Jerome Bruner: 9 postulados para melhorar a educação

· abril 1, 2018

Jerome Bruner é um dos arquitetos da revolução sofrida pela psicologia cognitiva após os paradigmas computacionais clássicos. Segundo seu ponto de vista, a psicologia também havia caído em um paradigma computacional e mecanicista. Em contraste, Bruner defendeu uma disciplina baseada na psicologia cultural, porque nenhuma atividade mental era independente do contexto social. Assim, para ele, era impossível entender o que acontece nas nossas mentes sem levar em conta o contexto cultural.

Este autor destaca suas grandes contribuições para a psicologia educacional, desde a psicologia cognitiva até as teorias de aprendizagem. Jerome Bruner analisou as importantes implicações da psicologia cultural para a educação. Com isso, ele procurou alcançar mudanças em um sistema educacional baseado em paradigmas reducionistas, junto com um aprendizado rotineiro, apostando em uma educação construtivista e focada na pessoa.

Para conseguir isso, Jerome Bruner expôs 9 postulados que a psicologia educacional deveria adotar para melhorar o sistema educacional. Falaremos em detalhe sobre eles a seguir.

Jerome Bruner

Postulados educativos de Jerome Bruner

O postulado perspectivista

Primeiro, antes de tudo, vamos expor uma das ideias principais do pensamento de Bruner: toda a criação de conhecimento é relativa à perspectiva em que é construída. Os significados não são absolutos e objetivos, dependendo em grande parte do ponto de vista. Entender o “significado” significa entendê-lo junto com suas outras possibilidades, e isso será correto ou incorreto, dependendo da perspectiva do contexto.

As interpretações do significado nos mostrarão as formas padronizadas de construir a realidade em uma cultura através do filtro cognitivo de cada indivíduo, para que cada um de nós acabe gerando construções similares e, ao mesmo tempo, únicas .

Como melhorar a memória

O postulado dos limites

O seguinte postulado é sobre as limitações existentes na criação do significado. Jerome Bruner especificou dois grandes limites que atuaram na construção da realidade. O primeiro deles é inerente à própria natureza do funcionamento humano: nosso processo evolutivo nos especializou para conhecer, pensar, sentir e perceber de um certo modo.

E o segundo limite se refere aos constrangimentos impostos por nosso mesmo sistema simbólico com o qual realizamos operações mentais. Esta limitação se baseia na hipótese de Sapir-Whorf, que afirma que o pensamento toma a sua forma a partir da linguagem em que é formulada ou expressa.

O postulado do construtivismo

Quando falamos de construção do conhecimento e criação de significado, é necessário partir de um paradigma construtivista. O que estabelece que a realidade em que vivemos é construída. Nas palavras de Nelson Goodman, “a realidade é feita, não é encontrada”.

A educação deve se basear em ajudar as crianças a obterem ferramentas culturais para a criação de significado de forma crítica e adaptativa. Nesse sentido, podemos abordar a metáfora de que o sistema educacional tem como objetivo criar bons arquitetos e construtores de conhecimento, e não transmitir o conhecimento em si.

Crianças tendo aula

O postulado interacional

A troca de conhecimento, como qualquer troca humana, supõe a existência de uma comunidade em interação. Por exemplo, as crianças, principalmente através dessa interação com os outros, descobrem o que é a cultura e como o mundo é concebido. Muitas vezes se diz que esta comunidade inter-relacionada nasce graças ao dom da linguagem, mas, na realidade, é devido à forte intersubjetividade entre os indivíduos. Uma intersubjetividade que se baseia na habilidade humana de entender a mente dos outros (teoria da mente)

O postulado da externalização

Este postulado se baseia na ideia de que a missão de toda atividade cultural coletiva é criar “obras” ou produtos externos. Os benefícios da cultura de externalização ajudam a criar uma identidade social, o que facilita o funcionamento e a solidariedade coletiva.

Essas obras externalizadas criam um grupo de formas de pensamento compartilhadas e negociáveis, o que facilitará a operação cooperativa em direção ao mesmo objetivo. O sistema educacional depende fortemente do uso dessa externalização (como livros) para transmitir uma maneira de agir de acordo com a cultura em que essa educação é entregue.

O postulado do instrumentalismo

A educação, no entanto, seja lá como ela for feita e em qualquer cultura, sempre tem consequências sobre as vidas subsequentes daqueles que a recebem. Nós também sabemos que essas consequências são fundamentais para a pessoa, e até sabemos que, em um sentido menos pessoal, são instrumentos da cultura e de suas diversas instituições.

Este postulado quer enfatizar que a educação nunca é neutra, pois terá sempre consequências sociais e econômicas, que serão instrumentais para alguns poderes ou para outros. A educação seria, assim, uma questão política na sua concepção mais ampla.

Sala de aula

O postulado institucional

O sétimo postulado de Jerome Bruner fala que, à medida em que a educação se institucionaliza no mundo desenvolvido, comporta-se como tal e frequentemente as instituições fazem o mesmo. O que a distingue de outras instituições é o papel que desempenha: preparar as crianças para que participem mais ativamente do resto das instituições relacionadas à cultura.

A institucionalização da educação tem muitas implicações para a própria educação. Assim, a natureza da mesma vai determinar a função de cada um dos atores na educação, e que status e respeito são concedidos.

O postulado de identidade e autoestima

Talvez o elemento mais universal sobre a experiência humana seja o fenômeno do “eu” ou do autoconceito. Conhecemos o “eu” pela nossa própria experiência interior e reconhecemos a existência de outros “eus” nas mentes dos outros. Mesmo certos movimentos que surgem da psicologia social sugerem que o autoconceito só faz sentido a partir da existência de uma identidade nas outras pessoas.

A educação desempenha um papel central na formação do autoconceito e da autoestima. Por esta razão, é essencial propor uma educação levando em consideração as consequências da instrução formal na formação da identidade pessoal.

Crianças na escola

O postulado narrativo

O último dos postulados de Jerome Bruner alude à maneira de pensar e sentir que os indivíduos se apoiam na hora de criar o mundo individual onde vivem. Para este autor, uma parte essencial desse processo é a capacidade narrativa ao criar histórias. Esta é uma das ótimas obras de Bruner; a influência que a narração tem dentro da psicologia cultural.

Sempre foi tacitamente assumido que a capacidade narrativa é dada “naturalmente”, que não precisa ser ensinada. Mas um olhar mais abrangente mostra que essa ideia não é verdadeira. A educação irá modificar grandemente a capacidade e a qualidade narrativa das pessoas. Portanto, é aconselhável monitorar a influência do sistema educacional na narrativa.