Modelo PERMA ou teoria do bem-estar: em que consiste e como nos ajuda?

23 Outubro, 2020
Você acha que é possível aumentar o seu nível de bem-estar e felicidade cuidando de 5 fatores? É nisso que consiste o Modelo PERMA. A seguir, contaremos tudo para que você possa colocá-lo em prática.

Em outros artigos, falamos sobre a importância de aceitar as emoções, sejam elas positivas ou negativas, para acabar com a obrigação de ser feliz. No entanto, acredito que também é importante conhecer todas as ferramentas que podem nos ajudar a aumentar a nossa satisfação e bem-estar. Uma dessas ferramentas é o Modelo PERMA, de Martin Seligman.

Você sabia que ao aumentar a qualidade e a quantidade de 5 fatores específicos, o seu nível de bem-estar pode mudar drasticamente? Parece incrível, mas Seligman desenvolveu este modelo para esse fim. Vamos descobrir em que consiste e como pode ser posto em prática para que você mesmo comprove se vale a pena ou não.

Mulher serena de olhos fechados

Descobrindo o modelo PERMA

O modelo PERMA, também chamado de teoria do bem-estar, é uma teoria de escolha não forçada desenvolvida por Martin Seligman, considerado o pai da psicologia positiva. Consiste em uma descrição do que as pessoas escolhem livremente para serem mais felizes.

Parece que este modelo é uma extensão do modelo das três vias para a felicidade. De acordo com esse modelo, Seligman considerou que havia três caminhos para iniciar o caminho da felicidade. Como veremos, eles se assemelham bastante aos fatores do modelo PERMA.

  • O que traz alegria: visa aumentar as emoções positivas do presente, passado e futuro.
  • O comprometimento: trata-se de trabalhar o nosso potencial para alcançar experiências de fluxo.
  • O significativo: refere-se ao sentido da vida e ao desenvolvimento de objetivos muito além dos próprios ou pessoais.

PERMA é a sigla para os 5 fatores nos quais esta teoria se baseia, e que veremos agora com mais detalhes. Trabalhar e desenvolver cada um deles ajudará a aumentar os níveis de otimismo, motivação e satisfação. No entanto, esses elementos ou fatores devem atender às seguintes condições:

  • Eles devem contribuir para o bem-estar.
  • Devem ser escolhidos para o próprio bem da pessoa, e não como um método para atingir qualquer uma das outras variáveis.
  • Deve ser medido e definido independentemente do resto das variáveis ​​do modelo.

Como diz Seligman, nem todos devem ser trabalhados igualmente e o trabalho de desenvolvê-los nunca deve ser uma obrigação. Devemos nos empenhar mais naqueles com os quais nos sentimos mais identificados. Ele explica que esse modelo é uma mera descrição do que as pessoas felizes fazem, mas nunca uma receita.

“A felicidade não é algo pronto. Ela vem das suas próprias ações”.
– Dalai Lama –

P- Positive Emotions (Emoções Positivas)

Consiste em aumentar as emoções positivas, não para camuflar as negativas, mas para serem usadas como ferramentas para superá-las.

As emoções positivas nos permitem sentir satisfação com a vida e sermos capazes de permanecer positivos apesar das circunstâncias adversas. Alguns exemplos podem ser: amor, tranquilidade, plenitude, prazer…

“As pessoas felizes lidam melhor com a dor e tomam melhores decisões de saúde e segurança quando ameaçadas; além disso, as emoções positivas podem desfazer as emoções negativas”.
– Martin Seligman –

E- Engagement (Compromisso)

É um pacto que devemos fazer conosco, com o nosso poder e nossos pontos fortes, a fim de alcançar a harmonia e entrar em um estado de flow ou estado de ativação.

Este estado de flow ou sensação de fluir é o que normalmente alcançamos quando nos envolvemos em atividades, nos concentramos nelas e realmente experimentamos uma espécie de “parada do tempo”. Portanto, trata-se de nos comprometermos com a busca por atividades que nos levem a estados de flow.

“O estado de flow é difícil de alcançar sem esforço. O fluxo não é ‘perder tempo’”.
– Mihály Csíkszentmihály –

R- Relationships (Relacionamentos positivos)

Enquanto seres sociais, uma das fontes insubstituíveis de bem-estar e satisfação são as relações sociais, visto que constituem uma fonte de apoio e proteção.

Ter relacionamentos satisfatórios é necessário para um desenvolvimento adequado, por isso devemos cuidar do relacionamento com a família, amigos, colegas de trabalho…. Dentro deste fator, que implica a melhoria das relações sociais, devemos incluir também o aprimoramento das nossas habilidades e ferramentas sociais.

M- Meaning and purpose (Significado e propósito)

Este ponto é sobre encontrar um sentido e significado na vida que vai além dos nossos próprios objetivos individuais, que vai além de nós mesmos. É o “o que posso dar ao mundo?”

Desta forma, todas as nossas metas, nossos objetivos e nossas realizações terão um fundo muito mais transcendental que os dotará de um grande valor social e moral.

“Assim como a boa vida é algo que está além da vida agradável, a vida com sentido está além da boa vida”.
– Martin Seligman –

A- Accomplishment (Sucesso e sensação de realização)

Trata-se de estabelecer metas que, à medida que são alcançadas, aumentam o nosso sentimento de competência e nível de autonomia.

“O fluxo na vida ocorre quando as nossas maiores habilidades correspondem exatamente aos desafios que encontramos”.
– Martin Seligman –

Modelo PERMA ou teoria do bem-estar: em que consiste e como nos ajuda?

Como colocar o modelo PERMA em prática

Para trabalhar o módulo de emoções positivas, podemos fazer um exercício de imaginar uma situação capaz de gerar essas emoções positivas.

No caso do compromisso, o mais eficaz é fazer uma lista das atividades que costumam nos fazer entrar em fluxo e depois nos comprometermos a realizar semanalmente, mensalmente ou anualmente (dependendo da possibilidade de fazê-lo) essas atividades que nos permitem fluir.

Para fazer um bom trabalho de melhoria das relações sociais, a primeira coisa é ver como elas estão. Portanto, explorar a quantidade e a qualidade dos nossos relacionamentos nos dará pistas a respeito do que requer mais atenção e trabalho.

Uma boa forma de encontrar sentido em nossas vidas é nos perguntar e responder a perguntas simples todos os dias, como: qual é o meu papel no mundo? Por que estou aqui? Posso melhorar a minha forma de estar no mundo? À medida que respondemos a nós mesmos, é provável que essas respostas despertem o nosso desejo de nos envolver em atividades significativas.

Estar ciente das nossas conquistas, por menores que sejam, é uma ótima maneira de nos sentirmos realizados e motivados, o que nos estimula a continuar traçando metas e nos esforçando para alcançá-las.

Como você pode ver, é um modelo fácil de seguir e com benefícios numerosos e importantes. Agora, cabe a você colocá-lo em prática e descobri-los por si mesmo. E lembre-se…

“A verdadeira felicidade está em elevar o seu próprio nível, e não em se comparar com os outros”.
– Martin Seligman –

Trabalhe em você mesmo e agradeça pelos benefícios conquistados.