Modelo tripartido de ansiedade-depressão de Clark e Watson

Apresentaremos o modelo tripartido de ansiedade-depressão, dos pesquisadores Clark e Watson, como uma tentativa de unir duas categorias diagnósticas exclusivas que costumam ser bastante próximas.
Modelo tripartido de ansiedade-depressão de Clark e Watson

Última atualização: 08 Julho, 2021

A ansiedade e a depressão são duas categorias diagnósticas que tentam diferenciar dois distúrbios psicológicos diferentes. Por um lado, a ansiedade é conceituada como uma tendência à apreensão, um alarme para algum perigo futuro e uma alta ativação fisiológica, entre outras questões que dependem mais do transtorno específico. Por sua vez, a depressão é caracterizada sobretudo por um humor marcadamente baixo, associado a uma série de sintomas que, em geral, decorrem ou concorrem com ela: falta de apetite, anedonia, apatia, insônia, etc.

Embora pareça que os dois conceitos são exclusivos, a verdade é que na prática clínica cotidiana, podemos verificar facilmente que tendem a andar juntos. Embora o DSM-5 ainda não tenha criado uma categoria diagnóstica que reúna os sintomas de ambos, a CID-10 inclui como sua própria categoria o diagnóstico de transtorno depressivo-ansioso misto.

Este é um distúrbio no qual o paciente apresenta sintomas de ansiedade e depressão, mas nenhum deles é claramente predominante ou de intensidade suficiente para justificar um diagnóstico separado.

A categoria diagnóstica que acabamos de definir é, segundo a OMS, frequente na medicina primária, e mais ainda na população não clínica (pessoas que não demandam cuidados terapêuticos).

Em 1991 os autores Clark e Watson propuseram um “modelo tripartido de ansiedade-depressão”. Conforme estabelecido, o modelo é composto por três elementos denominados: afeto negativo ou angústia, hiperexcitação fisiológica e anedonia ou diminuição do afeto positivo. Clark e Watson sugerem que a presença de altos níveis de afeto negativo é um indicador comum de ansiedade e transtornos depressivos.

Ansiedade e depressão

Subtipos de transtornos depressivos de ansiedade de acordo com o modelo tripartido

De acordo com Clark e Watson, existem dois subtipos de transtornos na categoria de ansiedade-depressão. Pacientes cujos sintomas predominantes são inespecíficos (angústia, irritabilidade, perda de apetite, distúrbios do sono, queixas somáticas vagas, etc.) e mostram níveis moderados de ambos os fatores específicos devem ser diagnosticados como transtorno misto de ansiedade-depressão. Esta seria uma categoria semelhante à proposta pela CID-10 que discutimos anteriormente.

Por outro lado, quando os pacientes relatam níveis muito elevados, não apenas no afeto negativo, mas também na anedonia e hiperatividade psicofisiológica, eles devem ser diagnosticados como transtorno de ansiedade-depressão grave.

Segundo os autores, isso deve ser reservado para pessoas que atendam a critérios para ambos os diagnósticos: ansiedade e depressão. Ao contrário das classificações diagnósticas atuais para ambos os transtornos, Clark e Watson propõem fazer um único diagnóstico.

Afeto positivo e afeto negativo

O modelo tripartido de Clark e Watson é baseado no conceito de afeto positivo e negativo. Com o questionário PANAS, desenvolvido pelo mesmo grupo de pesquisa, podemos avaliar as duas dimensões. Afeto positivo seria qualquer coisa contrária à tristeza, anedonia ou apatia, por exemplo. Por outro lado, o afeto negativo – comum em ambas as dimensões – variaria da irritabilidade à culpa ou sentimento de inferioridade.

Para os autores, a ansiedade e a depressão compartilham muitos sintomas de sofrimento emocional. Mas também é verdade que outros pacientes que sofrem de sintomas depressivos não manifestam sintomas de ansiedade e vice-versa. O modelo de ansiedade-depressão tripartido postulado por esses autores indica que o que caracteriza e diferencia o paciente depressivo do paciente com ansiedade é justamente o baixo afeto positivo. 

O modelo tripartido de ansiedade-depressão

De acordo com o modelo tripartido, de um lado teríamos a dimensão da depressão, que teria uma série de características próprias. Estas seriam as seguintes: em primeiro lugar, encontraríamos baixo afeto positivo e desesperança. Além disso, haveria sintomas como tristeza, anedonia, apatia, tendências suicidas, baixa ativação simpática, perda de apetite, inibição psicomotora, sentimento de inutilidade e percepção de perda.

Por sua vez, a ansiedade incluiria a hiperexcitação fisiológica e a incerteza como os principais elementos. Outros sintomas propostos pelo modelo tripartido para ansiedade seriam medo, pânico, nervosismo, evitação, instabilidade, alta ativação simpática, tensão muscular, hipervigilância, percepção de ameaça/perigo.

Todos esses sintomas seriam específicos para cada categoria e não seriam compartilhados pela outra. Portanto, se um paciente apresenta sintomas de um polo ou de outro, ele não pode ser diagnosticado com os dois transtornos.

Mulher preocupada e ansiosa

O modelo também inclui uma série de sintomas comuns às duas patologias. O afeto negativo, como já assinalamos, está em primeiro plano neste caso. Mas o desamparo também desempenha um papel importante na união da ansiedade e da depressão. Outros sintomas comuns que encontramos são irritabilidade, preocupação, baixa concentração, insônia, fadiga, agitação psicomotora, choro, sentimento de inferioridade, culpa e baixa autoestima.

À medida que o sintoma se aproxima do conceito geral (baixo afeto positivo, alto afeto negativo ou hiperexcitação fisiológica), significa que o sintoma está mais próximo do conceito em questão.

Os autores também observam que o afeto negativo alto, embora comum à ansiedade e à depressão, tende a ser mais característico da ansiedade. A impotência, embora também seja um componente comum, é mais típica da depressão.

Conclusões sobre o modelo tripartido

O modelo tripartido de ansiedade-depressão abre a porta para o tratamento transdiagnóstico. Esses tipos de tratamentos vêm ganhando cada vez mais relevância na prática clínica, pois têm se mostrado eficazes no tratamento de vários diagnósticos ao mesmo tempo ou de um diagnóstico principal com suas comorbidades. Além de eficazes, são mais eficientes em termos de tempo e recursos financeiros.

Se houver modelos explicativos que podem esclarecer os sintomas de várias condições, então haverá tratamentos que visam melhorar todos eles. Um exemplo é encontrado no tratamento transdiagnóstico de Norton para transtornos de ansiedade (2004, 2005).

A partir dessas abordagens transdiagnósticas, o foco estaria nos núcleos comuns que estão por trás de ambos os transtornos. Seguindo o modelo de ansiedade-depressão tripartido de Clark e Watson, a terapia teria que se concentrar no afeto negativo e no desamparo, acima de tudo.

Pode interessar a você...
A terapia transdiagnóstica de Norton para transtornos de ansiedade
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A terapia transdiagnóstica de Norton para transtornos de ansiedade

A terapia transdiagnóstica está dando bons resultados. Segundo Norton, os pacientes melhoraram mais do que com um tratamento padrão.



  • Belloch, A., Sandín, B. y Ramos, F (2008). Manual de psicopatología. Volúmenes I y II. McGraw-Hill.Madrid
  • Norton, P. J. (2012). Group cognitive-behavioral therapy of anxiety: A transdiagnostic treatment manual. New York: Guilford.