O dilema das mensagens contraditórias

02 Julho, 2020
O resultado mais provável de enviar mensagens contraditórias é o mal-estar do remetente e do destinatário. Continue lendo para saber mais sobre elas.
 

Você já pensou na diferença entre o que você faz e diz? Por que uma pessoa parece afirmar algo que é o oposto de como ela realmente se sente? As mensagens contraditórias confundem. Neste artigo, falamos sobre elas a partir de uma perspectiva psicológica.

O que é uma mensagem contraditória? Continue lendo para descobrir algumas chaves para entender esse tipo de comunicação, incluindo exemplos. Além disso, você verá os resultados de algumas pesquisas recentes sobre o tema, especialmente as de Gregory Bateson, um cientista social.

“As mensagens deixam de sê-las quando ninguém as pode ler”.
-Gregory Bateson-

O que são as mensagens contraditórias?

O que são as mensagens contraditórias?

Mensagens contraditórias são aquelas que transmitem informações dissonantes da mesma fonte. Por isso, elas são paradoxais. O assunto foi revisado por vários autores e tendências:

  • Psicanalistas. Eles trabalham enfatizando a lógica do que é contraditório, pois analisam as afirmações que operam de maneira antagônica ou ambivalente, algumas inconscientes, outras não.
  • A escola de Palo Alto. Segundo Watzlawick, o conceito de dupla ligação foi desenvolvido pela primeira vez nessa escola como uma diretriz de comunicação que leva a um comportamento específico na esquizofrenia.
 
  • Anzieu. Ele propôs que paradoxos podem aumentar o impulso do destinatário à autodestruição. Além disso, eles promovem a desconfiança e subvertem o senso da verdade e o ser do sujeito, como aponta o Dr. Miguel Cherro Aguerre (p. 195).

Gregory Bateson, antropólogo e linguista do Reino Unido, falou de mensagens contraditórias focando no modelo sistêmico. Ele mencionou a teoria do duplo vínculo, enfatizando a associação entre membros de um sistema. Além disso, ele a desenvolveu para explicar as causas psicológicas da esquizofrenia, uma condição associada aos padrões de comunicação.

Os duplos vínculos são dilemas de comunicação que se originam do antagonismo entre o conteúdo de diferentes mensagens com a mesma fonte. Assim, eles produzem confusão naqueles que os recebem.

No entanto, essa teoria foi revisada e ampliada, superando os limites da esquizofrenia. Além disso, ela foi aplicada em outros contextos e sugere-se, por exemplo, que os duplos vínculos são usados por alguns como meio de controle ou manipulação.

Características das mensagens contraditórias

Quanto se trata de mensagens contraditórias, o remetente pode dizer que haverá más consequências se o destinatário não realizar um determinado comportamento. Além disso, fornece ordens abstratas que contradizem esse mandato. A seguir, listamos mais características desse tipo de mensagem:

  • Interação. Pode ocorrer através de qualquer tipo de comunicação.
  • Padrão recorrente. Não é um padrão pontual, mas repetitivo.
 
  • Uma ou mais mensagens. Embora geralmente existam duas mensagens contraditórias, podem existir mais.
  • Poder. Na maioria dos casos, isso acontece entre uma pessoa que representa autoridade e outra que não.
  • Confusão. A pessoa que recebe as mensagens contraditórias pode se sentir confusa e até bloqueada.

Os padrões de comunicação, tanto os seus quanto os dos outros, influenciam a sua saúde. Existem pesquisadores que até afirmam que eles podem ser encontrados na origem de algumas patologias. Isso não significa que eles sejam a causa, mas sim um dos fatores que as promovem ou desencadeiam (gatilhos).

Atualmente, existem várias pesquisas nesse contexto. Rodríguez-Zoya, LG e Rodríguez Zoya, PG, em seu artigo publicado na revista Keyword, mostram como os processos de comunicação e interação social podem distorcer ou dificultar representações sociais e comunicação social na teoria do duplo vínculo.

Além disso, existem outros tipos de análises, como aquelas focadas em propostas de intervenção em situações de duplo vínculo nas interações professor-aluno. Essa ideia é apresentada por García-Castro, Saneleuterio e García Ramos na revista Psicología y Educación: Presente y Futuro.

Características das mensagens contraditórias
 

Consequências das mensagens contraditórias

Qualquer um pode receber mensagens contraditórias. Elas costumam ser bastante tóxicas; tenha em mente que elas podem ser recorrentes e ter conteúdos implícitos que confundem, bloqueiam e podem levar à:

  • Insegurança. Confundem as pessoas, fazendo com que elas nunca saibam o que fazer, pois estão divididas entre as duas mensagens.
  • Culpa. Por sentir que não fizeram a coisa certa.
  • Ansiedade. Por não saber o que fazer e antecipar o futuro.
  • Relações tóxicas. Após agir passivamente diante da situação de poder sem perceber que um vínculo duplo está sendo nutrido.

As pessoas que geram esse tipo de mensagem também são afetadas, porque muitas vezes seus desejos não são satisfeitos ou suas necessidades atendidas. De forma semelhante, para que o duplo vínculo aconteça, o relacionamento deve ser significativo, pois a decepção pelo não cumprimento das expectativas pode ser mais profunda.

Um exemplo desse tipo de mensagem acontece quando uma mãe comunica ao filho que o ama enquanto o rejeita de alguma forma. Outro exemplo é quando uma pessoa diz ao parceiro: “faça o que você quiser”, ou quando você diz que confia em alguém, mas mantém uma atitude de vigilância o tempo todo.

Conclusão

Em resumo, nessas situações a própria exigência que se manifesta na mensagem torna o seu cumprimento impossível. Portanto, as mensagens contraditórias causam desconforto em ambos os lado: em quem envia as mensagens, porque é muito difícil que receba a resposta que deseja, e em quem as recebe, porque não sabe o que fazer.

 

Aguerre, M. C. (s.f). Mensaje Contradictorio.

Bateson, G. (1984). La nueva comunicación. Barcelona: Kairós.

Bateson, G., & Ruesch, J. (1984). Comunicación: la matriz social de la psiquiatría. Barcelona: Paidós.

Gracía-Castro A., Saneleuterio, e., & García-Ramos, F. (2016). Descripción y propuesta de intervención en las situaciones de doble vínculo en las interacciones metalingüísticas entre profesor y alumnno. Revista Psicología y Educación: Presente y Futuro, de Alicante.

Rodríguez-Zoya, L.G, & Rodríguez Zoya, P.G. (2015). El doble vínculo entre representaciones sociales y comunicación social. Palabra clave, 18 (3), 905-937.