Meu parceiro não aceita meus filhos: o que fazer nessa situação?

Quando seu novo parceiro não aceita seus filhos, é hora de intervir e tomar decisões. Mostraremos algumas estratégias que podem te ajudar nesta situação.
Meu parceiro não aceita meus filhos: o que fazer nessa situação?

Última atualização: 08 Dezembro, 2021

Encontrar um parceiro após um rompimento pode ser um sopro de esperança. No entanto, isso pode ser desativado se seu novo parceiro não aceitar seus filhos. O que fazer nessa situação?

Ter filhos, principalmente quando são pequenos, com um parceiro anterior, geralmente não é uma variável que aumenta nossas chances de encontrar um parceiro. Na verdade, é um fator que o torna mais difícil. A nova pessoa que chega tem que conhecer não só você, mas também seus filhos, e aceitá-los.

Se você se encontra nesta situação, provavelmente está em conflito, porque, devido a esta circunstância, você não vê um futuro com essa nova pessoa. O que pretendemos com este artigo é ajudá-lo a organizar suas idéias e lidar com a situação.

Como agir quando seu parceiro não aceita seus filhos

Provavelmente você notou os sinais: seu parceiro ignora seus filhos, reluta em ir até sua casa, a interação deles é tensa, ele fica chateado quando você os prioriza e assim por diante. Embora esses sinais possam ser muito sutis, você acabará notando-os em algum ponto.

Se você deixar essa situação continuar, sem resolvê-la, com certeza vai comprometer os planos futuros que você tem com aquela pessoa. Sem falar nas consequências para seus filhos: ter que dividir suas atenções com outra pessoa que os rejeita, e até mesmo ter que morar com ela em algum momento.

É por isso que é importante resolver essa situação: primeiro, pelo bem-estar de seus filhos, e depois para ajustar seu relacionamento ao que ambos realmente desejam. Aqui estão algumas estratégias para conseguir isto.

Casal falando sobre filhos de mulher

1. Fale com seu parceiro

Se seu parceiro não comentou diretamente sobre o desconforto em relação a seus filhos, tome a iniciativa e abra a conversa. Pode ser que o desconforto seja decorrente de não os conhecer a fundo, de ter vivido um momento desagradável com eles ou, simplesmente, de não estarem em suas prioridades de vida.

Embora seja respeitável que alguém não goste de crianças – ou dos seus filhos em particular – seu parceiro deve entender que desistir deles não é uma opção. Aceitar ou não é decisão dele, mas ele deve colocar suas prioridades em ordem e comunicá-las a você.

2. Converse com seus filhos

Para os seus filhos, também é uma situação difícil, especialmente se forem pequenos. Depois de passar pelo processo de divórcio, ficar com apenas um dos pais e receber uma terceira pessoa pode não favorecer exatamente o relacionamento deles com você.

Seus filhos também devem ser capazes de se expressar. Ouça como eles se sentem e tome medidas para que possam se ajustar à nova situação com facilidade.

Às vezes são os filhos que rejeitam o seu novo parceiro porque podem sentir que, ao aceitá-lo, estão desistindo daquele futuro imaginário de reconciliação dos pais ou que, no mínimo, estão traindo o outro pai. Você pode precisar trabalhar com os pequenos antes de fazer antes de começar a trabalhar nessa situação com seu parceiro.

Se eles forem mais velhos, você pode trabalhar em um nível cognitivo mais complexo. Explique o que significa para você ter encontrado alguém especial e que nunca irá negligenciá-lo ou deixar de amá-lo por isso. Sua felicidade amorosa não é incompatível com seus filhos.

Mulher falando com o filho

3. Antes de acabar o relacionamento, você sempre pode tentar melhorar o relacionamento

É possível que a rejeição seja resultado do medo e da ignorância, ou simplesmente de que seus filhos e seu parceiro não tenham começado com o pé direito. Se perceber que o problema está na mera interação e não em algo mais profundo, você pode tentar criar situações em que ambas as partes possam se relacionar de forma positiva.

Viagens, ida a um parque de diversões, organização de refeições… Existem muitas maneiras de criar um bom ambiente. Aproveite o fato de que você conhece ambas as partes para criar circunstâncias nas quais elas possam se encontrar.

4. Tome uma decisão

Se suas conversas ou ações não estão funcionando, é hora de tomar uma decisão. Não é estritamente necessário que você acabe o relacionamento com seu parceiro, mas você precisa repensar os planos futuros que tem com essa pessoa.

Nestes tempos, em que os relacionamentos são flexíveis, você pode encontrar um ponto em que pode aproveitar o tempo que passa com seu parceiro sem prejudicar nenhuma das partes. Você vai precisar, sim, de muita capacidade organizacional e de uma mente aberta, por parte de seus filhos, de você e de seu parceiro.

Pode interessar a você...
As 12 regras de uma família narcisista disfuncional
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
As 12 regras de uma família narcisista disfuncional

Existem várias dinâmicas que constroem as bases de uma família narcisista disfuncional. Vamos falar sobre estas regras neste artigo. Confira!



  • Tomé, M. G. (2008). La mediación familiar en los conflictos de pareja. Documentación social148, 43-60.
  • Yárnoz-Yaben, S. (2010). Hacia la coparentalidad post-divorcio: percepción del apoyo de la ex pareja en progenitores divorciados españoles. International journal of clinical and health psychology10(2), 295-307.
  • Torres Gómez, M. F. (2015). La custodia de los hijos en las parejas separadas. Conflictos privados y obligaciones públicas. Tendencias y Retos20(2), 177-179.