Paralisia facial: quando o rosto não responde

29 Agosto, 2020
Você consegue imaginar um mundo em que não fosse possível simular uma emoção usando o controle da sua expressão facial? Ou, pior ainda, não conseguir expressar o que está sentindo em seu rosto?
 

A expressão facial de emoções é básica para uma interação social adequada. Além disso, também é muito importante para uma correta interpretação das emoções faciais dos outros. As pessoas com paralisia facial podem ter problemas de interação social e reconhecimento emocional.

As expressões faciais são padrões de comportamento inatos e universais. Isso foi demonstrado por estudos que compararam as expressões faciais de crianças cegas e crianças com visão normal e por estudos transculturais, entre outros.

O resultado dos estudos é que, nos diferentes grupos, as expressões faciais foram bastante semelhantes. Além disso, os indivíduos não tiveram dificuldade em reconhecer as expressões faciais dos outros grupos.

Através dos movimentos faciais, somos capazes de expressar emoções e simular expressões faciais típicas de uma determinada emoção. Esses movimentos faciais são controlados por dois circuitos independentes; um ou outro será ativado, dependendo se o que queremos expressar através do rosto é uma emoção genuína ou simulada.

Paralisia facial emocional

Paralisia facial emocional

Esse tipo de paralisia é causada por uma lesão na região da ínsula do lobo pré-frontal, na substância branca do lobo frontal ou em regiões do tálamo do hemisfério esquerdo do cérebro. Este sistema está associado à arquitetura física responsável pelos movimentos voluntários dos músculos faciais, conectando-se com a medula oblonga ou porção caudal da protuberância.

 

As lesões nesse sistema se traduzem na incapacidade de expressar emoções genuínas no lado do rosto contralateral à lesão, ou seja, no lado direito da face.

No entanto, pessoas com esse tipo de paralisia são perfeitamente capazes de reproduzir uma expressão facial em ambos os lados do rosto.

Paralisia facial intencional ou volitiva

A paralisia facial intencional, ou paralisia facial volitiva, provoca a incapacidade de mover os músculos faciais ao simular uma emoção. O lado da face contralateral à lesão não responde ao pedido de simular uma determinada expressão facial.

No entanto, quando a emoção é genuína, os músculos faciais de ambos os lados do rosto respondem. O rosto dessas pessoas é incapaz de fingir corretamente uma emoção que não está sentindo.

Essa paralisia é causada por uma lesão no córtex motor primário do hemisfério direito; especificamente, na região que corresponde ao rosto. Também pode ser devido a uma lesão das fibras que conectam essa região frontal ao músculo motor do nervo facial, também no hemisfério direito do cérebro.

A capacidade para imitar ou reproduzir as emoções dos outros e a subsequente resposta da nossa própria expressão facial é o que nos permite nos colocar no lugar do outro, reconhecer suas emoções e responder apropriadamente a elas.

Um estudo de neuroimagem mostrou que a observação e imitação de expressões emocionais provoca um aumento na atividade da região frontal dos neurônios-espelho, o que se traduz em comportamentos mais empáticos e melhores relações com os outros.

 

A capacidade de reproduzir a expressão facial de outras pessoas para facilitar o reconhecimento de suas emoções não determina que as pessoas com paralisia facial voluntária sejam completamente incapazes de reconhecer as emoções dos outros, mas sim que elas podem ter certas dificuldades ao fazê-lo.

O papel da expressão facial no reconhecimento das emoções

Como sabemos, a expressão emocional nos permite comunicar ao mundo como estamos. No entanto, essa função só faz sentido se outras pessoas forem capazes de entender esse estado e responder a ele de forma adequada.

O hemisfério direito está mais envolvido no reconhecimento das emoções do que o hemisfério esquerdo. Consequentemente, pessoas com lesões no hemisfério direito têm dificuldades no reconhecimento emocional.

Existem várias regiões do cérebro envolvidas no reconhecimento emocional, como a amígdala, o córtex pré-frontal, os neurônios-espelho… No entanto, vamos nos concentrar nos neurônios-espelho e no papel da imitação no reconhecimento das emoções.

Quando vemos a expressão emocional de alguém, nosso cérebro inconsciente e automaticamente reproduz essa emoção de forma imperceptível.

Nossos neurônios-espelho se ativam quando observamos as expressões faciais de outras pessoas e nos permitem imitá-las. A resposta da reprodução da expressão facial que fazemos é o que nos permite entender como os outros se sentem e sentir empatia por eles.

Além da paralisia facial voluntária, existe outro tipo de paralisia facial que demonstra a relação entre a expressão e o reconhecimento emocional. Esta é a síndrome de Moebius. Essa paralisia também afeta a expressão facial das emoções e, consequentemente, o reconhecimento das mesmas.

 

“A capacidade de expressar os próprios sentimentos é uma habilidade social fundamental.”
-Daniel Goleman-

O papel da expressão facial no reconhecimento das emoções

Implicações da paralisia facial

A expressão facial permite que nos comuniquemos além das palavras, enriquecendo e acompanhando o que dizemos com elas em muitas ocasiões.

Além disso, interpretar as expressões faciais dos outros nos permite inferir seus desejos ou necessidades antes mesmo de intuí-los por outros canais. Em suma, as expressões faciais nos tornam seres mais socialmente inteligentes.

Viver sem ser capaz de reconhecer as expressões das pessoas ao nosso redor pode tornar nossas relações sociais muito difíceis. Além disso, a incapacidade ou dificuldade de expressar o que sentimos corretamente é um desafio para aqueles que nos rodeiam.

Felizmente, podemos usar a linguagem verbal e outro tipo de linguagem não verbal, como a mímica ou a prosódia, para nos expressar e compensar problemas da expressão facial.

“As emoções mudam a maneira como vemos o mundo e interpretamos as ações dos outros.”
-Paul Ekman-

 

Carlson, N. R., & Clark, D. P. (2014). Fisiología de la conducta. Madrid, Spain:: Pearson Educación.