Névoa: um admirável romance de Miguel de Unamuno

25 Maio, 2020
Miguel de Unamuno quebrou os esquemas do romance clássico com muita audácia. Seu experimento foi intitulado "Névoa" e acabou levando o autor a questionar a sua própria realidade.
 

Miguel de Unamuno é um dos autores mais importantes da literatura espanhola. Nasceu em Bilbao em 1864 e morreu em Salamanca em 1936. Hoje, seu nome ressoa como um dos grandes nomes das letras hispânicas e um dos representantes da Geração de 98. Em 1914, ele publicou um romance bastante peculiar que preferiu classificar como “nivola” em vez de romance, evitando assim que os críticos o comparassem com outros trabalhos. Esse romance não é outro senão Névoa, uma obra que exploraremos neste artigo.

Neste trabalho, ele reúne muitas das ideias presentes em seus textos anteriores, mas o faz através da vida de um personagem, Augusto Pérez, um homem rico e formado em direito. A história em si não tem muitas reviravoltas, mas o escritor tentou lhe dar outra dimensão.

Uma nova leitura que ele próprio chamou de “nivola”, e não um romance como convencionalmente era descrito. Neste artigo, revelaremos algumas das chaves de Névoa na esperança de que, ao lê-lo, você se deixe levar pela sua genialidade.

Névoa: um admirável romance de Miguel de Unamuno

Miguel de Unamuno: os argumentos de Névoa

Algo que chamará a atenção do leitor imediatamente é o prólogo assinado por Víctor Goti, um dos personagens do livro. Além disso, o autor faz um pós-prólogo em que argumenta que não vamos ler um romance, mas uma “nivola”.

 

Para confundir ainda mais, o epílogo consiste em uma narração dos acontecimentos do livro, mas do ponto de vista de Orfeu, o cachorro de Augusto Pérez, que é o protagonista.

A ação começa quando Augusto vê uma mulher por quem ele acaba se apaixonando loucamente. Ele tentará, com seus recursos limitados, conquistá-la, mas só receberá rejeição, já que a mulher tem um parceiro. No entanto, com o tempo, ela concordará em ter alguns encontros, mas para se aproveitar do protagonista. Finalmente, no dia do casamento, ela escreve para ele explicando que tudo era uma farsa.

A partir deste momento, assistimos a uma autêntica revolução do ponto de vista narrativo. Augusto se sente tão infeliz que planeja cometer suicídio. No entanto, Augusto é apenas o personagem de um romance e, como tal, precisa de livre-arbítrio. É Unamuno, o autor, que pode tomar a decisão final.

O personagem se rebela

Nesse momento, se rompe o que no cinema chamamos de a quarta parede, e Augusto decide iniciar uma conversa com o autor; isto é, fala diretamente com Unamuno.

O personagem acaba se rebelando contra o autor, expondo as suas intenções. Desse modo, surge a dúvida no autor: ele próprio é personagem de outra ficção? Até que ponto dispõe de livre-arbítrio? A ideia é que, quando Unamuno começa a duvidar da sua própria liberdade e realidade, o leitor também questione a sua própria existência. E se nós só existíssemos em um sonho? E se fizermos parte do sonho de alguém?

 

A magnitude do romance não se encontra apenas na trama, mas em sua capacidade de dialogar com a realidade do leitor e, neste caso, também do autor. Assim, Unamuno decide que o trabalho deve ser incluído em outra classificação genérica, em uma categoria repleta de paratextos, e que prefere chamar o romance de “nivola”. Dessa forma, a crítica será incapaz de classificá-lo ou compará-lo com outras obras.

Realidade e ficção no romance de Miguel de Unamuno

A obra de Unamuno tem alguma relação com “A vida é um sonho” de Calderón de la Barca. De certa forma, a ficção é mais real que os próprios autores. Para Unamuno, os personagens têm vida própria, o leitor os faz viver e o que importa é como a literatura é revivida.

Tudo isso está intimamente relacionado ao problema da imortalidade: se somos o que sonhamos e chamamos de realidade o sonho de todos em comum, então não podemos saber o que é real.

Miguel de Unamuno leu Descartes, mas também Calderón de la Barca, e é precisamente aí que reside a inspiração para sua “nivola”. Vemos um reflexo do racionalismo de Descartes, pois não temos, em princípio, nenhuma razão para acreditar que o que nos rodeia é mais do que um sonho.

Unamuno, apesar de ser um crente, não consegue deduzir racionalmente a existência de Deus como Descartes; portanto, ele não tem motivos para acreditar que tudo que o rodeia é um sonho ou um engano. Como sabemos quando os nossos sentidos estão nos enganando?

Unamuno reúne toda essa complexidade em Névoa desenhando diferentes regiões: a da ficção, na qual encontramos os personagens; ao redor da ficção, encontramos a realidade da ficção, que é o lugar onde está o autor fictício; finalmente, fora, nos limites, encontramos outra realidade, a do próprio leitor.

 

Com Névoa, o autor descreve vários planos que estão entrelaçados. Ele próprio acaba sendo um personagem quando conhece Augusto. Em outras palavras, estamos diante de uma realidade da realidade que seria a do mundo ao nosso redor e, por sua vez, uma realidade da ficção onde está Unamuno. Finalmente, uma ficção da ficção, que é onde os personagens estão.

Miguel de Unamuno

Mais aspectos filosóficos de Névoa

Outra das questões fundamentais de Névoa é, como já dissemos anteriormente, a do livre-arbítrio. Ele é colocado sob duas perspectivas: a primeira é encontrada no personagem, e a segunda quando ele se pergunta se é livre.

Vemos um Augusto que quer se suicidar, mas descobre que Unamuno não permite; ele não pode fazê-lo porque é simplesmente um personagem. E, neste ponto, a mesma dúvida se reflete no leitor.

Os personagens nascem de uma língua, de uma herança. Por esse motivo, também não somos livres para pensar o que pensamos, e essas duas possibilidades surgem novamente: Deus não existe e a realidade nada mais é do que o sonho que todos nós sonhamos juntos, ou Deus existe e nós somos o sonho de Deus.

 

Augusto luta pela sua vida, pela sua vida fictícia, mas que é a sua vida afinal de contas. Em seu desespero, o personagem de Augusto diz aos leitores que eles também vão morrer e que o romance é, em última análise, uma metáfora da própria existência humana.

Miguel Unamuno

Nivola

O que é nivola? É um romance onde os personagens não são definidos previamente, mas vão se formando à medida que se movem; o escritor não possui um plano delineado para o que acontecerá, assim como acontece na própria vida.

O objetivo da nivola não é outro senão confundir os críticos que tendem a comparar tudo com as obras anteriores; dessa forma, surge um novo gênero sem precedentes com o qual comparar.

Para Miguel de Unamuno, há algo de trapaça no romance realista. Ele nos faz acreditar que tudo é real e esse é o tipo de homem que não vê que a sua realidade é um sonho. A nivola, no entanto, seria uma maneira de entender qualquer romance; um romance que só existe quando você pensa, ativa e lê. É um romance incômodo, no qual o prólogo também é um romance e onde a realidade e a metaficção se misturam no texto.