Os superidosos, um fenômeno inexplicável

Muitos dos superidosos têm um desempenho intelectual semelhante ao de um jovem de 20 anos. Por algum motivo que a ciência ainda não entende, seu cérebro se deteriora muito mais lentamente do que o normal.
Os superidosos, um fenômeno inexplicável

Última atualização: 08 Abril, 2021

Os superidosos são seres especiais que desafiam o que até agora se pensava sobre envelhecimento cerebral. São pessoas que chegam aos 80 ou 90 anos com um funcionamento cognitivo igual ou até superior ao dos mais jovens.

Não há órgão no corpo humano que mude mais do que o cérebro ao longo da vida. Entre 0 e 6 anos, ele aumenta até quatro vezes o seu tamanho. Do nascimento à idade adulta, ele multiplica as suas capacidades e funções exponencialmente. Então, eventualmente, envelhece.

No caso dos superidosos, isso não acontece. Essas pessoas mantêm sua memória intacta e em pleno funcionamento até uma idade muito avançada. Por que isso está acontecendo? Como é que o cérebro de algumas pessoas desafia o tempo e permanece jovem?

Precisamos de um segundo projeto de vida, e não apenas de entretenimento para passar o tempo livre que temos quando nos aposentarmos."
-F. Javier González-

Envelhecimento normal do cérebro

Envelhecimento normal do cérebro

O envelhecimento normal do cérebro depende de muitos fatores, por isso não é possível estabelecer uma idade definida para este tipo de processo. Normalmente, aos 60 anos, ocorrem algumas modificações neste órgão. No entanto, o estilo de vida também desempenha um papel. O envelhecimento pode começar mais cedo.

De qualquer forma, depois dos 40 anos, o cérebro começa a “encolher" a uma taxa de 5% ao ano. A partir dos 70 anos, esse processo é mais acelerado. As principais mudanças que ocorrem com o envelhecimento do cérebro são as seguintes:

  • Massa cerebral diminuída. Ocorre uma contração no lobo frontal e no hipocampo. Isso costuma acontecer aos 60 ou 70 anos.
  • Afinamento da superfície externa do sulco. Isso retarda o processamento do cérebro.
  • Redução da mielina que afeta a substância branca. O efeito disso é uma desaceleração das funções cognitivas.
  • Diminuição da atividade dos neurotransmissores. Isso leva à diminuição da memória e da capacidade de aprender. Também predispõe à depressão.

Todos esses são processos normais, que juntamente com a diminuição da acuidade dos sentidos, fazem com que o aprendizado, o processamento da informação e a memória não funcionem como antes.

O fenômeno dos superidosos

A partir de várias pesquisas com pessoas mais velhas, foi possível concluir que algumas pessoas mantêm seus cérebros muito mais jovens do que seus semelhantes. A ciência ainda não sabe por quê.

O que se sabe é que essas pessoas são capazes de responder a testes de memória e cognição da mesma forma que um jovem de 20 anos. Também foi estabelecido que, por alguma razão, seus cérebros envelhecem muito mais devagar do que o normal.

De acordo com pesquisas científicas, o encolhimento do cérebro nos superidosos é de 1% ao ano, e só é registrado após os 70 anos. As imagens revelam que seus cérebros são mais espessos e apresentam poucos sinais de envelhecimento em idades avançadas.

Genética e estilo de vida

Genética e estilo de vida

Até agora, acredita-se que os superidosos tenham um fator genético que influencie decisivamente seus cérebros para envelhecerem em um ritmo mais lento. Eles não são necessariamente mais inteligentes do que seus semelhantes, nem todos tiveram um estilo de vida especialmente saudável.

Um estudo está em andamento para determinar se existe uma substância no plasma sanguíneo que contribui para esse fenômeno. Ele é dirigido pelo geriatra chileno Felipe Salech, que trabalha com a hipótese de que é possível que uma substância relacionada aos linfócitos seja a que gere esse efeito de diminuir o envelhecimento cerebral.

A pesquisa também mostra que muitos dos superidosos tiveram padrões de estilo de vida semelhantes. Em geral, um número significativo deles se exercita com frequência, engaja-se em atividades intelectualmente estimulantes, leva uma vida social ativa e dorme bem.

Muitos deles também tiveram uma alimentação saudável. Aparentemente, os alimentos ricos em ômega 3 afetam a juventude do seu cérebro. Tudo sugere que essa substância afeta positivamente a rede neural. Algo semelhante acontece com a dieta mediterrânea. Por enquanto, os superidosos continuam sendo uma incógnita maravilhosa que, se esclarecida, certamente acabará beneficiando a todos nós.

Pode interessar a você...
Sexalescentes: a vida aos sessenta anos
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Sexalescentes: a vida aos sessenta anos

Os sexalescentes pertencem a uma geração que foi educada e desenvolvida com mensagens familiares e sociais muito diferentes das de hoje.



  • Cabrera, S., & Osorno, D. (2013). Envejecimiento cerebral y cognoscitivo en el adulto mayor. Rev Asoc Colomb Gerentol Geriatr, 27, 1764-citation_lastpage.