O que é o condicionamento clássico em psicologia?

· janeiro 31, 2019
O condicionamento clássico é um processo de aprendizagem que ocorre através de associações entre um estímulo ambiental e um estímulo natural.

O condicionamento clássico é um tipo de aprendizagem que teve uma grande influência na psicologia comportamental, um enfoque sistemático da psicologia que surgiu no século XIX e que assume que muitos comportamentos são produto de uma associação, reflexos produzidos por uma resposta condicionada a certos estímulos. Essa associação, além disso, é uma consequência da história dessa pessoa.

O fisiólogo russo Ivan Pavlov, junto a John B Watson, é o maior exponente do condicionamento clássico, um dos processos-chave da psicologia comportamental e do behaviorismo, junto com o condicionamento operante e o instrumental.

“Condicione as pessoas para que não esperem nada e terá todos felizes com a mínima coisa que você oferecer.”
-Ivan Pavlov-

Pavlov e o condicionamento clássico

O behaviorismo se baseia em uma suposição de que toda aprendizagem ocorre através das interações com o ambiente, que, por sua vez, molda o comportamento – o ensina. No condicionamento clássico, o processo de aprendizagem ocorre mediante a associação de um estímulo inicial (por exemplo o cheiro de uma comida) que provoca no organismo uma resposta incondicionada regular e mensurável (por exemplo a salivação), com um evento neutro (por exemplo um som qualquer) que não provocava a resposta (salivação) antes do condicionamento.

Depois de várias apresentações consecutivas de caráter espaço-temporal, o evento neutro adquirirá as funções do estímulo inicial, provocando a mesma reposta que aquele. Desse modo, um barulho poderia terminar provocando a salivação.

É importante ter em mente que o condicionamento clássico implica colocar um estímulo neutro antes de um reflexo natural. No experimento clássico de Pavlov, realizado com cachorros, o estímulo neutro era o som de um sino, e o reflexo natural era a salivação em resposta à comida. Ao associar o estímulo neutro com o estímulo ambiental (apresentação de alimentos), o som do sino (estímulo condicionado) poderia produzir a resposta de salivação.

Como funciona o condicionamento clássico: princípios básicos

O condicionamento clássico implica formar uma associação entre dois estímulos que resultam em uma resposta aprendida. Há três fases básicas que aparecem nesse processo:

Fase 1. Antes do condicionamento

A primeira parte do processo de condicionamento clássico requer um estímulo (chamemos de não condicionado) que provocará automaticamente uma resposta. Por exemplo, seguindo com o exemplo que trouxemos anteriormente, salivar em resposta ao cheiro de comida é um estímulo natural.

Durante essa fase do processo, o estímulo não condicionado dará como resultado uma resposta não condicionada. Por exemplo, a apresentação de alimentos (estímulo não condicionado) desencadeia de forma natural e automática uma resposta de salivação (resposta não condicionada).

Também há um estímulo neutro que ainda não produz nenhum efeito. Quando esse estímulo neutro se emparelha com o estímulo não condicionado, aparecerá a evocação de uma resposta.

Dessa forma, o estímulo não condicionado é um incondicional, natural, e automaticamente é capaz de desencadear uma resposta. Por exemplo, ao perceber o cheiro de um alimento do qual você gosta muito, pode ser que você sinta fome, que a sensação de fome seja desencadeada. Aqui, o cheiro da comida é o estímulo incondicionado.

A resposta não condicionada é a resposta não aprendida que ocorre naturalmente em resposta ao estímulo incondicionado. Ou seja, a sensação de fome em resposta ao cheiro dos alimentos é a resposta não condicionada.

Cachorro com a língua para fora

Fase 2. Durante o condicionamento

Durante a segunda fase do processo de condicionamento clássico, o estímulo previamente neutro se emparelha repetidamente com o estímulo condicionado. Como resultado desse emparelhamento, forma-se uma associação entre o estímulo previamente neutro e o estímulo não condicionado. Desse modo, o estímulo uma vez neutro fica agora conhecido como o estímulo condicionado. O sujeito agora está, então, condicionado para responder a esse estímulo.

