Mindfulness para crianças: aprendendo a gerenciar as emoções

Mindfulness para crianças: aprendendo a gerenciar as emoções

dezembro 3, 2017 em Psicologia 0 Compartilhados
Mindfulness para crianças: aprendendo a gerenciar as emoções

O mindfulness para crianças nos oferece uma série de possibilidades para melhorar a sua atenção, para exercitar a empatia, a calma e a gestão emocional desde muito pequenas. Além disso, iniciar os nossos filhos no mundo da meditação os ajuda a se conectar com si mesmos. O objetivo é que se tornem mais habilidosos para se adaptarem em qualquer ambiente e, especialmente, no cotidiano.

Sabemos que utilizar a atenção plena no nosso dia a dia nos oferece múltiplos benefícios neste complexo mundo de adultos. Essas dinâmicas em que nos vemos envolvidos tanto no trabalho como no nível pessoal “nos tocam fundo”, causando estresse e ansiedade. Nesses casos, a meditação e cada uma das estratégias da mindfulness são úteis, catárticas e efetivas.

Ofereça ao seu filho um espaço seguro, livre de estresse, livre de angústia. Ensine-lhe onde está o seu equilíbrio através do mindfulness, proporcione um ambiente de calma onde possa entender muito melhor as suas emoções.
Compartilhar

Portanto, se o mindfulness é útil para nós, por que não ensiná-lo para as crianças?  Deve-se dizer que já existem muitas escolas em todo o mundo que incluíram esta prática nas salas de aula. Os exercícios de respiração, meditação e atenção plena que são incluídos diariamente na rotina dos pequenos facilitam o entendimento das grandes conquistas que ocorrerão no seu desenvolvimento.

No entanto, é necessário que esses tipos de exercícios sejam estabelecidos como um hábito desde o início. Todos sabemos, por exemplo, como pode ser complicado realizar uma sessão de relaxamento pela primeira vez em uma sala de aula do ensino médio. Por outro lado, crianças pequenas, de 3 a 4 anos de idade, veem certos aspectos com normalidade, como tratar silenciosamente certos estímulos ou se concentrar na sua própria respiração. Dessa forma, podem avançar no desenvolvimento de outras habilidades.

Vejamos abaixo como e de que forma podemos iniciá-los nesta prática que é tão divulgada e que oferece bons resultados.

Mindfulness para crianças

Mindfulness para crianças: os benefícios e desafios

Os benefícios do mindfulness para crianças são aceitos por países reconhecidos na educação como o Reino Unido, Canadá, Holanda, Estados Unidos ou Austrália. Esses países têm como objetivo incluí-lo nos planos de ensino, de modo que, até 2020, estará em todos os centros educacionais. No momento, está sendo introduzido progressivamente nas escolas infantis: a intenção é aproveitar a idade em que o cérebro da criança é muito mais receptivo a essas práticas.

Se perguntarmos em qual idade é mais conveniente começar com o mindfulness, a resposta tem uma pequena nuance sobre a qual é necessário falar. Os 3 anos são, sem dúvida, a idade mais adequada para fazê-lo, mas não se esqueça de que se queremos alcançar bons resultados, temos que ser constantes até que a novidade se transforme em hábito. Vamos nos aprofundar um pouco mais.

Eu me interesso pelo mundo

A atenção plena ou mindfulness para crianças tem como objetivo principal despertar a sua curiosidade, a sua atenção, e que a sua capacidade de se espantar nunca expire, bem como o seu interesse em se conectar com o exterior a partir de um interior mais relaxado, receptivo e confiante.

Estou mais atento ao que me rodeia

Além disso, essa capacidade de focar a atenção em determinados estímulos aumentará a sua concentração. Algo, sem dúvida, essencial neste mundo, tão sobrecarregado de estímulos e estimulantes, onde as crianças não possuem filtros razoáveis ​​e estáveis ​​com os quais gerenciar essa avalanche sensorial e perceptiva.

Eu entendo, controlo e canalizo as minhas emoções negativas

Por outro lado, como dissemos antes, o mindfulness vai além de um simples compêndio de exercícios: é um estilo de vida. As suas técnicas, a sua filosofia e a sua abordagem muitas vezes provocam grandes mudanças em nós; mudanças grandes o suficiente para nos mostrar novas perspectivas.

As crianças poderão desde muito pequenas gerenciar melhor as suas emoções negativas, entender a origem da sua raiva ou da sua tristeza para canalizá-las adequadamente. Algo assim melhora as suas habilidades sociais, a sua maneira de se relacionar com os outros, por exemplo, evitando situações de violência e agressividade na sala de aula.

