Pais hipercríticos não criam filhos perfeitos

Normalmente, os pais hipercríticos não produzem filhos perfeitos ou de alto desempenho, mas filhos infelizes que, com muita frequência, se tornam adultos deprimidos e ansiosos.
Pais hipercríticos não criam filhos perfeitos

Última atualização: 09 junho, 2022

Muitos pais consideram a crítica um dos pilares da educação. Além disso, eles entendem que quanto mais críticas fizerem aos filhos, melhores serão; eles irão melhorar e, portanto, receberão menos danos dos outros. Partem da falsa premissa de que a inflexibilidade na infância é garantia de sucesso para a fase adulta de seus pequenos. Eles estão convencidos de que estão fazendo o correto e que o sofrimento que possam causar será recompensado, e mais do que isso, em seu mundo adulto.

A outra falsa suposição de que os pais hipercríticos partem é que o afeto deve ser dosado, e melhor menos do que mais. Com uma dose maior do que a necessária, existe o perigo de se tornarem vulneráveis. Esses tipos de pais têm a convicção de que estão fazendo o correto para seus filhos.

A verdade é que essas premissas raramente alcançam o resultado esperado, ou seja, crianças que se tornem adultos fortes e saudáveis, invejados por sua capacidade de gerenciar emoções. De fato, em muitos casos, os filhos de pais hipercríticos só conseguem evoluir quando superam a educação que receberam, os nós emocionais que então se teciam. Vejamos isso com mais detalhes.

Exija tudo de si mesmo e não peça nada aos outros “.

-Charles Fiessinger-

Pais hipercríticos

Os pais hipercríticos muitas vezes projetam suas próprias frustrações em seus filhos. Não é incomum que eles tenham sido criados assim também e, embora isso lhes tenha trazido grandes frustrações na vida, eles consideram que é a coisa certa a fazer.

Esse excesso de críticas e cobranças costuma se manifestar de diversas formas, dentre as quais se destacam as seguintes.

Pai criticando sua filha pequena
As críticas contínuas às crianças podem levar a insegurança e ansiedade a longo prazo.

Rigidez e severidade

Pais hipercríticos costumam ser muito rígidos com disciplina e regras. Há algo marcial em sua maneira de educar.

Exercem um controle meticuloso sobre seus filhos e exigem deles resultados acadêmicos. Eles restringem as atividades recreativas e “selecionam” seus amigos. Em muitos casos, até os impedem de se relacionar com seu grupo porque consideram que não há ninguém nele que valha a pena.

Pressão contínua

Esses pais estão convencidos de que, seja qual for o problema e quaisquer que sejam as circunstâncias, eles estão certos. Assim, eles decidem sobre o que a criança deve fazer ou deixar de fazer, sem considerar o que ela pensa ou quer. Eles apontam direção e objetivos, ao mesmo tempo em que desconsideram qualquer manifestação individual que se desvie de suas diretrizes.

Hipervigilância

Pais hipercríticos também são hipervigilantes. Acham que devem monitorar obsessivamente os passos de seus filhos para que não cometam erros. Invadem a vida dos filhos, não permitem que tomem decisões e monitorem o que fazem, muitas vezes para questioná-los e “melhorá-los”.

Têm grandes expectativas

Para esses pais é muito importante que seus filhos se destaquem. É frustrante para eles que seus filhos estejam dentro da média normal: eles precisam que eles sejam melhores. Por esta razão, eles ficam desapontados e até punem seus filhos, quando eles não conseguem mais do que os outros.

Falta de reconhecimento

Para pais hipercríticos, o esforço não importa, também não o progresso. Eles só olham para os resultados e só oferecem reconhecimento quando esses resultados são meritórios. Caso contrário, eles não aceitarão as conquistas.

Manipuladores

É muito comum este tipo de pais recorrerem à chantagem para se relacionarem com os filhos. Implícita ou explicitamente , eles colocam nos ombros das crianças a responsabilidade de fazê-los felizes. Assim, se a criança atingir os padrões desejados, os pais ficarão felizes. Caso contrário, eles serão infelizes.

Pai punindo seu filho
Críticas excessivas às crianças podem gerar grande frustração.

Os efeitos dos pais hipercríticos

Como observamos desde o início, os pais hipercríticos dificilmente podem criar filhos felizes e, portanto, adultos também felizes. Se tiverem sucesso, será porque seus filhos tiveram que aprender a se relacionar com eventos fora de seu raio de influência. Com outros modelos, sob a referência de outros padrões.

O efeito mais frequente deste tipo de parentalidade é a insegurança, o sentimento que se enraíza na pessoa de que, faça o que fizer, nunca será suficiente.

Da mesma forma, os filhos desse tipo de pai costumam ser portadores de ansiedade. Eles aprendem a exigir mais de si mesmos do que podem dar e se sentem insatisfeitos com o que recebem. Existe o medo constante de ser reprovado, primeiro pelos pais e depois por todos os outros. Eles não conseguem estar em paz consigo mesmos e não é incomum que isso semeie as sementes da depressão.

O mais comum é que essas crianças não consigam desenvolver a autonomia, ou muitas das habilidades sociais. Muitas vezes tornam-se dependentes da aprovação dos outros e deixam de ser elas mesmas. Dessa forma, o principal fruto dos pais hipercríticos são os filhos infelizes.

Pode interessar a você...
Existe treinamento psicológico para os pais?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Existe treinamento psicológico para os pais?

Por mais que estudemos... não há diploma de Harvard que nos torne os melhores pais do mundo.



  • Nardone, G., Giannotti, E., & Rocchi, R. (2013). Modelos de familia: conocer y resolver los problemas entre padres e hijos. Herder Editorial.