Por que confundimos esquerda e direita?

Muitas pessoas confundem esquerda e direita. Na verdade, estima-se que quase 20% da população tenha problemas para fazer essa discriminação automaticamente. A razão para isso está em uma área específica do nosso cérebro: o giro angular.
Por que confundimos esquerda e direita?

Última atualização: 20 Maio, 2021

Por mais impressionante que pareça, algumas pessoas não conseguem diferenciar esquerda e direita. Às vezes, basta que alguém nos dê uma instrução durante uma aula de ioga ou enquanto dirigimos para duvidarmos da nossa intuição. Antes de nos rotularmos como pouco inteligentes, devemos entender que essa diferenciação está em um processo neurológico complexo.

Este tema sempre provoca algumas risadas em nosso círculo de amizades, mas podemos dizer que é um aspecto de grande importância e seriedade. Algo assim pode causar alguns contratempos enquanto dirigimos.

Da mesma forma, são conhecidos alguns erros a nível cirúrgico, nos quais uma equipe médica operou a perna saudável ou retirou, por exemplo, o rim errado. Este último aconteceu em 2000, conforme explica um estudo publicado no British Medical Journal. O urologista John G. Roberts removeu o órgão do lado errado, matando o paciente ao deixá-lo sem o seu único rim funcional.

São, sem dúvida, erros lamentáveis ​​e nos quais o fator do estresse também aumenta esse tipo de tragédia. No entanto, algo que os neurologistas recomendam é que vale a pena recorrer a algum tipo de estratégia mental. Pausar alguns segundos para esclarecer onde está a direita e onde está a esquerda, sem dúvida, pode evitar pequenos erros com consequências indesejáveis.

Uma das razões pelas quais confundimos esquerda e direita é por mera distração. Esse tipo de discriminação requer que sejamos capazes de concentrar a nossa atenção por alguns segundos, algo que nem sempre fazemos.

Esquerda e direita

Por que confundimos esquerda e direita?

Alguns dizem que confundimos esquerda e direita porque temos um QI elevado. Nesse sentido, deve-se destacar que não existem estudos conclusivos. Sabe-se que cerca de 20% das pessoas têm esse problema com mais frequência e que 99% de nós já cometemos erros em algum momento. Vejamos, entretanto, o que a ciência nos diz.

Diferenciar esquerda e direita não é fácil

Muitos podem rir, mas discriminar onde está a esquerda e onde está a direita requer um esforço do nosso cérebro. Na verdade, é mais fácil saber se algo está alto ou baixo. Diferenciar se algo está para um lado ou para o outro em relação à nossa posição envolve um processo neurobiológico muito complexo.

  • Nessa discriminação, devemos integrar processos que envolvem informações sensoriais e perceptivas, nossa memória e até mesmo a função da linguagem.
  • Tudo isso tem a ver com a lateralização do nosso cérebro, a forma como organizamos as informações e como processamos tudo que nos rodeia.

Portanto, identificar onde está a nossa direita e onde está a nossa esquerda em um milésimo de segundo não é fácil nem automático.

O giro angular no lobo parietal pode explicar por que confundimos esquerda e direita

Muitas pessoas confundem constantemente esquerda e direita. Longe de ser algo pontual, pode dificultar a orientação e até impedir uma boa coordenação para fazer ioga ou dançar, por exemplo.

Um estudo realizado pelos médicos Michael Hirnstein, Uri Bayer e Anne Ellison, e publicado na revista Neurology, indica que a área que regula a coordenação na discriminação é o giro angular no lobo parietal. Algumas pessoas apresentam uma menor ativação nesta área, daí os consequentes problemas em discriminar as duas orientações.

Porém, há casos mais graves, em que essa área apresenta maior disfunção, dando origem ao que se conhece como síndrome de Gerstmann (Gold et al. 1995). Nessas condições, os seguintes sintomas também aparecem:

  • Agrafia (dificuldade para escrever).
  • Acalculia (dificuldade em assumir competências matemáticas).
  • Confusão para discriminar a esquerda da direita.
Encruzilhada

O que podemos fazer para evitar isso?

Muitos confundem esquerda e direita. O que podemos fazer nesses casos? Bem, algo que neurologistas e psicólogos recomendam é que aceitemos que todos, absolutamente todos, podem cometer um erro neste assunto.

Fatores como o estresse ou estar em um ambiente com muito barulho podem nos levar a cometer um erro a qualquer momento (o que pode ser grave se estivermos ao volante).

  • Para evitar esses erros, é melhor focar a nossa atenção.
  • Além disso, para o dia a dia, existe uma técnica muito simples para diferenciar a esquerda da direita. Coloque os seus polegares em um ângulo reto em relação ao dedo indicador. A mão que representa um “L” na orientação correta será a mão esquerda.

Por último, lembre-se de que existem jogos e exercícios que podemos baixar no celular e que vão nos ajudar a melhorar a nossa orientação e lateralidade. Afinal, esta não é uma atividade que ajuda apenas as crianças. Os adultos também se beneficiam desse tipo de exercício mental.

Pode interessar a você...
Como a preocupação afeta o cérebro?
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Como a preocupação afeta o cérebro?

Estresse, ansiedade, cansaço permanente, falta de energia, pessimismo... a forma como a preocupação afeta o cérebro é tóxica.



    • Gold M, Adair JC, Jacobs DH, Heilman KM. (1995). Right-left confusion in Gerstmann’s syndrome: a model of body centered spatial orientation. Cortex, 31, 267-283.
    • Gormley GJ, Brennan C, Dempster M. (2019). ‘What … you can’t tell left from right?’ Medical students’ experiences in making laterality decisions. Med Educ, in press.
    • Hirnstein M, Bayer U, Ellison A, Hausmann M. (2011). TMS over the left angular gyrus impairs the ability to discriminate left from right. Neuropsychologia, 49, 29-33.
    • Hjelmervik H, Westerhausen R, Hirnstein M, Specht K, Hausmann M. (2015). The neural correlates of sex differences in left-right confusion. Neuroimage, 113, 196-206.