Os níveis de crueldade na mente, de acordo com Michael Stone

21 Fevereiro, 2021
Os 22 níveis de crueldade propostos por Michael Stone são uma categorização que não é usada formalmente na ciência forense. Mesmo assim, esta é uma das classificações mais abrangentes a esse respeito.

Os níveis de crueldade propostos por Michael Stone são uma escala que visa medir o grau de maldade dos criminosos. Este instrumento é, até agora, acadêmico. Isso significa que não é usado na ciência forense para classificar homicídios.

Em termos gerais, uma pessoa cruel é aquela que não sente compaixão pelo sofrimento de outros seres humanos, e que ainda sente satisfação ao testemunhar ou causar dor nos outros. No entanto, isso pode ocorrer em intensidades diferentes e, portanto, existem vários níveis de crueldade.

Michael Stone é doutor em psiquiatria forense pela Universidade de Columbia. Ele dedicou grande parte da sua vida ao estudo do comportamento de assassinos. Em última análise, os níveis de crueldade medem o grau de psicopatia que esses criminosos têm. Para Stone, são 22 níveis que estão divididos em três grupos, como veremos a seguir.

A própria ideia de que uma coisa cruel pode ser útil já é imoral.”
-Cícero-

Psicopata

O assassinato sem crueldade

A categoria um se afasta dos outros níveis de crueldade. Corresponde a quem mata outra pessoa por um motivo justificado, isto é, em legítima defesa. Portanto, há indolência em relação à vida do outro, mas isso se deve à prevalência do próprio instinto de sobrevivência.

Nesse primeiro nível, não há crueldade no sentido estrito do termo. O assassinato é um meio de preservação ou é cometido acidentalmente. Não há intenção premeditada de prejudicar outra pessoa, mas prevalece a força das circunstâncias.

O primeiro grupo nos níveis de crueldade

No primeiro grupo de níveis de crueldade estão as categorias que vão do número dois ao seis. Nessa classificação, localizam-se os homicídios que também correspondem à legítima defesa, mas que incluem a perpetração de sofrimento à vítima.

Os níveis de crueldade neste caso são os seguintes:

  • Nível 2. Inclui aqueles que cometeram crimes passionais. Os assassinos neste grupo podem ser perigosos, mas eles não têm traços psicopáticos.
  • Nível 3. Inclui cúmplices de criminosos perigosos. Eles podem ser parceiros ou amantes deles. Eles têm traços antissociais e uma personalidade desorganizada e impulsiva.
  • Nível 4. Matam em legítima defesa, mas são eles que originam a agressão da qual terão que se defender mais tarde.
  • Nível 5. Eles matam em resposta a um abuso sexual ou para conseguir dinheiro, se forem viciados. Eles não são psicopatas e muitas vezes sentem remorso.
  • Nível 6. Corresponde ao homicídio impulsivo, sem características psicopáticas.

O segundo grupo: traços psicopáticos

O segundo grupo nos níveis de crueldade corresponde aos indivíduos que apresentam traços psicopáticos sem apresentar o quadro completo do sadismo. Vão de 7 a 16 e costumam estar associadas a crimes injustificados.

Os níveis de crueldade neste caso são os seguintes:

  • Nível 7. A motivação para o assassinato é um transtorno narcisista que leva a matar pessoas no ambiente por ciúme, inveja, etc.
  • Nível 8. Inclui casos de raiva reprimida, em que um gatilho aleatório ativa a raiva criminosa.
  • Nível 9. O crime é passional, mas quem o pratica tem um transtorno.
  • Nível 10. É o nível dos assassinos por conveniência ou utilidade. Matam quem os “atrapalha”, sem resquícios de consciência.
  • Nível 11. Igual ao anterior, mas neste caso há um quadro mais complexo de psicopatia.
  • Nível 12. Compreende os psicopatas que matam quando se sentem encurralados ou cercados.
  • Nível 13. Psicopatas que matam por fúria.
  • Nível 14. Psicopata que premedita um crime.
  • Nível 15. Corresponde aos serial killers que, além disso, podem matar qualquer um durante uma explosão de fúria.
  • Nível 16. Aqui estão os assassinos múltiplos.
Homem caminhando sozinho à noite

O terceiro grupo dos níveis de crueldade: psicopatas típicos

No terceiro grupo de níveis de crueldade estão os psicopatas típicos. São aquelas pessoas que atendem a todos os critérios para serem chamadas de “cruéis”, ou seja, insensíveis à dor dos outros e antissociais em grau extremo.

Compreendem desde o nível 17 ao 22:

  • Nível 17. Inclui assassinos que matam alguém que estupraram para que a vítima não os denuncie.
  • Nível 18. Eles torturam suas vítimas e depois as matam.
  • Nível 19. Eles não procuram apenas matar, mas também procuram gerar terror em suas vítimas antes do assassinato e em toda a comunidade depois dele.
  • Nível 20. Criminosos que gostam profundamente de tortura, e logo depois assassinam a vítima.
  • Nível 21. São torturadores por “prazer”, mas nem sempre fica provado que assassinam suas vítimas posteriormente.
  • Nível 22. Corresponde aos torturadores que prolongam ao máximo o sofrimento antes de matar suas vítimas.

Como podemos ver, os níveis de crueldade são particularmente definidos pelos aspectos associados ao desejo de infligir dor aos outros e de desfrutá-la. Da mesma forma, a motivação que leva ao homicídio também é levada em consideração.

Sevilla Valderas, B., & Sevilla Valderas, B. Psicoanalistas, psicólogos y psiquiatras hablan de la psicopatía y la maldad humana [Itzkowitz y Howell, 2020] Psychoanalysts, psychologists and psychiatrists discuss psychopathy and human evil [Itzkowitz and Howell, 2020].