As Lições para o Século 21 de Yuval Noah Harari

maio 24, 2020
Em 21 Lições para o Século 21, encontramos um conjunto de reflexões lúcidas que nos permitem reparar em uma série de fenômenos que ocorrem no mundo atual. São mudanças profundas na política, na cultura e na sociedade que nos afetam diretamente.

21 Lições para o Século 21 é uma das obras mais recentes do professor Yuval Noah Harari, historiador e escritor israelense que ficou famoso por livros como Sapiens: Uma Breve História da Humanidade e Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã. Suas obras foram traduzidas para mais de 40 idiomas e apresentam um enfoque inovador sobre a realidade atual.

Em 21 Lições para o Século 21, Harari faz uma leitura do mundo contemporâneo que nos convida a uma reflexão. Ele propõe, basicamente, que atualmente é exercida uma censura aberta muito nociva.

Diferentemente do que acontecia no passado, a informação não é mais proibida, muito pelo contrário, ela inunda a sociedade. Dessa forma, assuntos que detêm uma importância verdadeira acabam ficando ocultos.

Harari também aborda temas muito atuais como o poder, o papel dos grandes impérios, a imigração, o nacionalismo, etc. A obra 21 Lições para o Século 21 se divide em cinco partes, e cada uma delas inclui um grupo de lições.

Vejamos quais são esses cinco blocos e quais lições eles nos transmitem.

“No passado, a educação construiu identidades sólidas como casas de pedra. Agora, precisamos construí-las como barracas de lona, que podem ser dobradas e movidas”.
-Yuval Noah Harari-

Mundo interconectado

O desafio tecnológico, uma das lições para o século 21

A primeira parte de 21 Lições para o Século 21 é dedicada ao desafio tecnológico. Nesta parte, Harari inclui quatro lições relacionadas com a crise atual dos valores liberais e os valores implicados nas novas tecnologias.

As lições são as seguintes:

  • Decepção. O relato liberal se impôs sobre o do fascismo e o comunismo. A liberdade e a luta por ela perderam seu valor gradativamente. Agora, há um maior ceticismo.
  • Trabalho. A inteligência artificial está deslocando os seres humanos, e no futuro muitas profissões e ofícios atuais desaparecerão. Surgirá uma “classe inútil”: pessoas que não sabem produzir nesse novo contexto.
  • Liberdade. Os macrodados estão nos observando constantemente e, sem querer, transferimos a eles o poder de tomar decisões por nós. Abrem-se as portas de uma ditadura digital.
  • Igualdade. Quem possui os dados também possui o futuro. O poder está nas mãos das grandes corporações tecnológicas, que poderão gerenciar o mundo como quiserem no futuro.

O desafio político

O segundo bloco de temas de 21 Lições para o Século 21 tem relação com o desafio político. Ele se divide nos seguintes aspectos:

  • Comunidade. Apesar dos seres humanos terem corpo, as comunidades virtuais estão cada vez mais espalhadas.
  • Civilização. Atualmente, a maior parte do mundo constitui uma mesma civilização. As diferenças estão cada vez mais diluídas.
  • Nacionalismo. A maioria dos problemas atuais são de origem global, não nacional.
  • Religião. As religiões continuam tendo um papel importante, como aglutinantes de ficções compartilhadas.
  • Imigração. A imigração é bem-sucedida sempre que o imigrante abandona a sua cultura de origem. Estamos passando do racismo ao “culturismo”.

Desespero e esperança

Nesta seção, Harari aponta que a humanidade pode se manter à tona se conseguir conservar a calma e evitar os medos irracionais. Para fazer isso, ele explica que é necessário consolidar os valores laicos, por seu poder racional.

As lições, nesse caso, são:

  • Terrorismo. O terrorismo está superdimensionado. Não devemos nos assustar.
  • Guerra. O belicismo está ganhando terreno, e nunca devemos subestimar a estupidez humana.
  • Humildade. Cada pessoa e cada cultura deve entender que não é o centro do mundo.
  • Deus. Ser crente não é sinônimo de ser ético.
  • Laicismo. Aqueles que aceitam a sua ignorância são mais confiáveis do que aqueles que se autoproclamam portadores da verdade.

A verdade

Nesta seção, Harari fala sobre a importância de combater os preconceitos e encontrar fontes confiáveis para definir nossos próprios critérios. Este bloco inclui quatro lições:

  • Ignorância. Você sabe menos do que a avalanche de informação faz você acreditar que sabe.
  • Justiça. A justiça não está em valores abstratos, e sim em uma avaliação razoável das causas e dos efeitos que as decisões e os comportamentos têm.
  • Pós-verdade. A verdade e o poder só caminham juntos durante um tempo. Cedo ou tarde o poder terá que construir ficções.
  • Ficção científica. O livro Admirável Mundo Novo é o mais profético de todos que já foram escritos.
O poder da mente

A resiliência, a última seção de 21 Lições para o Século 21

A última seção de 21 Lições para o Século 21 fala sobre a importância de reconhecer que os relatos tradicionais não explicam mais o mundo, mas ao mesmo tempo, não surgiram novos relatos com uma capacidade suficiente para explicá-lo.

Diante desse tema, há três lições que devemos levar em conta.

  • Educação. O objetivo da educação não é mais obter informação, e sim desenvolver a capacidade de dar sentido a ela.
  • Significado. A vida não é um relato, e é importante aprender a distinguir ficção e realidade.
  • Meditação. A possibilidade de escolher ainda existe, mas provavelmente vai se perder. Observemos.

As lições para o século 21, como podemos ver, despertam reflexões para as quais não há respostas fechadas. Elas se referem a pontos de inflexão no mundo atual, sobre os quais vale a pena pensar.

Harari, Y. N. (2018). 21 lecciones para el siglo XXI. Debate.