Pessoas com doenças crônicas: como estão vivendo a pandemia?

17 Agosto, 2020
O isolamento em casa não é algo incomum para aqueles que sofrem com uma doença crônica. Eles são mais vulneráveis ​​às doenças, é verdade, mas muitos deles têm uma grande resistência interna, uma força psicológica adquirida em tantos dias difíceis.

Diabetes, doenças raras, câncer, insuficiência renal, esclerose múltipla, doença de Crohn, distúrbios respiratórios… As pessoas com doenças crônicas são o grupo mais sensível durante a atual pandemia. No entanto, além do alto risco de sofrer com o coronavírus de maneira mais séria, há o âmbito psicológico e o modo como eles enfrentam essa situação.

Qualquer pessoa com uma condição de saúde que exija uma maior atenção e visitas frequentes ao hospital sabe que a vida não é mais a mesma. Ela tem outro ritmo, outra cor e um dia a dia em que o estresse é o constante copiloto com quem você precisa aprender a lidar. Se antes era difícil, agora com a presença do coronavírus tudo se tornou muito mais complicado.

Medo, fadiga, frustração, angústia… Há muitas emoções que se combinam na mente desses pacientes crônicos acostumados a ver as salas de espera dos hospitais como a sua segunda casa. São pessoas muito jovens ou não, algumas muito ativas e outras com maiores limitações. Todas elas, quase sem exceção, estão lidando com sentimentos opostos que são difíceis de definir.

No entanto, para muitos, o confinamento não é novidade. O fato de ver a vida passar por uma janela já era algo conhecido. Mas parte do que eles estão testemunhando é que, enquanto o resto do mundo recupera timidamente a sua normalidade, eles são forçados a continuar em seus refúgios porque são a população de maior risco. Aquela com a qual o coronavírus costuma ser mais agressivo.

Pessoas com doenças crônicas

Pessoas com doenças crônicas, vulneráveis, mas resistentes

As pessoas com doenças crônicas têm uma história que vai além de seus problemas médicos. A história da sua vida também conhece a resistência, sabe enfrentar momentos difíceis, assumir a própria vulnerabilidade e fragilidade física, revestindo-se de força e coragem, do desejo de continuar vivendo apesar de tudo.

Portanto, muitas delas enfrentam a pandemia com habilidades adquiridas ao longo dos anos. Enfrentam dias de medo e angústia em que a saúde falha e as semanas são gastas em um leito hospitalar. Agora, embora seja verdade que a presença de uma pandemia é um fator de dificuldade adicionado às suas vidas e do qual devem se proteger, muitos desses pacientes assumiram esse fato com mais normalidade do que o resto da população.

Pessoas com condições pré-existentes: a sensação de risco não é nova

As pessoas com doenças crônicas convivem com a sensação de risco permanente. O seu estilo de vida costuma apresentar limitações, riscos que eles devem conhecer para detectar e evitar diariamente. De alguma forma, a pandemia os apresentou a um mundo já conhecido, mas no qual devem se proteger um pouco mais do que o restante das pessoas.

O rótulo de “pessoas vulneráveis” é muito diversificado

Quando falamos sobre esse grupo da população que corre o risco de sofrer mais complicações se contrair o coronavírus, não estamos nos referindo apenas aos idosos. Algo a ter em mente é que esse setor da população é muito mais amplo e diversificado do que podemos acreditar.

  • Pessoas com doenças raras constituem, por exemplo, uma parte desse núcleo.
  • Além dos idosos maiores de 60 anos ou idosos que estão em asilos, também existe um grande grupo de pacientes com doenças cardiovasculares, problemas de insuficiência renal, diabetes, artrite, esclerose múltipla e todos as pessoas que estão lutando contra o câncer.
  • Por último, mas não menos importante, também devemos considerar os pacientes com doenças mentais e psiquiátricas. Em média, esses homens e mulheres com esquizofrenia, com distúrbios alimentares, depressão maior, transtorno de personalidade limítrofe, etc., também apresentam comorbidades com problemas de saúde.

O confinamento nos fez entender a realidade das pessoas com doenças crônicas

A pandemia atual atuou como um tremendo equalizador social. O confinamento tem feito com que todos nós passemos os nossos dias na privacidade de nossas casas para nos proteger e reduzir a taxa de infecção por coronavírus.

Crianças, adultos, idosos, pessoas saudáveis, pacientes com doenças crônicas… Todos nós estamos convivendo com a angústia e descobrimos que podemos ser vulneráveis ​​à doença.

No entanto, neste período, compreendemos que uma parte da nossa população sofre uma angústia muito pior do que a nossa. Percebemos as necessidades dos mais vulneráveis, que talvez precisassem de um pouco mais da nossa ajuda no dia a dia (farmácia, compras…). Agora, no momento atual e com o processo de abertura à frente, também devemos ajudá-los, porque as suas vidas continuarão muito limitadas.

Embora muitos de nós estejamos recuperando timidamente a normalidade indo trabalhar, praticando esportes ou encontrando amigos em casa, as pessoas com doenças crônicas ainda são uma população de risco. A sua mobilidade continuará sendo limitada.

Homem preocupado

O privilégio da saúde, o valor da força

Nesta nova era em que uma pandemia transformou a nossa realidade, aprendemos o grande privilégio de estar bem e saudáveis. Por sua vez, também estamos entendendo a força que existe naqueles que convivem com uma doença diariamente. Estão sempre lutando contra as recaídas, internações, tratamentos e visitas constantes ao hospital.

Nós os admiramos e respeitamos. Hoje compreendemos a sua luta mais do que nunca. Agora, também sabemos o que significa viver sem uma vacina para as doenças, sem um remédio definitivo que nos permita recuperar a normalidade. Essa normalidade que o restante de nós desfruta diariamente sem estar consciente disso. Vamos refletir sobre esse tema.