Por que adiamos a mudança? – A mente é maravilhosa

Por que adiamos a mudança?

abril 12, 2015 em Emoções 0 Compartilhados
mudança

De que serve examinarmos a nossa vida poucos dias antes do ano acabar? O objetivo não é sentir nostalgia. É o momento de revisar se a vida que levamos é a que nos propusemos a ter. Alguns estarão satisfeitos, mas outros sentirão um vazio desconcertante, mesmo apesar de importantes conquistas.

Queremos repetir as experiências que este ano nos deixa?

Para aquelas pessoas que estão insatisfeitas com o que conquistaram, seja por crises de saúde, econômicas, familiares ou de relacionamento, convido-os a se perguntarem o que as levou a esse caminho? Você tem uma visão clara de para onde vai ou o que você deseja para si mesmo? Este é objetivo de desenhar um projeto de vida. Nos permite revisar os passos que, se seguidos, nos levariam à meta que nos colocamos no início do ano, de uma etapa ou de uma transformação.

Para isto é necessário estar consciente de quem somos. Quais são os talentos pessoais, como independência, criatividade, paciência, entre muitos outros. Cada pessoa tem um potencial que lhe permitiu alcançar suas conquistas. Qual é o seu?

Algumas pessoas, ao olhar em retrospectiva, abandonam um sistema de vida que deixou de funcionar, e encaram um divórcio, a saída de um emprego, uma doença delicada ou a ausência de um ser amado que se foi com a morte. Todas essas situações criam ansiedade porque tiram a pessoa de sua zona de conforto, é fácil se acostumar às pessoas, situações ou lugares se não geramos mudanças na vida.

Ainda, para outras pessoas, este ano lhes lembra que suportam uma relação abusiva já faz tempo. E dirão: “Eu nunca quis viver assim”, “Já não tenho opções”. Para aquelas pessoas que estejam em tais relações é importante que saibam: Para mudar algo que não lhe agrada é necessário saber quem você é. Com o que você pode contar, quais habilidades você possui. Em poucas palavras, quais são essas qualidades que o fazem único.

Para organizar a nossa vida, é preciso começar reconhecendo o nosso valor como pessoa, já que um dos fatores que nos impede de dar o passo seguinte é:

O Medo

Quando um novo ano se inicia, nos entregamos à rotina esquecendo-nos das metas estabelecidas.  Alguns se entusiasmam com a academia para eliminar o peso ganho com as comidas natalinas tradicionais, outros vão ao médico logo no começo do ano para checar a saúde. Mas a maioria deixa em boas intenções os propósitos que prometeram a si mesmas no dia 31 de dezembro. E ainda existem as pessoas que não veem saída alguma à sua situação: desemprego, divórcio, maus-tratos, doenças terminais.

Cada um enfrenta uma dificuldade com a qual deve lidar. Alguns procuram ajuda em amigos, líderes espirituais, advogados, e outros em psicólogos. Algumas pessoas preferem ver o problema nos outros e não em si mesmos. Por quê? Porque implicaria que são responsáveis pela situação em que vivem e portanto, que podem mudar a posição de vítima, mas o medo as paralisa para tomar uma atitude.

Mas, o que é o medo?

É uma emoção intensamente desagradável, provocada por uma percepção de perigo. Esta percepção se origina de um pensamento que pode se basear em situações reais ou fictícias. Por exemplo, é diferente a origem do medo da pessoa que crê que ao sair para a rua vai ficar doente porque se expõe a bactérias, do que a pessoa que apanha do marido constantemente e ele ameaça matá-la.  O primeiro medo se baseia em uma ideia produto da fantasia, enquanto que a segunda situação se baseia em fatos.

Contudo, a maioria das pessoas experimenta diferentes tipos de medos:

– Medo do abandono

– Medo da rejeição

– Medo do fracasso

– Medo de ficar sozinho

– Medo de ser diferente

Estes medos se originam em ideias ou fantasias relacionadas à mudança, de modo que tais pessoas se preocupam em agradar aos outros, mesmo que as suas ações lhes causem um intenso mal-estar. Existe também o medo do desconhecido. Se baseia na insegurança. Contudo, é necessário distinguir os efeitos do medo no ser humano.

O aspecto positivo do medo é quando ele age como um mecanismo de alarme frente ao perigo iminente de dano físico, o que lhe permite escapar ou agir em função da sua sobrevivência.

O lado negativo é aquele que gera angustia e é paralisante. A maneira mais eficaz de enfrentar o medo é reconhecer a sua existência, e para isto é necessário que observemos qual é a nossa conduta frente a diferentes eventos, e o que pensamos no momento de sentir angústia ou medo.

Como o medo descansa na insegurança pessoal, é necessário se informar quando se está frente a um projeto a realizar, uma entrevista, ou uma situação na qual se deve tomar decisões. Informar-se é a chave frente às decisões. Seja realista quanto ao desempenho, permita-se errar. Ninguém é perfeito. Por mais que possa cobrir os diferentes cenários possíveis, existirão situações nas quais não se obtém a informação completa que permite uma decisão acertada.

Frente ao medo é normal que surjam inquietações e perguntas. Sendo assim, você deverá pesar os prós e os contras das opções de resposta que tem frente ao evento em questão. Portanto, não é valente o que diz que não sente medo ou inquietação, e sim o que reconhece a sua existência e aprende a lidar com ele.

Foto cortesia de ollyy

Recomendados para você