Ler não é viver, mas é um caminho de volta à vida

Ler não é viver, mas é um caminho de volta à vida

dezembro 16, 2015 em Curiosidades 0 Compartilhados
O prazer de ler um livro

Ler não é viver, mas é uma das melhores formas de estar vivo, de mergulhar em um oceano de letras para renascer, refugiar-se e libertar nossa imaginação e emoções.

Os livros são um bem universal que deveria transcender mundos e culturas e ir além do tempo. São um legado para a humanidade e são transmitidos de pai para filho, como um bem muito precioso.

Se você é daquelas pessoas que por vezes passa a noite lendo um bom livro, vai se identificar com estas reflexões.

As leituras da infância

Assim que iniciamos nosso aprendizado de ler e escrever, começamos a ler os primeiros livros que abrem as portas para um novo mundo e o autoconhecimento.

As primeiras leituras da infância são histórias emocionantes, cheias de fantasias inesquecíveis. São portas abertas pela primeira vez para experimentar o terror, a aventura, o amor…
Compartilhar

Muitas vezes, quando fechamos os olhos, gostaríamos de voltar no tempo e reviver todas essas sensações que estão guardadas nos nossos velhos livros da infância, que ainda guardam nosso nome escrito na primeira página.

De alguma maneira, os livros antigos são como fotografias da alma, como pequenos mundos que contêm muitas partes de nós mesmos.

O prazer de ler um livro

São emoções contidas num mar de letras que ainda nos comovem e fazem com que nos perguntemos se as crianças de hoje se aproximam dos livros com a mesma paixão.

O mundo mudou, e a sociedade se baseia muito mais na tecnologia do que nas páginas de um livro.

Entretanto, vale a pena investir nessa aproximação com os livros. De que forma? Através destas simples estratégias:

– Incentivar nas crianças o gosto pela leitura.

– A melhor maneira de fazer isso é através do exemplo. Se você gosta de ler, se os livros forem algo íntimo e familiar, as crianças vão perceber e se interessar pela leitura.

– Não force a criança a ler um determinado tipo de livro; permita que elas escolham o que lhes interessa no momento.

– Estabeleça horários para leitura. Por exemplo, à noite, ler um pouco antes de dormir é um hábito saudável.

Os livros e a arte dos sentidos

Não importa o tamanho dos livros, eles não pesam e não incomodam. Às vezes, carregamos muitos livros em nossa mala, para ler durante uma viagem de ônibus: são nosso refúgio.

Os livros são lidos, cheirados, acariciados e, para algumas pessoas, não devem ser emprestados. São amigos silenciosos, com quem estabelecemos uma ligação única e excepcional, amigos de prazeres e aventuras.
Compartilhar

Desfrutamos os livros com todos os sentidos. Provavelmente, você já se perguntou porque os livros antigos têm esse cheiro peculiar que nos intriga e agrada tanto?

Tudo isso é devido a um elemento oculto em suas páginas: a lignina (prima-irmã da baunilha). É um polímero vegetal que, no caso das árvores, ajuda a mantê-las fortes.

Todo livro produzido à moda antiga, contém essa essência de baunilha que se acentua conforme as folhas envelhecem e ficam amareladas.

Atualmente, esse processo mudou e já não sentimos esse perfume inebriante do passado. Além disso, utilizamos mais os dispositivos eletrônicos.

Leia para ser livre, leia para ser feliz

A leitura é mais do que um refúgio, é a aquisição de novos conhecimentos, a possibilidade de vivenciar as histórias alheias, viajar por mundos impossíveis. Quando fechamos um livro, já não somos mais os mesmos.

Ler nos permite voltar à realidade quando quisermos, sabendo que os livros e suas histórias permanecem vivos dentro de nós.

E apesar de entender que ler não é viver, que não é vida real, os livros continuam alegrando a nossa vida.

O prazer de ler um livro

Não há dúvida de que a vida nos traz muita sabedoria, mas quem lê regularmente recebe muitos benefícios.

É um erro acreditar que quem lê muito não deseja viver no mundo real. A leitura é um aprendizado constante e nos torna mais habilidosos.

Um bom livro nos ajuda a compreender muitos aspectos do cotidiano que geram estresse e ansiedade; instrui, acalma, dá prazer e traz novos conhecimentos.

A pessoa que está habituada a ler se torna mais exigente e desenvolve seu senso crítico. Ela tem pontos de vista variados porque já viveu em muitos mundos e conheceu muitas formas de pensar.

Ler não é somente uma forma de ser mais livre; é ter uma arma poderosa ao alcance das mãos.
Compartilhar
Recomendados para você