Nicotina: saiba como ela afeta o nosso cérebro

· abril 14, 2019
A nicotina é uma daquelas substâncias que causam uma sensação de bem-estar de forma artificial. Ao mesmo tempo, favorece o envelhecimento precoce do cérebro e isso, por sua vez, faz com que algumas habilidades intelectuais diminuam.

Durante muito tempo, ignorou-se o fato de que a nicotina gerava um vício tão forte quanto o causado por outras drogas mais divulgadas. No entanto, a ciência descobriu que essa substância é capaz de dar origem a uma dependência semelhante à das drogas pesadas, como a cocaína ou as anfetaminas.

A nicotina tem a capacidade de modificar o cérebro. Por meio de mecanismos complexos, faz com que o circuito de recompensa seja alterado. Isso significa que promove uma sensação de prazer, da qual o cérebro começa a se tornar dependente. Há um ponto em que o corpo reivindica essa substância, ou então a química do cérebro se transforma e provoca um equilíbrio desagradável.

Os fumantes, e só eles, são os que decidem se vão deixar o tabaco ou não. É uma decisão difícil e um processo difícil, mas não impossível. O que se segue é simplesmente informação destinada a ilustrar os efeitos da nicotina, de modo que isso não pegue de surpresa os viciados em tabaco.

“Cuide do seu corpo. É o único lugar que você tem para viver “.
-Jim Rohn-

A ação da nicotina no cérebro

Quando uma pessoa consome nicotina, os receptores colinérgicos do cérebro são ativados. Estes causam uma liberação de dopamina, um neurotransmissor relacionado a sensações de motivação e prazer. Em poucas palavras, fumar produz uma sensação de bem-estar, quimicamente motivada pelo cérebro.

O corpo transporta a nicotina muito rapidamente para o cérebro. Estima-se que leva apenas entre 10 a 15 segundos para chegar desde os pulmões até a corrente sanguínea. Estudos indicam que qualquer substância que é fumada é potencialmente mais viciante, precisamente por causa da rapidez com que a sensação de bem-estar ocorre.

O cérebro tem “sua própria nicotina”, que é a acetilcolina. Ele também tem sua própria maconha, morfina, heroína, etc. Isso significa que o cérebro pode replicar o efeito dessas substâncias sem a necessidade de consumi-las. Acontece quando temos experiências felizes, como obter uma conquista desejada, rir, alcançar uma marca, etc. Mas se ativamos essas substâncias artificialmente, recorrendo a substâncias químicas, o perigo do vício aparece.

Homem rodeado de fumaça

A dependência da nicotina

Quando a nicotina é consumida, ou uma droga desse tipo, o cérebro atinge um estado de bem-estar rapidamente. Se isso ocorre com frequência, o órgão é cada vez menos capaz de gerar sensações de prazer não associadas ao consumo da substância. Em outras palavras, torna-se mais difícil obter essa mesma satisfação através de meios naturais.

Paralelamente, o cérebro começar a “ansiar” por esse estado de bem-estar com relativa frequência. Não é apenas a necessidade de sentir satisfação, mas um incômodo muito desagradável. Um estado de inquietação, nervosismo e ansiedade, que leva a buscar o consumo novamente.

Isso não acontece quando o cérebro recebe prazer naturalmente. Além disso, ao longo do tempo, a satisfação com o estímulo direto do tabagismo não é mais obtida. O cérebro é condicionado e, portanto, antecipa essa sensação de bem-estar e exige isso. É isso que leva a um consumo regular e irreprimível.

Os efeitos nocivos do consumo

A produção de cigarros está nas mãos de grandes multinacionais. Estes não pouparam esforços no estudo do comportamento do consumidor e na promoção do vício. Eles regulam a quantidade de nicotina em cada cigarro para que a dependência seja mantida. Eles fazem pacotes de 20 cigarros porque a ciência descobriu que um número maior deles por dia gera desprazer. Tudo é cuidadosamente planejado.

Efeitos da nicotina no cérebro

A nicotina faz com que o cérebro envelheça mais rapidamente. Isso diminui a capacidade de resolver problemas, tomar decisões, aprender e controlar impulsos. A substância leva à redução do córtex orbitofrontal do cérebro. O consumo de cigarros está diretamente associado ao enfraquecimento dessa área. Isso também leva a pessoa a se tornar potencialmente mais vulnerável à aquisição de novos vícios.

Deixar o cigarro não é fácil, precisamente por causa de tudo o que foi explicado. Para conseguir isso, não apenas é necessária uma forte vontade, mas também uma estratégia eficaz. É melhor deixá-lo totalmente, e não de forma gradual. Ao mesmo tempo, criar um sistema de estímulos e reforços que ajudem a manter a abstenção.

  • Lborra, R. R., Pozo, M. C. C., & Pérez, V. M. S. (1994). Efectos cognitivos de la nicotina y el tabaco en sujetos humanos. Psicothema, 6(1), 5-20.