O medo de ser feliz

· janeiro 25, 2019
O medo de ser feliz é um obstáculo para o bem-estar, uma autossabotagem resultado de um acúmulo de experiências negativas.

Determinadas fobias, como a de aranhas ou a de altura, são bastante comuns. O que não é tão frequente, e parece menos lógico, é encontrar alguém com medo de ser feliz. Essa “repulsa” pela felicidade, entendida como alegria e prazer, pode significar um obstáculo para o bem-estar e, consequentemente, para a saúde.

Essa fobia de felicidade pode ter origens muito distintas, que podem variar desde uma educação muito rigorosa, ao acúmulo de muitas responsabilidades ou uma solidão indesejada que nos asfixia. A seguir, damos algumas estratégias para reverter essa situação.

Como parar a autossabotagem?

Vamos às estratégias que anunciamos.

1. Identificar os hábitos autodestrutivos

Em primeiro lugar, o melhor será identificar todos os hábitos que têm um caráter autodestrutivo, seja porque fazem parte de nossa rotina ou porque participamos deles excepcionalmente e nos deixaram uma marca profunda.

Uma boa ideia quando nos sentirmos culpados ou formos dominados por outra sensação é observar a situação que a estimulou. Desta forma, podemos voltar a esse momento uma vez que o nevoeiro tenha passado e reformulá-lo. Uma vez feito isso, será mais difícil estragar um momento agradável novamente.

Homem com medo de ser feliz

2. Lutar contra si mesmo alimenta o medo

Algumas pessoas fogem da calma como se fosse um tormento. Não concebem uma vida sem preocupações, de modo que, se não veem nenhuma, adquirem binóculos para ver mais adiante. Não conhecem a paz, a tranquilidade, o descanso além das horas de sono.

Em geral, falamos de pessoas que levam ao extremo o lema que diz: “é melhor prevenir do que remediar”. Assim, competem constantemente com a vida para antecipar qualquer perigo, gerando outros, já que seu modo de proceder é, basicamente, um ataque implacável à sua saúde.

3. Evitar e rejeitar os limites

Às vezes, nos impomos limites que são um mero artifício. Um deles seria o de “não expressar o que sentimos ou pensamos”. Assim, quando seguimos essa lei que impomos a nós mesmos, dificultamos que os outros nos conheçam ou nos ajudem.

Além disso, essa falta de expressão emocional não se refere apenas às emoções de valência negativa, como a tristeza ou a raiva. Em muitas ocasiões e para muitas pessoas, as emoções de valência positiva precisam respirar dentro de uma camisa de força. Pensam que dar rédea solta à sua alegria é quase um pecado… com a quantidade de preocupações que os atormentam. Esta é precisamente a ideia central da obra mais conhecida de Umberto EcoO Nome da Rosa.

4. Confiar na felicidade própria

Outro aspecto importante a se ter em mente é que a felicidade está pouco relacionada à justiça. Haverá situações nas quais não acumularemos méritos e que nos favorecerão diante de outros que nos virarão as costas, apesar de termos investido fortemente neles. O importante nesse sentido é aproveitar o que aparece.

Como analisar o medo de ser feliz?

Como analisar o medo de ser feliz?

Uma vez que você tenha consciência de que o medo de ser feliz não é um problema real e de que você pode resolvê-lo, tente encontrar a origem da situação e os elementos que de alguma maneira alimentam seu estado emocional. Eles serão o seu objetivo.

1. A terapia é uma grande ajuda diante do medo

Se você sentir que o problema é um buraco da qual você não consegue sair ou se sente cada vez pior quando passa por um momento de felicidade, você pode recorrer a um terapeuta profissional para ajudá-lo a analisar de forma mais objetiva a origem do problema e suas possíveis soluções.

Não se sinta envergonhado de seguir esse caminho. Pense, você também se sente envergonhado quando vai ao médico?

Se o medo de ser feliz está presente na maioria das áreas da vida da pessoa, ou é vivenciado com muito sofrimento e angústia, o recomendável é recorrer a um profissional.

2. Confiando nas pessoas que você ama

A família e os amigos sempre serão um bom suporte para solucionar os problemas, assim como para desabafar, ver a situação a partir de outra perspectiva e contar com a opinião e apoio sincero das pessoas que nos amam.

Portanto, compartilhar seus sentimentos com amigos ou familiares pode ser de grande ajuda para ver a situação que está enfrentando de um ponto de vista diferente.

Além disso, o apoio e a compreensão dos outros impedirão que você possa se inundar de uma sensação de solidão indesejada e, portanto, do medo de ser feliz. Finalmente, este apoio tenderá a se retroalimentar. Se você pedir ajuda, é provável que os outros também te peçam, resultando em acordos que podem ser benéficos para todos.

  • Schopenhauer, Arthur (2018). El arte de ser feliz. Disponible en: https://books.google.es/books?hl=es&lr=&id=7H1JDwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT3&dq=miedo+a+ser+feliz&ots=wAUXF6GqKh&sig=gbENCQlJZP7yagkR26RPwR4Nbc8&redir_esc=y#v=onepage&q=miedo%20a%20ser%20feliz&f=false