O papel da psicologia no futebol infantil

· setembro 22, 2018

A psicologia no futebol infantil é uma disciplina fundamental. Serve para analisar em profundidade o papel que todos os fatores que fazem parte do ambiente da criança que pratica esse esporte têm. O comportamento dos pais, os métodos dos treinadores e a atitude das crianças são os pilares sobre os quais se sustenta o êxito ou o fracasso de uma equipe de futebol.

O futebol é provavelmente o esporte mais amado considerando o mundo como um todo. Milhões de pessoas o adoram. Esse amor se dá tanto para praticá-lo quanto para assisti-lo, acompanhando as partidas através dos meios de comunicação ou indo até o estádio. Todos opinam sobre o jogo: o público, os fãs, os jornalistas, os jogadores e os técnicos.

Por isso, trata-se de um esporte com um grande impacto social e econômico, independentemente de estarmos falando de futebol infantil, profissional ou de alto rendimento.

O papel da psicologia no futebol infantil

Nos últimos anos o futebol para crianças está adquirindo grande importância. Além disso, também se transformou em uma área de estudo dentro da psicologia do esporte. Essa área se preocupa com as repercussões que esse exercício tem dentro dessa etapa de vida.

Dadas as suas características, o futebol tem uma grande importância na hora de educar de forma adequada e saudável aqueles que ainda estão em desenvolvimento.

Cada vez mais equipes de categorias infantis e juvenis contam com a figura do psicólogo como uma referência no que diz respeito à estratégia esportiva. Esse profissional é imprescindível na hora de estabelecer técnicas efetivas de comunicação entre os jogadores.

Também se encarregam de desenvolver um código de comportamento adequado, o que pode ser de grande ajuda para os pequenos futebolistas na hora de enfrentar o sucesso ou o fracasso ao fim de cada jogo.

Futebol na infância

Por que a psicologia no futebol infantil é importante

Psicólogos e treinadores em geral são a favor de ver o esporte como uma atividade de lazer e exercício, sem cobranças. Um jogo no qual o objetivo seja aproveitar, criar hábitos de vida saudáveis e transmitir valores positivos. Alguns apaixonados pelo futebol, no entanto, não estão de acordo com essa visão: alegam que dessa forma a essência do esporte é perdida, não estamos incentivando o esforço das crianças e a competição saudável que acontece dentro das partidas.

A professora de antropologia da Universidade de Valencia Petra M. Alonso-Geta afirma que o problema é que hoje em dia o jogador de futebol de elite é uma enorme referência, talvez a mais alta, na escala de nível social. Para as crianças, jogar futebol é muito mais que uma partida, é como ter a oportunidade de agir como uma pessoa de papel muito importante.

Se eles jogam bem, se eles são bons, sabem que vão ser admirados e bajulados pelos seus pais, pelos seus treinadores e também pelo resto dos companheiros de time. Agora, essa situação certamente também provoca uma pressão excessiva, principalmente porque estamos falando de crianças.

O psicólogo esportivo trabalha sobretudo o tema de aquisição de valores e o processo desta em cada um dos jogadores. Ao mesmo tempo, prepara o time tecnicamente e taticamente, já que esse profissional é consciente de que uma criança que aprendeu o valor do esforço durante os treinos estará mais preparada para se doar 100% a uma partida que exija bastante. O profissional, no entanto, também sempre relativizará o resultado.

“Aprendo até com crianças em uma praia. Talvez porque meu futebol é algo infantil, me divirto como uma criança”.
-Ronaldinho-

As 5 chaves do sucesso segundo a psicologia no futebol infantil

Os psicólogos esportivos são conscientes de que, ao fomentar determinados valores nas crianças e no momento do jogo, eles estão preparando-as para algo muito mais importante que a marcação de um gol. Na verdade, eles estão educando as crianças para toda a sua vida. A seguir veremos quais são as principais áreas nas quais a psicologia no futebol infantil se concentra na hora de aproveitar o ambiente futebolístico.

1- Esforço pessoal

Uma das premissas que os psicólogos esportivos transmitem aos seus jogadores é que sem esforço não conseguiremos alcançar as nossas metas. É importante que as crianças desenvolvam consciência da importância da persistência e do trabalho para melhorar seu desempenho pessoal e também para contribuir com os demais e com a equipe, para que todos juntos alcancem o sucesso.

A carência de força de vontade de uma pessoa dentro do grupo acaba gerando o fracasso dele como um todo. É necessário gerar uma energia interior, uma motivação básica para enfrentar as dificuldades, os desafios, e para que o esforço necessário para qualquer jogo em equipe aconteça.

2- Trabalho em equipe

Os psicólogos do esporte devem despertar nas crianças a humildade de entender que ninguém ali é insubstituível. Em uma equipe, todos trabalham para alcançar um bem comum. Fomentar essa ideia neles é um trabalho diário, que deve estar presente na rotina de treinamento.

O futebol é um esporte que requer o trabalho de todo o grupo para alcançar o sucesso. Toda equipe sabe muito bem que tem uma meta conjunta, na qual o êxito só será alcançado mediante o esforço de todos e cada um dos jogadores separadamente.

“Nenhum jogador é tão bom quanto todos juntos”.
-Alfredo di Stefano-

3- Aumento da autoestima

O psicólogo esportivo elabora no começo da temporada um plano personalizado e de equipe para aumentar a autoestima dos jogadores. A chave para ter sucesso nessa meta está em agir de forma inteligente em função dos objetivos que foram traçados.

Aumentar a autoestima dos jogadores poder ser muito útil dentro do terreno do jogo, e também servirá para desenvolver melhor todas as facetas da vida de cada um separadamente.
Crianças jogando futebol

4- Fomentar a empatia

Trabalhar um valor como a empatia é uma das metas mais complicadas para o psicólogo esportivo. Isso se deve ao fato de que é difícil gerar em uma criança a percepção do que significa se colocar no lugar do outro.

A empatia permite ser compreensivo, solidário, generoso e sobretudo, companheiro. Por isso, usar o futebol para desenvolvê-la pode ser muito benéfico para as crianças que praticam esse esporte.

5- Desenvolvimento do respeito

Há normas que são inegociáveis, como a rejeição a qualquer tipo de violência física e verbal ou a necessidade de respeito aos companheiros. Partindo dessa premissa, começará todo um processo de negociação democrática para estabelecer o resto das normas. O respeito, no entanto, deve sempre estar na base de todas elas.

As figuras de referência, por sua vez, como os pais, treinadores e educadores, devem agir sempre baseados também no respeito. Isso se deve ao fato de que são exemplos a serem seguidos pelos pequenos jogadores.

Em conclusão, a psicologia no futebol infantil pode servir para converter essa atividade em muito mais. Com essa ferramenta, pode-se utilizar esse esporte para fomentar valores positivos, educar as crianças para que sejam pessoas melhores, e também conseguir alcançar uma sociedade mais respeitosa.

“Estou mais preocupado em ser uma boa pessoa do que em ser o melhor jogador do mundo”.
-L. Messi-