Mindfulness para crianças

“A atenção plena é uma ferramenta para ajudar os nossos filhos a adquirirem mais humanidade. A não se tornarem somente trabalhadores e consumidores, mas cultivar desde muito cedo as suas habilidades para viver neste mundo e tomar consciência da sua beleza e fragilidade. ‘O filho é pai do homem’, escreveu o poeta inglês Wordsworth. Pessoalmente, estou convencido (no momento, não tenho provas ou estudos para comprovar), de que a atenção plena pode ajudar os nossos filhos a se tornarem adultos melhores”.
– Cristophe André, psiquiatra no Hospital Sainte-Anne em Paris –

Mindfulness para crianças: estratégias úteis e divertidas para começar

Em primeiro lugar, algo importante que devemos esclarecer é que o mindfulness para crianças não se limita exclusivamente a ensinar-lhes a meditar, a relaxar ou a respirar. Vai muito mais longe. Não podemos esquecer que o Mindfulness também está relacionado com a alimentação, o trabalho, a maneira como nos relacionamos, e inclusive com a prática de esportes…

Vejamos, portanto, quais são as estratégias que podemos desenvolver para que essa filosofia se integre ao seu modo de vida. Os requisitos são dois: torná-lo simples e divertido. Estas são algumas das estratégias que podemos usar com crianças entre 3 e 6 anos de idade.

Eu sou Super-Homem ou a Mulher Maravilha

  • Começaremos dizendo para as crianças que devem tomar uma posição de “poder”, como super-heróis: em pé, ereto, com confiança, e mais importante, com os olhos fechados.
  • Eles se tornarão super-heróis capazes de desenvolver os seus sentidos ao máximo.
  • Em um rigoroso silêncio, ouvirão todo o som que os rodeia por 5 minutos. É bom que eles estejam atentos e relaxados para abrir seus radares a qualquer som, por menor que seja…

Criança vestida de Super-Homem

Eu aprendo a respirar com o meu bicho de pelúcia

Nada melhor do que usar o seu brinquedo para que eles aprendam a respirar seguindo as seguintes diretrizes:

  • A hora de dormir é sempre um bom momento para ensinar-lhes a respirar de forma descontraída.
  • A criança deve colocar o seu bicho de pelúcia ou boneca no abdômen.
  • Agora, ela deve inspirar pelo nariz contando até 4, mas vendo como o seu abdômen sobe e com ele, o seu bicho de pelúcia.
  • Ela deve segurar esse ar por 3 segundos e, então, expirar pela boca observando o brinquedo baixar.

O clima e as minhas emoções

“Silencioso e atento como um sapo” é um livro sensacional de Eline Snel. Ele oferece estratégias interessantes para que os pais iniciem as crianças na meditação. A autora propõe ensinar as crianças a reconhecerem as suas emoções relacionando determinados estados, como a tristeza, a raiva ou alegria, com o clima.

  • Para isso, os encorajamos a jogar o “jogo dos meteorologistas”.
  • Elas precisam fechar os olhos e perguntar a si mesmas: “que tempo faz dentro de mim? Se eu estou ensolarado, estou bem, se eu for uma chuva, estou triste, se eu for uma tempestade com raios, estou com raiva “.

A caminhada “para percebermos…”

O mindfulness para crianças não se limita a fazê-las sentar-se na posição de lótus, meditando. Nossos filhos são seres ativos e reativos, pessoas ansiosas por experiências, curiosos insaciáveis, precisam de contato, jogos, interação contínua. Portanto, devemos adaptar a atenção plena às suas necessidades diárias e ao seu ritmo de vida.

Um exercício muito eficaz que podemos realizar diariamente com eles quando, por exemplo, os levamos ou os trazemos da escola, caminhando com eles de mãos dadas ou quando vamos às compras, é fazer o jogo do: “Eu percebo…, Vejo que…. Eu descubro que…”.

Trata-se apenas de incentivá-los a serem receptivos a tudo o que os rodeia e a tudo o que acontece, por menor que seja, por mais insignificante que pareça. “Eu percebo que ouço alguém rindo ao longe”, “eu percebo que o homem que passou parece triste “,”eu percebo que ouço ao longe o bebê de um pássaro chamando pela sua mãe no ninho “, “percebo que uma nuvem escondeu o sol…”.

Para concluir, sabemos que há muitos, muitos mais exercícios de atenção plena que podemos ensinar aos nossos filhos. Vamos encontrar aqueles que melhor se adaptem à sua idade e à sua maneira de ser. Além disso, não nos esqueçamos de ser o seu melhor exemplo, uma referência de calma, equilíbrio e amor eterno.

“Na pressa do nosso dia a dia, todos nós pensamos demais, buscamos demais, queremos demais e esquecemos a alegria de apreciar o ser”.
– Eckhart Tolle –

Recomendados para você