A psicoeducação como intervenção para o cuidador

A psicoeducação é uma medida central de muitas intervenções realizadas no campo da psicologia. É especialmente relevante estendê-la às pessoas ao redor do paciente e, portanto, aos cuidadores.
A psicoeducação como intervenção para o cuidador

Última atualização: 31 Maio, 2021

A esquizofrenia, os transtornos do espectro autista, as demências e outras doenças crônicas ou degenerativas exigem uma intervenção na qual é difícil ajudar os pacientes e as pessoas ao seu redor ao mesmo tempo. Assim, uma das intervenções que produzem melhores resultados, tanto para o paciente quanto para quem está ao seu redor, é a psicoeducação.

Na verdade, grande parte do fardo da intervenção recai sobre a família. Em muitos casos, apenas um cuidador está envolvido. Estudos indicam que 75% das necessidades da pessoa dependente são atendidas pela família ou pelo meio social. Isso, somado à cronicidade e à duração desse tipo de doença, pode atuar contra o cuidador e, por extensão, o paciente.

O problema da sobrecarga do cuidador

Embora o cuidador perceba que seu papel é necessário e desejado, essa função acarreta uma série de mudanças em sua vida que podem representar um risco à sua saúde física e mental, e ele geralmente não tem consciência da sobrecarga a que está sujeito. A psicoeducação ajudaria justamente a aliviar essa sobrecarga.

Cuidadora sobrecarregada

Esta sobrecarga é um conceito complexo que se refere às dificuldades que surgem no cuidado ao paciente. Ela envolve o seguinte:

  • O impacto da relação de cuidado sobre o cuidador e o familiar.
  • O conjunto de problemas físicos, psicossociais e econômicos que o cuidador enfrenta.
  • A experiência subjetiva, modificada pelas condições de cuidado e pelas características do cuidador.

Intervenção psicossocial: psicoeducação

Nos últimos anos, percebeu-se a importância de uma intervenção psicossocial junto às famílias e, principalmente, ao cuidador principal. O foco deve estar na prevenção ou redução do desconforto, para assim diminuir a sobrecarga do cuidador.

Desta forma, através de programas estruturados, pretende-se dotar o cuidador de habilidades e conhecimentos para enfrentar a situação e cuidar melhor de si. Entre as intervenções psicossociais, destaca-se a psicoeducação.

Normalmente, um ou mais profissionais conduzem este tipo de intervenção. A quantidade de sessões é limitada de 7 a 15, com frequência semanal ou quinzenal. Isso dá ao cuidador tempo necessário para praticar o conteúdo entre as sessões.

A duração de cada sessão oscilaria entre 1 ou 2 horas. Geralmente acontecem em grupos, podendo ser complementadas por sessões ou consultas individuais.

O principal objetivo deste tipo de intervenção é reduzir o desconforto do cuidador, ensinando-lhe estratégias e habilidades de autocuidado além do seu papel de cuidador. Nos grupos, os cuidadores aprenderiam a lidar melhor com as situações que surgem durante o cuidado. Eles também teriam um espaço para discussão e apoio emocional.

Um programa voltado para a psicoeducação trabalha três aspectos:

Educar para a doença

O objetivo é fornecer aos cuidadores conhecimentos teóricos que lhes permitam compreender a relação entre dependência, doença e comportamento. Assim, eles entenderão alguns dos comportamentos não como fatores pessoais ou atitudes equivocadas do paciente, mas como consequências da doença.

Ensinar a cuidar melhor dos pacientes

Trata-se de ensinar habilidades para lidar melhor com situações difíceis de cuidado (como a comunicação com o familiar) ou estratégias para reduzir a frequência de comportamentos disfuncionais.

Envolve também trabalhar a gestão do ambiente físico e social, ensinando o cuidador a distinguir e eliminar barreiras ou dificuldades no ambiente físico e familiar do paciente.

Eficácia da psicoeducação para o cuidador

Cuidar do cuidador

Através de técnicas e conteúdos, busca-se aprimorar o autocuidado do cuidador. Isso incluiria o ensino de técnicas de gerenciamento e alívio emocional, técnicas de resolução de problemas, treinamento em atividades agradáveis e técnicas de relaxamento e assertividade.

Eficácia da psicoeducação

Estudos atuais mostram que a eficácia destas intervenções é relativa devido a problemas metodológicos, que dificultam a obtenção de evidências sólidas. Há uma necessidade de mais pesquisas para superar as limitações atuais.

No entanto, percebeu-se que os programas psicoeducacionais trariam benefícios psicológicos para os cuidadores e, por extensão, para os pacientes. Eles preveniriam o surgimento de comportamentos disfuncionais derivados da doença, retardando a institucionalização.

Pode interessar a você...
Síndrome do cuidador: o dano colateral de ajudar
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Síndrome do cuidador: o dano colateral de ajudar

Ter a responsabilidade de cuidar de alguém 24 horas por dia pode dar origem ao que é conhecido como a síndrome do cuidador.



  • Martín Carrasco , M., Domínguez Panchón , A., González Fraile , E., & Muñoz Hermoso , P. (2011). Programa Psicoeducativo para el manejo de la Sobrecarga en el Cuidador del paciente con Demencia .Madrid: Instituto de Investigaciones Psiquiátricas (IIP) / Fundación Ma Josefa Recio .
  • Losada Baltar , A., Montorio Cerrato , I., Fernández de Trocóniz , M., & Márquez González , M. (2006). Estudio e intervención sobre el malestar psicológico de los cuidadores de personas con demencia. El papel de los pensamientos disfuncionales.Madrid : Instituto de Mayores y Servicios Sociales (IMSERSO).