O medo nos ensina a nos conhecermos melhor

O medo nos ensina a nos conhecermos melhor

agosto 12, 2016 em Psicologia 0 Compartilhados
Mulher superando seu medo do mar

O medo é um sentimento de proteção e alerta diante do perigo. Quando o perigo não é real, o medo se converte em algo patológico. Ainda assim, continua sendo uma emoção que nos ensina algo profundo sobre nós mesmos. Se soubermos identificá-lo, podemos vencer esse medo e conseguir nos conhecer mais profundamente.

Se você pensar em todos os medos que tem acumulados e nos que já enfrentou, certamente irá chegar a uma conclusão clara: não eram para tanto. Grande parte da sua força não era mais do que aparência fantasma.

O que é o medo?

O medo é uma reação do nosso corpo e especialmente da nossa mente diante de uma situação, animal ou pessoa que interpretamos como perigosa ou desagradável. É um instinto, em princípio, de sobrevivência, já que nos protege do risco e do perigo. Mas muitas vezes ele aparece onde não existe tal perigo, nos fazendo sentir igualmente esse medo.

O medo pode chegar a ser uma reação limitante na nossa vida diária, já que pode nos bloquear até o ponto de não sermos capazes de agir. Por outro lado, ele é propenso a ficar ainda maior quando não o expomos à realidade.

“Só uma coisa torna um sonho impossível: o medo de fracassar.”
-Paulo Coelho-

Mulher encolhida com medo

Quem somos?

Desde que nascemos estamos vivendo, observando e experimentando emoções agradáveis e também desagradáveis, entre elas o medo. Em função das experiências vividas, o medo pode chegar a ser desenvolvido como uma reação de proteção para evitar que a situação desagradável que já foi vivida anteriormente não volte a acontecer.

Como uma das nossas emoções primárias, o medo carrega uma informação valiosa de nós mesmos e de todas aquelas situações desagradáveis que vivemos e que não queremos que voltem a acontecer outra vez.

Todas as nossas emoções são armazenadas na nossa mente subconsciente, e por isso não temos consciência das informações que elas reservam sobre as nossas experiências do passado.

Enfrentar e não evitar

Conforme o medo vai aparecendo na nossa vida, tendemos a evitar as situações que tememos para não voltar a nos sentirmos mal. No entanto, esta não é uma boa decisão, já que não aprendemos nada enquanto as estamos evitando. Por isso o medo se torna cada vez mais forte e mais resistente, fazendo com que seja mais difícil de eliminar.

Homem enfrentando seu medo

Ao evitar o medo, estamos apenas alimentando-o. Na nossa mente, estamos nos tornando cada vez menores diante dele, que cada vez parece contar com mais armas e pontos por onde nos atacar. Notamos isso não só no nosso grau de medo, como também no grau que condiciona as nossas vidas.

“O medo é natural no que é prudente, e sabê-lo vencer é ser valente.”
-Alonso de Ercilla e Zúñiga-

Eliminar o medo é conhecer a si mesmo

Para vencer o medo, não existe outro caminho senão enfrentá-lo, superá-lo e conhecer a satisfação que isso pode nos dar. Ao mesmo tempo, enfrentar o medo é bom para descobrirmos algo mais sobre nós mesmos, ou seja, conhecer através do medo a sua própria origem, seu significado e a interpretação que fazemos do perigo.

Menina aprendendo a ignorar seu medo

Descobriremos em nós mesmos habilidades e capacidades que não tínhamos, e que agora tornam o medo desnecessário, já que iremos perceber que contamos com estratégias para enfrentar a situação temida, provavelmente originada na infância, quando ainda não tínhamos estratégias para enfrentar a vida.

Por outro lado, no caso de certos medos resistentes que nos sentirmos incapazes de enfrentar, seria conveniente consultar um especialista. Ele irá buscar a estratégia mais adequada para que o medo condicione a nossa vida o menos possível, e inclusive para que consiga superá-lo.

“Nada na vida deve ser temido, somente compreendido. Agora é hora de compreender mais para temer menos.”
-Marie Curie-

Estar atento às emoções

Sempre é interessante estar atento a todas as nossas emoções e, com isso, nos tornarmos conscientes da informação que é armazenada de forma subconsciente de cada uma delas.

Qualquer emoção nos ajuda a nos conhecermos, já que mostra como vemos a nós mesmos, o que gostamos e o que não gostamos, o que nos machuca ou não nos deixa felizes, e quais situações nos fazem lembrar de experiências do passado, sejam elas boas ou ruins.

Ter consciência delas será sempre uma informação valiosa sobre nós mesmos, pois assim poderemos trabalhar aspectos pessoais que possam estar debilitados ou que possam ser pouco realistas em relação ao momento presente em que vivemos.

Crescer e nos sentirmos mais seguros

Em muitas ocasiões, por não termos consciência do nosso próprio crescimento e amadurecimento, sentimos emoções que correspondem a experiências passadas do período da infância. No entanto, nós crescemos com elas e continuamos a interpretar as situações do presente com o mesmo perigo que interpretávamos quando éramos crianças.

Conhecer a nós mesmos através do medo é termos consciência do que nos bloqueia e limita, reinterpretando as situações aparentemente perigosas e as transformando na nossa mente em situações que somos capazes de enfrentar, já que crescemos e temos agora estratégias para enfrentá-las com sucesso.

Reconhecer as nossas capacidades permite que nos sintamos mais seguros para enfrentar qualquer medo de agora em diante, apagando a marca que nos foi deixada no passado.

“O medo é o princípio da sabedoria.”
-François Mauriac-
Recomendados para você