O mito da terra sagrada, uma lenda Nahuatl

28 Julho, 2020
O mito da terra sagrada apresenta uma alegoria do conceito da "vida" em toda a sua extensão. Para que a vida seja possível, uma série de circunstâncias deve ser atendida para garantir seu surgimento e preservação.
 

Esse velho mito da terra sagrada conta que, há muitos anos, quando o mundo estava começando a se formar, havia uma mulher muito nobre e corajosa que engravidou. Ela queria ser mãe com toda a sua alma. Ele amava a vida, embora morasse em um lugar deserto, onde mal havia água e comida.

O mito da terra sagrada diz que, quando a lua estava cheia e brilhante, a mulher deu à luz um lindo menino, que nasceu saudável. No entanto, o pequeno chorava muito. A mãe tentou alimentá-lo, mas o bebê não aceitava o leite dos seus seios. Ele continuou chorando e não parava.

A terra não é uma herança dos nossos pais, mas um empréstimo dos nossos filhos”.
– Provérbio indiano –

A mulher acariciou seu bebê e tentou acalmá-lo, mas o menino continuava chorando. Após uma observação cuidadosa, a mulher notou que o menino tinha um poço de água pintado na barriga. Com medo de ter sido vítima de bruxaria, ela pediu a uma amiga que fosse procurar uma curandeira famosa para ajudá-la.

Bebê chorando

Um mal estranho

A amiga da mãe andou um dia inteiro até chegar à cabana onde a curandeira morava. Ela contou que o menino havia nascido, mas que ele não parava de chorar. Além disso, ele tinha um desenho estranho na barriga e a mãe temia que fosse uma feitiço. A curandeira pensou por muito tempo, preparou suas coisas e pediu que a levasse ao local onde a criança estava.

 

As duas chegaram exaustas. De longe, ouviram o choro da criança, que não parava. A curandeira se aproximou do menino e examinou cuidadosamente sua barriga. Depois, ela consultou os espíritos, que lhe disseram que até abrirem um poço no local, o menino não conseguiria se acalmar. Isso foi comunicado à mãe e às outras famílias do local.

O mito da terra sagrada conta que, no dia seguinte, todos começaram a tarefa de abrir um poço. Eles não sabiam como fazê-lo, mas a curandeira sabia. Dessa maneira, ela os guiou durante alguns dias, até que finalmente viram a água fluir. Então, eles tiveram que acender um incenso perto da criança. No final do ritual, eles viram que a barriga não tinha mais a marca do poço.

Uma surpresa no mito da terra sagrada

A curandeira passou a noite na vila e o menino dormiu em paz até o amanhecer. No entanto, na manhã seguinte, ele começou a chorar. A mãe correu para verificar o bebê e viu pequenas frutas e verduras pintadas nos seus braços. Então, ela imediatamente chamou a curandeira, que também observou as figuras em detalhes.

Depois de examinar cuidadosamente o menino, a curandeira apontou que dessa vez todos deveriam preparar o solo e plantar frutas e verduras no local. Caso contrário, a criança continuaria chorando, e talvez adoecesse e corresse o risco de morrer.

Todos na vila se prepararam para seguir as instruções. Enquanto preparavam o solo, o menino se acalmou. Quando começaram a plantar, ele quase não chorou mais. O mito da terra sagrada diz que a curandeira foi embora e prometeu voltar em alguns meses para ver como as coisas estavam indo.

 
Ilustração de árvore

Uma lição importante

Vários meses se passaram e a curandeira se lembrou da sua promessa. Então, ela preparou suas coisas e voltou para a vila, que agora se tornara um lugar bonito, cheio de árvores frutíferas e belas colheitas. Assim que viu essa mudança, ficou surpresa. No entanto, ao se aproximar, ela ouviu o menino chorar novamente.

Quando ela encontrou com a mãe, ela lhe disse que o menino permaneceu calmo por um longo tempo. No entanto, há alguns dias, ele tinha voltado a chorar, mas eles não sabiam o motivo. Ela tinha verificado o corpo da criança e não encontrou outra figura. A curandeira também examinou o menino com muito cuidado e não encontrou nada. Então, novamente, ela perguntou aos espíritos e, no dia seguinte, contou a todos o que eles haviam revelado.

De acordo com o mito da terra sagrada, a curandeira se dirigiu aos aldeões e disse que eles deveriam fazer um pacto com a mãe terra. A criança veio ao mundo para ensiná-los de que uma nova vida não poderia ser trazida a esse mundo se as condições não fossem criadas com antecedência para que ela fosse preservada em pleno bem-estar. Agora, todos tinham que prometer que sempre garantiriam água e terras férteis que tornassem a vida possível. Eles fizeram isso e o menino cresceu saudável e feliz.

 
  • Horcasitas, F. (1978). La narrativa oral náhuatl (1920–1975). Estudios de cultura nahuatl, 13, 177-209.