O preço do estresse parental

setembro 13, 2019
O estresse, devido à crescente exigência sobre pais e filhos, é um fator cada vez mais comum na criação. As férias e as tardes no parque, em muitos casos, tornaram-se atividades extracurriculares que geram uma grande pressão sobre adultos e crianças.

Não há dúvida de que as crianças são uma bênção. Entender o preço do estresse parental que a sua criação envolve e o seu reflexo nas crianças é outra questão. Podemos dizer que criar filhos se tornou quase uma maratona.

Durante a gestação, as futuras mães ouvem que o estresse é um fator de risco que pode ter consequências desastrosas para o desenvolvimento dos bebês. No entanto, a vida muda radicalmente quando a criança nasce.

Grande parte desse estresse surge de uma moda: preencher as agendas das crianças com atividades extracurriculares. Em muitos casos, há também o desconforto derivado da culpa que muitos pais sentem por não passarem muito tempo com seus filhos.

Mulher estressada no trabalho

Conselho para as mães sobre o estresse parental

Quando o bebê já nasceu, os pais recebem poucas explicações de como lidar com o estresse ou como não gerar estresse. Pelo contrário, em muitos casos, supõe-se que seja algo que eles precisam aprender naturalmente ao longo do caminho.

Infelizmente, o fato de a mãe ter uma carreira profissional não costuma diminuir o esforço que ela precisa fazer. Esse fato, por si só, já é estressante.

Além disso, muitos especialistas recomendam que o recém-nascido durma no quarto dos pais, mas não na cama deles.

Por outro lado, a mãe também deve ter cuidado com o que come se estiver amamentando. Além disso, pode surgir a ideia de que, se a mulher volta a trabalhar, não ama seu bebê o suficiente; se não volta a trabalhar, também podem pensar que ela não se ama o suficiente.

Fazer coisas continuamente para o seu filho

Todos esses fatores nos dão uma equação de pais muito cansados ​​e estressados. Pessoas que correm atrás dos segundos, tentando encontrar tempo nos lugares em que ele parece não existir.

Assim que as crianças têm idade suficiente para iniciar aulas de música, praticar esportes ou aprender um idioma, o estresse pode aumentar. Pegá-los, levá-los, estar a par de seus horários…

Essas atividades, além de tempo, exigem recursos financeiros para pagar matrículas e mensalidades. Em diferentes momentos, os pais se perguntam se podem proporcionar uma formação mais completa para seus filhos.

A consequência é o ajuste orçamentário e, em muitos casos, o aumento de horas dedicadas ao trabalho para obter o dinheiro necessário para tal formação.

O preço real do estresse parental

Esse estresse prolongado ao longo do tempo prejudica a saúde. Surgirão as dores de estômago, musculares e de cabeça.

As consequências a longo prazo são ainda mais perigosas e incluem aumento da pressão arterial, problemas coronários e transtornos que afetam a saúde mental, como a ansiedade e a depressão.

Estamos falando da saúde dos pais, mas a verdade é que esse grau de estresse parental também afeta os filhos. Desde o início da gravidez, o estresse da mãe se reflete na criança.

Estudos realizados sobre esse aspecto mostram que o estresse materno durante a gravidez pode afetar a fisiologia da criança e a sua estabilidade emocional.

Além disso, durante os dois primeiros anos de vida, as crianças com pais que sofrem de estresse e ansiedade podem ser “contagiadas”. Da mesma forma, parece que um estilo de criação muito controlador atua como um intensificador dessa ansiedade.

Criança sofrendo de estresse

Não é necessário correr para ser bons pais

De acordo com esses dados, conclui-se facilmente que pais estressados ​​representam, de alguma forma, um perigo para eles mesmos e para as crianças. Inscrever o filho em muitas atividades “para o seu futuro” pode ter o efeito oposto do esperado se o estresse estiver presente.

Talvez seja o momento de desacelerar e repensar tudo. É possível que tantas atividades não sejam necessárias ou possam ser substituídas por outras mais simples, que gerem menos pressão.

Talvez a academia e a pracinha do bairro não sejam as melhores opções, mas escolher as atividades de maior renome pode ter um preço a longo prazo em termos de saúde que não podemos pagar.

  • LoBue, Vanessa (2019) The Cost of Parental Stress. Does the push for hands-on, intensive parenting come at too high a cost? Psychology Today. Recuperado de https://www.psychologytoday.com/us/blog/the-baby-scientist/201905/the-cost-parental-stress
  • Parkes, A., Sweeting, H., & Wight, D. (2015). Parenting stress and parent support among mothers with high and low education. Journal of family psychology : JFP : journal of the Division of Family Psychology of the American Psychological Association (Division 43), 29(6), 907–918. doi:10.1037/fam0000129
  • Kaplan, L. A., Evans, L., & Monk, C. (2008). Effects of mothers’ prenatal psychiatric status and postnatal caregiving on infant biobehavioral regulation: can prenatal programming be modified?. Early human development, 84(4), 249-256.