Pessoas emocionalmente inacessíveis: especialistas em evitar se conectar

· julho 15, 2018

A ignorância emocional é um grande obstáculo para as relações. A incapacidade para se conectar com os sentimentos, tanto próprios quanto dos outros, é um grande impedimento para a criação de vínculos sólidos, saudáveis ​​e duradouros. E, acima de tudo, para conectar-se consigo mesmo. De fato, essa dificuldade é o grande desafio das pessoas emocionalmente inacessíveis, aquelas que constroem muros ao redor de seu coração para evitar se sentirem vulneráveis ​​e que, às vezes, fogem quando as emoções entram em cena.

São perfis caracterizados por uma clara imaturidade emocional, onde até o amor pode se tornar uma grande ameaça. Isso não significa que não possuam relações, mas geralmente tendem a abandoná-las ou simplesmente se fecham quando surgem as emoções. É como se vagassem com uma concha nas costas para se refugiarem nela sempre que precisam, especialmente quando a situação exige um mínimo de contato emocional.

As pessoas emocionalmente inacessíveis são especialistas em criar distâncias; constroem muros e levantam paredes para evitar o contato íntimo com as outras pessoas, na maioria das vezes inconscientemente. Por isso é tão complicado sair desse tipo de ostracismo emocional.

Como são as pessoas emocionalmente inacessíveis?

As pessoas emocionalmente inacessíveis são como qualquer outra, aparentemente. Têm seus gostos, suas paixões, seus trabalhos, sua história pessoal, seus defeitos e, é claro, suas virtudes. No entanto, não têm a capacidade de identificar e gerenciar emoções. Provavelmente, nunca se perguntaram como outros estão ou pararam para ouvir seu desconforto.

Pessoa emocionalmente inacessível

São pessoas com uma aura de frieza emocional que, diante do mínimo sintoma de sofrimento, precisam de uma fuga. São escapistas do desconforto com um doutorado em autoengano. E o mesmo acontece se a emoção que os invade for muito positiva. Talvez possam apreciá-la mais, mas isso não significa que não lhes cause um grande medo, especialmente se estiver ligada a outros.

Ao colocar uma grande distância a nível emocional em seus relacionamentos, geralmente parecem pessoas frias com pouco interesse pelo que acontece ao seu redor. De fato, é difícil para eles estabelecer vínculos emocionais para evitar se sentirem vulneráveis. Dessa maneira, a frieza emocional é seu mecanismo de defesa, a maneira como aprenderam a se proteger das mágoas do passado.

A convivência com esse tipo de pessoa pode ser muito frustrante e complicada, especialmente se for um relacionamento, já que a necessidade de se conectar emocionalmente é quase impossível de suprir. Inclusive, ao serem incapazes de identificar o estado emocional da outra pessoa, quando confrontados com a dor, as lágrimas ou recriminações dessa pessoa podem parecer perturbadas, sobrecarregadas e com uma forte necessidade de escapar.

Como já dissemos, a inacessibilidade emocional tende a ser inconsciente. No entanto, esse tipo de pessoa gasta muita energia psicológica para evitar confrontar suas emoções. Por esta razão, somente quando começam a ter consciência do que está acontecendo com eles, podem fazer algo a respeito. O problema é que, ao ter seus mecanismos de defesa tão automatizados, podem lutar até o final para não se tornarem conscientes do que consideram sua vulnerabilidade.

O que as pessoas emocionalmente inacessíveis podem fazer para acabar com essa dinâmica?

É possível, então, minimizar esse forte bloqueio emocional? A resposta é sim, mas acrescentando que não é fácil. Tudo depende da aceitação da dificuldade por parte da pessoa e do grau de mudança desejado.

Portanto, o primeiro passo é se dar conta do que está acontecendo. Assim, à medida que se conscientizam e deixam-se sentir tudo que o mundo emocional envolve, podem seguir em frente. Deste modo, a dor e o medo, tanto próprios quanto dos outros, começam a ser visíveis: pouco a pouco, com honestidade e com muito esforço.

“Uma das armadilhas da infância é que não é necessário entender algo para senti-lo. No momento em que a razão é capaz de entender o que aconteceu, as feridas no coração já são muito profundas”.
-Carlos Ruiz Zafón-

Inacessibilidade emocional

Uma vez estabelecidos os primeiros contatos a nível emocional e ao ter aprendido como identificar as emoções, o passo seguinte será treinar a habilidade de escolher como reagir a diferentes situações, descartando assim os automatismos. Esta é uma das ferramentas mais poderosas para as pessoas emocionalmente inacessíveis.

Por outro lado, também é importante mencionar que as pessoas ao redor das que são emocionalmente inacessíveis também precisam cuidar de si mesmas e praticar a compreensão, se desejam permanecer ao seu lado. Elas devem trabalhar em si mesmas para ver como agir sobre isso e, acima de tudo, entender os motivos que as levam a continuar, segundo a doutora em psicologia Gabriella Kortsch.

Além disso, outro aspecto fundamental é entender que, nesse tipo de situação, não se trata de culpar o parceiro. Mesmo para Gabriella Korstsh, a pessoa que estabelece um vínculo com alguém emocionalmente inacessível tem conflitos não resolvidos que precisam ser solucionados, e esse parceiro em particular faz com que esses problemas apareçam. Ambos se relacionam da melhor maneira que aprenderam até aquele momento.

Inclusive, não podemos esquecer que às vezes a solução também é encontrada no término do relacionamento; não podemos obrigar o outro a mudar e exigir que seja quem não é. Porque se uma pessoa não está disposta a se abrir emocionalmente para outra, e essa outra precisa disso, não há outra maneira senão terminar para evitar o prolongamento de um relacionamento que se torna cada vez mais insustentável.

“Fale para que eu o conheça”.
-Sócrates-