Neil Howe, a teoria das gerações e as crises

17 Setembro, 2020
Neil Howe e William Strauss desenvolveram uma teoria segundo a qual uma grande crise ocorre a cada 80 a 90 anos. Na década de 90, eles já previam uma grande crise para 2020.

Neil Howe é economista, demógrafo e autor de uma teoria polêmica que despertou um grande interesse nos últimos meses: a teoria das gerações. Ele antecipou que os Estados Unidos experimentariam uma crise de grande magnitude em 2020.

Ele o fez a partir de uma série de padrões históricos que encontrou em suas pesquisas. Juntamente com seu colega William Strauss, Neil Howe descobriu que as grandes mudanças na América e em outras nações estavam intimamente relacionadas às mudanças geracionais. Eles medem cada geração por períodos que variam entre 20 e 23 anos.

As mudanças decisivas em muitas nações, de acordo com a teoria de Neil Howe, ocorrem a cada quatro gerações, o que equivale a um período de 80 a 90 anos. Quando esse período se completa, uma transformação radical parece ocorrer nas estruturas políticas e sociais.

“A geração dos Millennials, que sente que nunca alcançará o padrão de vida de seus pais, pode, por meio do voto, provocar uma mudança completa em nossas instituições econômicas.”
-Neil Howe-

Grupo de pessoas

Neil Howe e a teoria das gerações

Os primeiros estudos de Neil Howe apareceram em um livro intitulado Generations em 1991. No entanto, a teoria das gerações foi incorporada na obra The Fourth Turning em 1997. Foi nessa última obra que eles previram uma grande crise para 2020.

Os autores não falaram de problemas de saúde em nenhum momento, longe disso. O que eles previram foi uma grande convulsão social associada a uma crise econômica e política. Eles estão convencidos de que tanto nos Estados Unidos quanto em outros países existem ciclos de grandes crises que funcionam “como o ciclo das estações”.

Em sua pesquisa, eles mostraram que, historicamente, os ciclos geracionais coincidiram com grandes acontecimentos, em sua ordem: a Revolução Gloriosa, a Revolução Americana, a Guerra Civil, a Segunda Guerra Mundial e a Grande Depressão.

Os quatro tipos de gerações

Neil Howe e Strauss propõem a existência de quatro tipos de gerações. Cada um deles coincide com um certo arquétipo. O primeiro giro, ou a primeira geração de cada ciclo, segundo os pesquisadores, é como a primavera. Trata-se de uma geração que surge depois de uma grande crise.

Esta primeira virada dá origem a sociedades ordenadas, com instituições fortes e um grande senso de progresso coletivo. O individualismo não tem lugar e o que prevalece são as culturas majoritárias. Howe e Strauss a chamam de “geração silenciosa”.

O segundo giro, ou segunda geração, é como o verão. Caracteriza-se por se comportar de maneira oposta à geração anterior. Ocorre uma grande reafirmação do individualismo e uma notável dificuldade de adaptação às normas pré-estabelecidas.

Esta é uma geração apaixonada e muito criativa: uma virtude que os ajuda a realizar grandes transformações na cultura e nos valores. Eles também são impulsionadores de mudanças em questões religiosas e tendem a gerar despertares em diferentes áreas.

As gerações outono e inverno

O terceiro giro ou terceira geração, sob a ótica de Neil Howe e William Strauss, corresponde ao outono. Nele, prevalece o individualismo irresponsável, em que o sentido de comunidade ou coletividade praticamente desaparece. Os autores afirmam que predominam o cinismo e os maus modos.

Os membros da terceira geração querem afirmar a sua individualidade ao máximo e, por isso, provocam grandes fontes de desigualdade e injustiça. Eles têm uma baixa identidade cívica e procuram, acima de tudo, proteger a liberdade individual.

O quarto giro ou a quarta geração do ciclo é o inverno. Corresponde a etapas em que se desencadeia uma grande crise política e social. É caracterizada por um renascimento do senso cívico e do valor da comunidade. Os autores indicam que esse ciclo costuma coincidir com uma guerra ou confronto armado.

Desigualdade social

As perspectivas de Neil Howe

Neil Howe e William Strauss dizem que foram capazes de detectar estes ciclos, particularmente na história dos Estados Unidos. No entanto, eles também são vistos na Europa Oriental e no sul e no leste da Ásia. Na verdade, eles acreditam que todo o mundo vive um ciclo semelhante, começando a partir da Segunda Guerra Mundial.

Neil Howe prevê que, à medida que 2020 avançar e nos próximos anos, haverá um apelo cada vez mais radical para que os governos façam mais. O conservadorismo radical está perdendo força e, em troca, estão surgindo mais alternativas sociais.

Neil Howe acredita que o mundo já está na segunda metade do quarto giro. Isso significa que grandes transformações estão chegando e que há uma probabilidade de que haja grandes eventos bélicos. O que se pode esperar, com base nessa teoria, é uma transformação radical nos próximos anos. Veremos se eles têm razão.

Howe, N., & Strauss, W. Millennials Rising: la próxima gran generación.