O modelo comportamental de Fester para explicar a depressão

O modelo comportamental de Fester tenta explicar a depressão como consequência, de alguma forma lógica, da perda de reforçadores. No artigo a seguir, vamos apresentá-los enfocando aqueles aspectos que podem nos ajudar a entender melhor o transtorno.
O modelo comportamental de Fester para explicar a depressão

Última atualização: 22 Junho, 2021

A depressão é um dos distúrbios psicológicos mais incapacitantes que existem, e embora pareça paradoxal, um dos mais invisíveis. Não consiste apenas em um humor triste ou abatido; seus sintomas podem variar desde a falta de prazer em qualquer atividade até a situação de inibição motora mais extrema. Alguns pacientes relatam até sintomas de natureza fisiológica, como astenia, falta de apetite, sintomas somáticos e insônia.

Na literatura científica sobre o assunto, podemos encontrar diversas hipóteses. Desde as puramente biológicas, que se referem ao desequilíbrio bioquímico de certos neurotransmissores do cérebro, como a serotonina, até hipóteses de natureza ambiental ou psicológica.

As teorias explicativas baseadas na parte mais biológica respondem por uma parte reduzida de todos os sintomas e tipos de depressão existentes. Além disso, deixam a porta aberta para o controle do próprio paciente em sua própria cura.

Embora seja verdade que, graças a essas teorias, hoje podemos dispor de antidepressivos, são necessárias algumas explicações para ajudar os pacientes a assumir a responsabilidade pela sua doença e encontrar uma maneira de se ajudar.

Nesse sentido, o modelo comportamental de Fester (1965,1973) pode nos ajudar a entender como comportamentos pouco reforçados pelo ambiente, além da evitação ou inibição que se refletem no paciente, podem nos levar a um estado depressivo.

Mulher com depressão

O modelo comportamental de Fester

Charles Fester foi um dos primeiros psicólogos a estudar o fenômeno depressivo dentro de um ambiente clínico/experimental. Além disso, outras abordagens comportamentais decorrem de seu trabalho.

A sua ideia é que há um excesso de comportamentos de evitação ou fuga diante de estímulos aversivos. Para o modelo comportamental de Fester, também existem quatro processos que, isolados ou em interação, podem explicar a patologia depressiva.

Os processos são os seguintes:

  • Mudanças inesperadas, repentinas e rápidas no ambiente que implicam a perda de fontes de reforço ou de estímulos discriminativos importantes para o indivíduo.
  • Um exemplo disso pode ser a perda de um parceiro. Isso, por si só, é uma fonte de reforço e, além disso, muitos outros reforços em nossa vida estão ligados a esse relacionamento (amigos em comum, lazer, filhos…). A pessoa, devido a um único estímulo discriminatório, a saber, a perda de um parceiro, deixa de realizar outras atividades que antes eram agradáveis ​​por serem realizadas em conjunto. Portanto, os reforçadores se reduzem ainda mais, com a consequente falta de prazer.
  • Programas de reforço de alto custo que requerem grandes mudanças no comportamento para produzir consequências no ambiente. Se uma pessoa precisa dedicar uma grande quantidade de tempo e esforço estudando para atingir seu objetivo e falha, pode desenvolver um estado de apatia ou falta de vontade para voltar a estudar. Terá que mobilizar muita energia e o resultado é incerto.
  • Ausência de repertórios comportamentais, bloqueados por espirais patológicas em que um baixo índice de reforços positivos provoca uma redução dos comportamentos que, por sua vez, leva a pessoa a uma má adaptação ao meio e, portanto, a um menor número de reforços. Se os meus primeiros contatos para tentar encontrar um parceiro não forem muito positivos, posso desenvolver um comportamento de evitação quando surgir a possibilidade de conhecer pessoas, o que me leva a ter menos chances de que os contatos sejam positivos. Essa redução de oportunidades, por sua vez, gera mais falta de reforço.
  • Repertórios de observação limitados que levariam as pessoas com depressão a distorcer a realidade e a comportamentos que raramente são reforçados. Se, por exemplo, uma pessoa se muda para o exterior, ela precisa observar o novo ambiente e aprender a se adaptar a ele. Caso contrário, será mais difícil obter os reforços que, de alguma forma, a “imunizam” contra a depressão.
O modelo comportamental de Fester

Tratamento da depressão a partir do modelo comportamental

A partir do modelo comportamental de Fester, muitos dos comportamentos depressivos “encorajam” o indivíduo a evitar os estímulos aversivos ou situações desagradáveis ​​nas quais poderia ser esperada uma redução adicional do reforço positivo. Dessa forma, tais comportamentos são mantidos por reforço negativo (a pessoa sente um alívio de curto prazo ao evitar algo que poderia ser desagradável (antecipação)).

Nessa perspectiva, o tratamento da depressão – evidentemente, quando não é uma depressão endógena – teria como objetivo aumentar os reforços positivos que a pessoa pode obter de seu ambiente e reduzir os comportamentos de evitação sobre os comportamentos potencialmente reforçadores.

Algo que parece tão simples e convidativo, como encontrar amigos para tomar uma bebida, para a pessoa com depressão pode ser uma ladeira bastante íngreme. Por isso, o psicólogo deve estabelecer um plano de recuperação inteligente de reforçadores adaptado à pessoa. O importante é não continuar perdendo reforçadores e priorizar os pequenos avanços.

Ativação comportamental

As pesquisas nos dizem que a ativação comportamental deve ser a intervenção principal escolhida no primeiro momento. A chave é desfazer o nó em que o paciente deprimido está preso, realizando diversas atividades que podem, aos poucos, proporcionar reforço e satisfação.

A ativação comportamental é feita tão lentamente quanto o paciente deseja e precisa. Não devemos estabelecer metas irrealistas que não serão alcançadas, porque o que podemos conseguir é ainda mais desesperança e autocrítica. Qualquer passo adiante será uma grande conquista.

À medida que a intervenção avança e a pessoa ganha mais reforçadores e aceita as suas emoções negativas, o seu ânimo aumentará e, consequentemente, a sua motivação também.

A anedonia, a astenia e a apatia irão diminuir e o paciente começará a se sentir melhor. Essa ativação também tem repercussões em nível cognitivo e social. As suas antecipações pessimistas mudam para outras mais realistas e, por sua vez, o seu entorno, que percebe a mudança, também estará mais predisposto a ser inclusivo e a acompanhar a inércia positiva.

Pode interessar a você...
Depressão maior: qual é a causa e como tratá-la?
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Depressão maior: qual é a causa e como tratá-la?

A depressão maior é um extremo onde a pessoa que sofre se encontra em um submundo escuro, tortuoso e sem esperança. Saiba mais neste artigo.



  • Belloch, A., Sandín, B. y Ramos, F (2008). Manual de psicopatología. Volúmenes I y II. McGraw-Hill.Madrid