Como é a mente de um bebê?

novembro 9, 2019
Nas últimas décadas, diversos estudos começaram a derrubar mitos relacionados à mente dos bebês. Neste artigo, falamos dos mais importantes.

Ao longo da história, a mente foi descrita de várias maneiras. Com os avanços das pesquisas e através de determinadas disciplinas, hoje sabemos mais sobre ela. No entanto, você já se perguntou como é a mente de um bebê? É igual à de um adulto ou de uma criança? Trata-se de um assunto fascinante que vem sendo estudado rigorosamente há pouco tempo.

Diversos autores ao longo da história consideraram os bebês adultos em miniatura, e não seres qualitativamente diferentes.

Viajando no tempo, também encontramos ideias curiosas. Por exemplo, Descartes acreditava que os bebês ficavam presos no momento presente, enquanto William James defendia que o mundo dos bebês podia ser resumido a uma confusão de zumbidos.

Com o tempo e várias teorias filosóficas, psicológicas e biológicas, o conhecimento e a reflexão tornaram-se mais precisos e profundos. Assim, neste artigo tentaremos entender um pouco melhor como funciona a mente dos bebês e por que e como ela difere da do adulto.

Como é a mente de um bebê segundo a neurociência?

Como é a mente de um bebê segundo a neurociência?

A neurociência atual dispõe de meios que permitem destacar ou descartar hipóteses passadas. Através de técnicas que medem a atividade cerebral dos bebês, sabemos que eles são capazes de processar informações de curto prazo.

Então, eles têm a capacidade de captar várias sensações e lhes dar um certo sentido.

É assim que os bebês podem detectar estímulos incomuns, mesmo que não se concentrem em algo específico. Trata-se de uma habilidade maravilhosa e necessária para o aprendizado. Além disso, a ausência de preconceitos faz com que seja atribuída uma criatividade potencial maior.

Também sabemos que o bebê tem mais neurônios que o cérebro adulto. À medida que nos desenvolvemos, ocorre um processo chamado poda neuronal, no qual eliminamos conexões e neurônios que não são tão úteis para nós.

Além disso, após analisar as conexões das regiões do córtex cerebral do bebê, verificou-se que elas estão melhor conectadas do que no adulto, principalmente em regiões dedicadas às funções executivas.

Isso é fascinante, e poderia ser precisamente um dos fenômenos responsáveis ​​por sermos capazes de aprender tanto nas fases iniciais de nossas vidas. Nossa fiação cerebral interna seria um elemento facilitador.

Assim como no cérebro adulto, os neurotransmissores também são importantes no cérebro do bebê. Nesse sentido, sua liberação peculiar tornaria os bebês menos seletivos filtrando os estímulos.

Mitos sobre a mente do recém-nascido

David Chamberlain, um psicólogo californiano, se dedicou a estudar a mente dos bebês. Em seu livro A mente do bebê recém-nascido, ele enfatiza os mitos mais importantes associados à mente do bebê. Nós mostramos alguns:

  • Os bebês não sentem. Pode parecer óbvio que eles sentem, mas há alguns anos ainda se pensava que não. Considerava-se que não era necessário dar anestesia a eles. No entanto, eles sentem, e o fazem graças ao sistema nervoso central, entre outros elementos.
  • Os bebês têm “um cérebro pobre”. Graças aos estudos, sabemos que isso não é verdade. De fato, eles contam com mais neurônios do que o cérebro adulto.
  • Não são capazes de pensar. Claro que são. No entanto, eles o fazem de maneira diferente da criança ou do adulto.
  • O recém-nascido não precisa da mãeEle precisa dela em termos do papel que desempenha como figura de apego, como referência e fonte de amor.

Por outro lado, a psicologia perinatal mostrou a importância das relações do bebê para seu desenvolvimento futuro. Enquanto isso, o behaviorismo centrou-se em como a habituação e a sensibilização funcionam.

Assim, graças a essas e outras abordagens, hoje sabemos que o bebê tem funções que no passado acreditava-se serem inexistentes.

O desenvolvimento da mente do bebê

O desenvolvimento da mente do bebê

À medida que os bebês crescem, eles mudam. Algumas dessas mudanças são evidentes, enquanto outras são tão graduais ou internas que passam despercebidas.

Por exemplo, uma criança de zero a dois anos aprende a manipular objetos através dos sentidos. Além disso, pode começar a engatinhar, tem mais acesso ao idioma e começar a desenvolver seu apego. Então, a mente não será a mesma de uma criança de 3 anos.

Mas, por quê? Acontece que, ao interagir com o ambiente, o cérebro do bebê vai mudando, estabelecendo novas conexões e descartando aquelas que não são eficazes. Isso acontece de acordo com o estágio de desenvolvimento em que está.

Então, a nível cerebral, ocorrem mudanças mês a mês. Isso dependerá dos fatores biológicos próprios da criança e da sua interação com o ambiente. Assim, cada marco favorece o desenvolvimento do bebê.

Por exemplo, de acordo com María Caballero, autora do livro Neuroeducação de professores e para professores, engatinhar favorece a integração do corpo caloso, uma estrutura que une ambos os hemisférios.

Como consequência, desenvolvemos um padrão cruzado, o sistema vestibular e proprioceptivo, a convergência visual e o foco dos olhos, o sentido do tato, a futura lateralização e a escrita no futuro.

Em suma, a mente de um bebê é realmente fascinante; estabelece conexões após cada aprendizado, precisa do outro para favorecer um desenvolvimento ideal e, por não ter preconceitos, pode ter uma capacidade criativa maravilhosa.

Por outro lado, ainda temos muitas perguntas sem resposta e outras que ainda nem chegamos a formular: as pesquisas trabalham em cima disso.

  • Caballero, M. (2017). Neuroeducación de profesores y para profesores. Ediciones Pirámide.
  • Chamberlain, D. & Martí, N. (2002). La mente del bebé recién nacido. Ob stare.
  • García, E. (2007). Teoría de la mente y ciencias cognitivas. Nuevas perspectivas científicas y filosóficas sobre el ser humano. Madrid: Universidad Pontificia Comillas de Madrid, 17-54.
  • Lehrer, J. (2009). Inside the baby mind. The Boston Globe. Recuperado de: http://archive.boston.com/bostonglobe/ideas/articles/2009/04/26/inside_the_baby_mind/?page=full