Quociente de inteligência: características e evolução

30 Julho, 2020
Por volta de 1910, Henry Goddard, diretor de uma escola de Nova Jersey para pessoas com atraso mental, foi pioneiro no conceito do teste do quociente de inteligência (QI) nos Estados Unidos.

O quociente de inteligência (QI) é uma representação quantitativa ou estatística da pontuação de um indivíduo em um teste de inteligência padronizado.

O escore de QI tem sido amplamente utilizado para comparar a capacidade intelectual de um indivíduo com o escore médio obtido por uma amostra de pessoas “semelhantes”, geralmente da mesma faixa etária.

Assim, por exemplo, é possível afirmar que a inteligência de uma pessoa, refletida em uma pontuação no teste de QI, é maior (ou menor) do que a média ou a pontuação típica dos seus colegas (1).

Os fundamentos do quociente de inteligência (QI)

Em 1884, o pesquisador Francis Galton avaliou um grande número de pessoas na tentativa de desenvolver um teste de inteligência. Para essa avaliação, ele tentou medir características diferentes: o tamanho da cabeça e o tempo de reação são alguns exemplos (1).

Através da sua pesquisa, Galton introduziu métodos para a classificação numérica de atributos físicos, fisiológicos e mentais. Foi assim que o pesquisador propôs que um grande conjunto de medidas de características humanas pudesse ser significativamente descrito e resumido usando dois números. 

  • Primeiro, o valor médio da distribuição (a média).
  • Segundo, a dispersão das pontuações em torno desse valor médio (o desvio padrão) (1).

Outra das figuras que podemos situar nas tentativas de medir o quociente de inteligência foi Charles Spearman. Esse psicólogo inglês introduziu a ideia de que todos os aspectos da inteligência estão relacionados entre si. Esse ponto de vista é muito importante: lançou as bases para expressar o composto do quociente de inteligência (1).

Os fundamentos do quociente de inteligência (QI)

Os primeiros testes de inteligência e a introdução do quociente de inteligência

A era moderna dos testes de inteligência começou logo após a virada do séculoAlfred Binet e Theodore Simon foram responsáveis ​​pelo desenvolvimento de um método para identificar diferenças substanciais no nível de inteligência de crianças.

A ideia era diferenciar aqueles que consideravam intelectualmente capazes de se beneficiar da educação daqueles que tinham problemas intelectuais e deveriam receber programas de educação especial (1).

A metodologia envolveu expressar o desempenho de uma criança como um quociente entre a pontuação obtida e a idade em que a criança média poderia atingir a mesma pontuação. A publicação da escala ampliada de Binet de 1908 e o trabalho de Stern, o psicólogo alemão, deram lugar ao conceito de idade mental (IM).

Idade mental e QI

Uma IM de 8 significa que a criança, independentemente da idade real, teve um rendimento igual ao de uma criança de 8 anos em uma tarefa específica. Isso levou à criação do escore de QI para representar uma proporção de IM dividida pela sua idade cronológica (IC). Esse relacionamento foi colocado em uma métrica. Assim, a idade mental foi dividida pela sua idade cronológica e multiplicada por 100, o que produziu um quociente de inteligência ou escore de QI.

Por volta de 1910, Henry Goddard, diretor de uma escola de Nova Jersey para pessoas com atraso mental, foi pioneiro no conceito de teste de QI nos Estados Unidos. No entanto, a primeira vez em que as pontuações de QI fizeram parte de um teste de inteligência nos Estados Unidos foi em 1916. Nessa data, Lewis Terman traduziu o teste de Binet-Simon, criando o teste de Stanford-Binet.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Exército dos EUA desenvolveu os testes Alfa e Beta do Exército. O objetivo desses testes era atribuir as posições dos soldados com base em suas habilidades intelectuais. Também servia para descartar aqueles que eram considerados intelectualmente inadequados para o serviço militar.

Durante esse tempo, David Wechsler foi designado como psicólogo militar. Ele realizou testes psicológicos em indivíduos que haviam falhado na escala de desempenho do exército (3).

Idade mental e QI

Os testes de Wechsler e a pontuação de QI

Em 1932, Wechsler foi nomeado psicólogo chefe do Hospital Psiquiátrico Bellevue, em Nova York. A partir desse momento, uma mudança na pontuação do quociente de inteligência começou a ser considerada.

Como resultado, o significado da pontuação do QI foi alterado para uma pontuação padrão. Esse escore padrão se refere ao escore médio obtido por uma amostra de pares de idades saudáveis (3). Essa nova concepção permite o uso do quociente de inteligência ao longo da vida (4).

O Formulário 1 de Wechsler-Bellevue foi publicado em 1939. Era uma medida de inteligência baseada no resumo das pontuações de vários subtestes. Além de um resumo composto, chamado Full Scale IQ, Wechsler argumentou que a inteligência poderia ser medida com uma maior precisão. Isso poderia ser feito dividindo os subtestes. Mas, como?

Os subtestes seriam divididos em dois. Primeiro, aqueles que refletem principalmente as habilidades verbais. Segundo, aqueles que refletem a inteligência não verbal ou habilidades de “desempenho”. Assim, surgiram a pontuação de QI verbal e a pontuação de QI de desempenho.

Os testes e recomendações de Wechsler para descrever a inteligência foram bem-sucedidos. Posteriormente, ele desenvolveu um teste para adultos, o WAIS (Wechsler 1955). Essa foi uma derivação direta do teste de Wechsler-Bellevue e também da versão infantil (WISC), publicada em 1949.

Atualmente, esses testes costumam ser usados ​​para medir a inteligência de maneira análoga a como se usaria um metro para medir o comprimento de uma mesa.

No entanto, permanece a pergunta: uma pontuação de QI realmente representa de maneira verdadeira e precisa a inteligência de alguém? Parece que, pouco a pouco, tanto o conceito de quociente de inteligência quanto o de inteligência estão evoluindo e, com isso, a maneira de avaliá-la também deve evoluir.

  1. Saklofske, D. H., Schoenberg, M. R., Nordstokke, D., & Nelson, R. L. (2017). Intelligence Quotient. Encyclopedia of Clinical Neuropsychology, 1-5.
  2. Gould, S. J. (1981). The mismeasure of man. New York: Norton.
  3. Boake, C. (2002). From the Binet-Simon to the Wechsler- Bellevue: Tracing the history of intelligence testing. Journal of Clinical and Experimental Neuropsychology, 24(3), 383–405.
  4. Bartholomew, D. J. (2004). Measuring intelligence: Facts and fallacies. New York: Cambridge University Press.
  5. Wechsler, D. (1955). TheWechsler adult intelligence scale. New York: Psychological Corporation.