O estímulo condicionado é previamente um estímulo neutro que, depois de ser associado com o estímulo não condicionado, desencadeia a resposta condicionada. Dessa forma, se quando nós sentimos o cheiro de um alimento do qual nós gostamos escutarmos ao mesmo tempo um barulho, e se isso acontecer muitas vezes, o barulho provocará por si só a resposta condicionada. Nesse caso, o barulho é o estímulo condicionado.

Fase 3. Depois do condicionamento

Uma vez que já esteja consolidada a associação entre o estímulo não condicionado e o estímulo condicionado, a apresentação do estímulo condicionado por si só já provocará uma resposta (inclusive sem a apresentação do estímulo não condicionado).

A resposta resultante é conhecida como a resposta condicionada. A resposta condicionada é a resposta aprendida em relação ao estímulo previamente neutro. No exemplo anterior, a resposta condicionada seria sentir fome ao escutar o barulho.

Princípios-chave do condicionamento clássico

Os behavioristas descreveram uma série de fenômenos diferentes associados com o condicionamento clássico. Alguns desses elementos implicam o estabelecimento inicial da resposta. Esses elementos são importantes para entender o processo de condicionamento clássico.

A aquisição é a etapa inicial de aprendizagem quando uma resposta se estabelece pela primeira vez, e então ela se fortalece gradualmente. Durante a fase de aquisição do condicionamento clássico, um estímulo neutro se emparelha repetidamente com um estímulo não condicionado.

Recordemos que o estímulo não condicionado é algo que, de forma natural e automática, desencadeia uma resposta sem nenhuma forma de aprendizagem. Uma vez realizada a associação, o sujeito começará a emitir um comportamento em resposta ao estímulo previamente neutro, que agora é conhecido como estímulo condicionado. Nesse ponto a resposta já foi adquirida.

A extinção ocorre quando a aparição de uma resposta condicionada diminui ou desaparece. No contexto do condicionamento clássico, isso acontece quando um estímulo condicionado já não está emparelhado com um estímulo não condicionado.

Às vezes, no entanto, uma resposta aprendida pode ressurgir repentinamente inclusive depois de um período de extinção. A recuperação espontânea é a reaparição da resposta condicionada depois de um período de descanso ou um período de resposta diminuída. Se o estímulo condicionado e o estímulo não condicionado já não estão mais associados, a extinção ocorrerá muito rapidamente, depois de uma recuperação espontânea.

A generalização do estímulo é a tendência do estímulo condicionado a evocar respostas similares depois de a resposta já ter sido condicionada. No famoso experimento do Pequeno Albert, de John B Watson, uma criança pequena estava condicionada a ter medo de um coelho branco. A criança demonstrou uma generalização do estímulo ao ter medo também como resposta a outros objetos brancos peludos, incluindo bichinhos de pelúcia e o próprio cabelo de Watson.

Experimento com o pequeno Albert

A discriminação é a capacidade de diferenciar entre um estímulo condicionado e outros estímulos que não foram emparelhados com o estímulo não condicionado. Dessa forma, quando o sujeito é capaz de distinguir entre dois estímulos, ele ou ela só responderá quando o estímulo condicionado se apresentar.

Os cinco princípios-chave do condicionamento clássico são aquisição, extinção, recuperação espontânea, generalização do estímulo e discriminação do estímulo.

Condicionamento clássico e publicidade

Hoje em dia podemos encontrar muito exemplos claros de aplicação da teoria do condicionamento clássico. Um deles, e um de grande importância, é a publicidade. A publicidade utiliza o condicionamento clássico como técnica para obter uma resposta.

A publicidade em programas de jogos é um dos muitos exemplos. Com o ambiente emocionante e positivo de um programa divertido, o espectador pode começar a gerar uma resposta emocionante ao anúncio devido a uma associação com o ambiente.

  • Burgos, J. (2014). Historia de la psicología. Madrid: Palabra.
  • Commons, M., Staddon, J., y Grossberg, S. (1991). Neural network models of conditioning and action. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.
  • Sánchez Balmaseda, P., García García, A. y Ortega Lahera, N. (2005). Aprendizaje y condicionamiento clásico. Madrid: Universidad Nacional de Educación a Distancia.
  • Tarpy, R. (2003). Aprendizaje. Teoría e investigación contemporáneas. Madrid: McGraw-Hill.