O paradoxo da eficiência, de acordo com Edward Tenner

Vivemos em um mundo que busca e recompensa a eficiência. O mínimo investimento para alcançar os melhores resultados. Porém, por trás dessa fórmula que muitos consideram perfeita, também existem riscos significativos. Você quer conhecê-los?
O paradoxo da eficiência, de acordo com Edward Tenner

Última atualização: 06 Outubro, 2021

Edward Tenner foi professor da Universidade de Princeton, e depois iniciou uma carreira de sucesso como consultor independente. Além disso, é dono de algumas das palestras mais vistas na plataforma TED. Entre elas, destaca-se sua palestra sobre o paradoxo da eficiência.

O paradoxo da eficiência é um conceito que tenta ampliar nossa perspectiva sobre o que conhecemos como rendimento. Hoje, a eficiência não é apenas apreciada, mas é o norte para muitas empresas quando se trata de definição de salários ou contratações.

O que Edward Tenner argumenta é que às vezes a fixação que pode existir em torno da eficiência pode tornar os indivíduos e as organizações ineficientes. Este é o paradoxo da eficiência.

Resumindo, para sermos realmente eficientes, precisamos de uma ineficiência ideal. O caminho mais curto pode ser uma curva, em vez de uma linha reta”.

Homem trabalhando no computador à noite

Eficiência

Eficiência é um tipo de equação em que o axioma básico é “mais e melhores frutos com menos investimento de recursos. Mais tarefas concluídas em menos tempo; mais objetos produzidos por menos dinheiro; mais conquistas alcançadas com menos esforço… É o mundo dos pontos positivos e negativos em torno de variáveis que costumam se associar de forma positiva. Por exemplo, é comum que, quando estudamos mais horas, obtenhamos notas melhores; que trabalhando mais horas, recebamos mais dinheiro.

As novas tecnologias nos tornaram mais eficientes de muitas maneiras. Por exemplo, um corretor ortográfico pode aprovar este artigo e identificar quaisquer erros antes de publicá-lo. Nos supermercados, quem processa a compra não precisa fazer a soma do nosso carrinho, mas tem uma máquina que faz isso em muito menos tempo e comete muito menos erros do que o funcionário cometeria se precisasse fazê-lo manualmente.

No entanto, Edward Tenner adverte que a eficiência também tem seu lado obscuro. O axioma de mais por menos envolve riscos que muitas vezes passam despercebidos. Hoje sabemos que pouco progresso é feito sem pagar um preço.

Uma história ilustrativa

Para apresentar seu conceito do paradoxo da eficiência, Edward Tenner fala sobre a história das batatas. Lembre-se de que este tubérculo teve sua origem na Cordilheira dos Andes e, de lá, chegou à Europa. Ele salienta que este alimento possui uma ótima qualidade nutricional. Na época, o rei Frederico da Prússia o considerava a chave para que seus súditos ganhassem saúde.

Este fato coincidiu com outro: os prussianos fizeram prisioneiro um cientista chamado Parmentier. Ele verificou que a batata mantinha todos os prisioneiros saudáveis. Ao ser libertado da prisão, ele apresentou a batata à França. A fama da batata começou a crescer e, na Irlanda, ela chegou a ser considerada uma espécie de milagre.

No entanto, no fundo, havia um risco associado ao consumo em massa que ninguém estava levando em consideração. As batatas irlandesas eram geneticamente idênticas. Portanto, se uma praga afetasse uma batata, acabaria afetando todas elas, como de fato aconteceu.

Isso fez com que cerca de um milhão de pessoas morressem e outros dois milhões tivessem que emigrar. Então, a planta que deveria acabar com a fome acabou causando uma tragédia.

O paradoxo da eficiência

Além da batata, houve muitas outras soluções mágicas nas quais pudemos ver o paradoxo da eficiência refletido. Um exemplo clássico é o das armas. Sua evolução só fez com que mais vidas humanas fossem perdidas.

Hoje, segundo Edward Tenner, os dados parecem ser o novo deus inspirador da humanidade. No entanto, muitas das análises que estão sendo realizadas para a tomada de decisões deixam pouco espaço para habilidades puramente humanas, como intuição ou imaginação. Com os dados, pode ser fácil escolher a melhor solução entre todas as que foram tentadas, mas pode não ser tão fácil imaginar quais seriam os resultados da implementação de uma nova. Isso geralmente resulta no que Tenner chama de “ineficiência inspirada”.

Parece que esquecemos que, às vezes, a melhor maneira de fazer as coisas é pegar o caminho mais difícil. Ao longo da história, em múltiplas ocasiões, foram os erros, e não a eficiência absoluta, que produziram grandes descobertas, criações e avanços. Da mesma forma, para dar outro exemplo, está provado que escrever à mão pode ajudar muito mais a nossa memória do que digitar no teclado.

Os exemplos de Tenner são muitos. Todos eles estão orientados na mesma direção: “mais por menos” não é uma função perfeita. Na verdade, pode se tornar um caminho para a estagnação ou a mediocridade.

O erro, a dificuldade e um pouco de caos são fontes de inspiração. Precisão e controle também podem produzir resultados piores. Esse é o paradoxo da eficiência.

Imagem principal “Creative Commons” de Avery Jensen sob licença CC BY-SA 4.0.

Pode interessar a você...
Lei de Yerkes-Dodson: a relação entre desempenho e excitação
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Lei de Yerkes-Dodson: a relação entre desempenho e excitação

A lei de Yerkes-Dodson diz que desempenho e excitação estão diretamente relacionados e que altos níveis de excitação podem melhorar o desempenho.



  • Tenner, E. (2020). Whose Humanities? The Hedgehog Review, 22(3), 124-133.