Pessoas que respondem como Sheldon

Pessoas que respondem como Sheldon

Última atualização: 02 maio, 2022

Séries, filmes ou novelas muitas vezes nos oferecem personagens exorbitantes, pois de alguma forma os roteiristas buscam consistência no perfil que pretendem traçar diante de incoerências ou contradições. Big Bang Theory, uma das séries de maior sucesso dos últimos anos, é um bom exemplo dessa forma de escrever.

Nela podemos ver vários personagens cativantes -Leonard, Sheldon, Rash, Howard, Penny, etc.- que encantam o espectador com sua maneira de ver o mundo. Eles conseguem isso graças ao fato de que de alguma forma têm a obrigação de se relacionar, pois o que os une é mais forte do que o que os separa.

Um dos personagens mais queridos é Sheldon. Por detrás deste jovem, de tez pálida e rosto de criança, esconde-se uma forma sincera, racional, egoísta e ególatra de interpretar o mundo. Uma forma de pensar e de se comportar que, embora seja muito difícil para nós reconhecermos plenamente em alguém ao nosso redor, não é tão difícil de identificar em uma situação específica.

Em muitos dos episódios da série podemos apreciar como os personagens têm que tomar decisões importantes quando eventos relevantes acontecem com eles. Por exemplo, um dos amigos de Sheldon lhe diz que ele vai ser pai.

Claro que, como em muitas outras ocasiões, a reação de Sheldon é consistente: ao invés de parabenizar o amigo, ele expressa sua tristeza por entender que tal responsabilidade fará com que seu amigo passe menos tempo com o grupo.

Sheldon

Pessoas que continuam sendo seu ponto de referência

Com certeza você conhece pessoas que acham muito difícil deixar de ver o mundo a partir de sua própria perspectiva. Pessoas a quem, quando você comunica notícias, como Sheldon, a primeira coisa em que pensam é como isso as afetará.

Elas podem não expressá-lo tão abertamente quanto nosso amado personagem, mas você pode vê-lo sob a camada de dissimulação. Elas podem te parabenizar, mas em seu rosto você pode ver uma expressão de tristeza que elas vão expressar com palavras assim que puderem.

Pessoas que não conseguem ouvir porque precisam fazer um grande esforço para sair de si mesmas. Não conseguem desviar sua atenção dos problemas que as afetam para pensar naqueles que afetam os outros. Não é fácil para elas se aproximarem do fio que o outro lhes está estendendo e, de alguma forma, prendê-lo ao seu, para assim se abstrair por alguns momentos de si mesmas.

Pessoas nas escadas olhando para cima

Além disso, é difícil para elas não porque não estejam interessadas, mas porque tentam lhe dar uma resposta ao que você pergunta a partir da perspectiva do que fariam no seu lugar. O problema é que não é sobre elas, é acerca de você, com suas ilusões, medos, expectativas e problemas.

Além disso, assim como acontece com Sheldon (deixando de lado a síndrome que se quer representar), são pessoas que tentam salvar sua deficiência emocional desde a capacidade cognitiva. Sua resposta manifesta não é natural, mas uma síntese entre como elas se sentem e a resposta que são capazes de dar ao “o que devo sentir ou expressar agora?”. Assim, nem uma coisa nem outra sai delas e seus gestos são tão duvidosos que desconcertam o interlocutor.

Mãos ligadas em tom sépia

Podemos ajudar as pessoas que respondem como Sheldon?

Sim, claro que podemos ajudar. Em primeiro lugar, entender que em sua maneira de pensar não há maldade e que elas se importam conosco, apesar de ser difícil para elas sentir o que sentimos. Elas podem nunca ter tido um amigo ou parceiro de verdade, elas podem ter sido uma experiência ruim, ou seu limiar emocional pode simplesmente ser muito alto.

Suas idéias podem não ser de muita utilidade para nós, ou seu consolo pode parecer mais uma decepção, mas se realmente queremos ajudá-las, o melhor que podemos fazer é continuar a nos comunicar emocionalmente, mesmo que às vezes pareça que estamos diante de uma espécie de parede. Se as ajudarmos a aprofundar no nosso mundo, a possibilidade de que essa conexão surja será muito mais viável.

Se tivermos acompanhado a série, perceberemos que o Sheldon atual é muito parecido com o Sheldon do início, mas também muito diferente. Ele não perdeu sua identidade, mas graças aos personagens mais emocionais, como Penny, sua maneira de se relacionar com as emoções evoluiu muito.

This might interest you...
Casa Gucci: ciúmes, ostentação e clichês
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Casa Gucci: ciúmes, ostentação e clichês

Com toques novelescos e um ar de comédia, Casa Gucci nos traz uma história marcada pela paixão, sucesso e tragédia.