seu corpo. Há dias em que seu sistema parassimpático está mais reativo e você percebe um desconforto maior no estômago, nos músculos e na respiração. Tente descobrir a que se devem essas sensações. Atrás delas pode haver um correlato emocional.
  • Sua mente é muitas vezes como um macaco balançando. Tente parar o movimento incessante dele, peça para ele acalmar. Então, concentre-se em cada sensação física que você percebe, em sua cabeça, pescoço, peito, abdômen, pernas, em sua respiração… Isso permitirá que você relaxe.
  • “Escaneie” seu corpo toda vez que for tomar uma decisão. Tente relaxá-lo, só assim você alcançará um estado de calma ideal para elaborar melhores ideias e estratégias de ação.

Por último, mas não menos importante, não hesite em dar um passeio todos os dias. Use esse tempo para meditar, para garantir que mente e corpo estejam em harmonia, conectados e em movimento. A vida parece muito mais clara quando você se sente conectado a todas as áreas do seu ser: intelecto, emoções e organismo.

Pode interessar a você...
Como acalmar a ansiedade no trabalho?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como acalmar a ansiedade no trabalho?

Você já sentiu ansiedade no trabalho? A ansiedade pode aparecer a qualquer momento vamos ver como podemos acalmá-la.



  • Craig, A. D. (2003). Interoception: The sense of the physiological condition of the body. Current Opinion in Neurobiology. https://doi.org/10.1016/S0959-4388(03)00090-4
  •  Risa F. Kaparo (2009) Awakening Somatic Intelligence: The Art and Practice of Embodied Mindfulness. North Atlantic Books