Os malefícios da internet: como ela diminui a capacidade crítica

· maio 2, 2018

Diferentes autores e linhas de pensamento já chegaram à mesma conclusão: são muitos os malefícios da internet para a nossa capacidade crítica. Não estamos falando de uma hipótese, e sim de uma conclusão sustentada em fatos, que se baseia em uma análise bastante profunda. A web existe tendo como base um conjunto de regras de funcionamento e uma determinada lógica que faz com que seus usuários sofram diversas consequências negativas com seu uso.

A deterioração da capacidade crítica é uma delas. Essa capacidade corresponde à aplicação de um critério pessoal que atribui valor para a informação ou para um ponto de vista que é apresentado. Ela permite determinar o grau de validade e a relevância do que se está lendo ou vendo, por exemplo. A internet dificulta esse processo, e por isso podemos afirmar que ela diminui essa capacidade.

“O que ocorre em Las Vegas fica em Las Vegas. O que ocorre no Twitter fica no Google para sempre”.
-Jure Klepic-

De que forma isso acontece? Muitos espaços da rede online, como mecanismos de busca ou das redes sociais, funcionam a partir de algoritmos. A princípio, trata-se apenas de agradar a pessoa, fazendo a busca ou organizando as informações de acordo com os gostos e preferências dos usuários. Com o tempo, o processo acaba por limitar a experiência dos internautas, já que só o que ele já conhece, gosta ou concorda é mostrado. A longo prazo, isso diminui a capacidade crítica. Veja mais especificamente o porquê a seguir.

Os principais malefícios da internet

1. A informação mostrada confirma as opiniões prévias

Quando uma pessoa usa uma ferramenta de busca, esta faz uso de todos os dados já armazenados sobre esse usuário em particular. Desse modo, o que será mostrado primeiro são os sites que costumam ter a mesma linha de pensamento da pessoa, porque são os sites que o usuário costuma consultar habitualmente. Uma grande quantidade de material é deixada de fora dos resultados da sua busca.

Algo similar acontece com as redes sociais. Quando você se loga, a rede coloca em primeiro plano a informação das pessoas com as quais você interage mais frequentemente e, geralmente, que pensam de modo similar a você. Você nem se dá conta, mas seu círculo de pessoas que efetivamente aparecem na rede é bem mais reduzido do que o total de pessoas que você realmente possui.

Ferramentas de busca na internet

O efeito de tudo isso é que sem querer você acaba em um mundo ideológico que apenas confirma as opiniões que você já tem. Não surgem na sua página opiniões, informações ou ideias que contradizem as suas. O que as redes sociais lhe oferecem é apenas a confirmação do que você já sabe ou acha. Isso faz com que as pessoas tenham uma ideia limitada do mundo que as rodeia. Pensam que a realidade é assim, sem se dar conta que estão sendo induzidas a ver apenas uma parte dela. Por isso a internet diminui a capacidade crítica.

2. A internet diminui a capacidade crítica estimulando o narcisismo

As redes sociais criaram um novo tipo de vício: a busca por likes. Não é que você tenha isso de forma consciente, mas toda vez que alguém faz um post, seja direta ou indiretamente, o que espera é a reação das outras pessoas aprovando o que você acaba de dizer ou mostrar. Se essa aprovação não vem, pode surgir a frustração ou até mesmo a dúvida sobre se o que você está fazendo está bom ou certo.

A ciência já demonstrou que os likes ativam os circuitos de dopamina. Ou seja, dão prazer e são cada vez mais colocados como uma mecanismo de recompensa. Fazem a pessoa se sentir bem com ela mesma porque pressupõem uma aceitação do grupo. Isso pode ser problemático em vários níveis, porque a dependência dos likes molda nossas opiniões sem nos darmos conta disso.

Curtidas na internet

Esse é outro modo por meio do qual a internet diminui nossa capacidade crítica: converte nosso ego em um produto de consumo social, que busca sempre a aprovação dos demais. Estar em desacordo poderia significar sair de determinado grupo ou até mesmo enfrentar a rejeição pública. Isso faz com que condicionemos nosso pensamento.

3. Promove relações sociais irrelevantes

Há muitos meios para interagir com outras pessoas na internet. Entre estes meios estão, é claro, as redes sociais. Mas há também fóruns, chats e outros meios de comunicação similares. Desse modo, a web cria a falsa sensação de não estarmos sozinhos. É como se estivéssemos o tempo todo dentro de uma conversa interminável, que não tem começo nem fim. Essa conversa, por sua vez, gira em torno dos mesmos temas sempre. Afinal, goste você ou não, é disso que se fala naquele lugar.

De forma imperceptível, cada vez mais é menos necessário o contato físico para interagir com os outros. As interações na rede supõem adotar uma postura física na qual quase sempre estaremos sentados olhando para uma tela. Tanto um quanto o outro têm efeitos no nosso corpo e no nosso cérebro. O exercício ajuda na saúde de nosso corpo, e o contato físico eleva a capacidade de empatia pelas trocas humanas e pelo afeto.

Homem viciado em redes sociais

Como podemos ver, a internet definitivamente diminui a capacidade crítica. De forma voluntária e dócil, nós nos adaptamos às novas formas de viver e de se relacionar por meio de telas, que nos afastam da experiência de contato direto e da vida real. Terminamos vivendo em um mundo pequeno e limitado por molduras que nós mesmos criamos ao entrarmos na rede. Esses são os malefícios da internet. O que você vai fazer para lidar com eles?