Psicologia do heroísmo: os padrões de coragem

Onde está o heroísmo no mundo de hoje? O que define o herói contemporâneo? Neste artigo te contamos!
Psicologia do heroísmo: os padrões de coragem

Última atualização: 03 julho, 2022

Os atos de heroísmo têm o poder de nos causar admiração. Eles nos dão esperança na espécie humana, enquanto nos lembram de nosso poder de transcender a individualidade. No entanto, friamente não é tão fácil definir como esses atos são abordados e o que caracteriza os heróis contemporâneos.

Na mitologia da maioria das sociedades, o herói é alguém especial que encarna os valores mais queridos de sua cultura. É um modelo idealizado de ser humano que serve de exemplo para uma comunidade. Também evoca um esquema literário em que alguém geralmente descobre que possui habilidades excepcionais.

Na realidade, o herói é alguém que se destaca por ter realizado um feito extraordinário que exige coragem, pois envolve expor-se ao perigo para resgatar alguém de uma situação catastrófica.

“Só na sorte adversa se encontram as grandes lições de heroísmo.”

-Sêneca-

Heroísmo, um conceito impreciso

Arthur Ashe, um esportista profissional, definiu o heroísmo nos seguintes termos: “o verdadeiro heroísmo é notavelmente sóbrio, muito pouco dramático. Não é o desejo de superar todos os outros a qualquer custo, mas o desejo de servir aos outros a qualquer custo.”

O Heroic Imagination Project (HIP) é uma organização sem fins lucrativos que busca promover o heroísmo das pessoas na vida cotidiana. Para esta entidade, o heroísmo não implica apenas um comportamento de extrema generosidade , mas um valor moral muito elevado.

pessoa ajudando outra

O ponto de vista da psicologia

Philip Zimbardo é talvez o psicólogo mais emblemático da psicologia social. Para ele, a principal característica do herói é a preocupação constante com as pessoas necessitadas. Ele considera que a principal motivação desses seres excepcionais está em seus princípios morais. Tanto que não se importam em arriscar a própria vida para ajudar os outros.

Por outro lado, vários estudos foram conduzidos por Scott T. Allison e George R. Goethals, professores de psicologia da Universidade de Richmond. Eles descobriram, a partir de várias pesquisas, que os heróis são geralmente percebidos como pessoas morais e competentes.

Da mesma forma, eles foram capazes de determinar que, de acordo com essa percepção, as qualidades que distinguem um herói são inteligência, força, resistência, abnegação, carisma, confiabilidade e inspiração. As pessoas acreditam que essencialmente essas características definem o herói.

Do protótipo ao conceito

Os psicólogos Elaine L. Kinsella, Timothy D. Ritchie e Eric R. Igou são autores de vários artigos e de um livro sobre o assunto. A esse respeito, observaram que não há definição como tal para o termo herói ou heroísmo. O que existe é um protótipo definido a partir de várias características: coragem, integridade, honestidade, proteção, altruísmo, sacrifício, determinação, ser útil e inspirador.

Finalmente, para o psicólogo humanista Frank H. Farley fica claro que existem vários tipos de heróis. Nesse sentido, considera a variável « sacrifício» a principal para determinar a categoria a que pertence cada herói.

Você pode ser um herói com um ‘H’ maiúsculo ou um herói com um ‘h’ minúsculo.

  • Heróis com H maiúsculo seriam aqueles capazes de negociar o risco com sabedoria em situações em que o risco é importante.
  • Os heróis minúsculos praticam o heroísmo como uma filosofia de vida na qual vão melhorando, pouco a pouco, à vida dos outros. Cuidam dos detalhes e sabem que com um pequeno gesto podem fazer os outros se sentirem melhor.
Homem tentando ajudar uma mulher

Os fatores do heroísmo

Farley aponta que existem dois fatores subjacentes que acompanham todo ato de heroísmo. Por um lado , a vontade de correr riscos; e, por outro , o próprio ato generoso. Colocam seus recursos a serviço dos outros, embora às vezes isso possa ir contra seus interesses “mais egoístas”.

Na maioria das espécies superiores há uma predisposição para ajudar seus parentes. Esse conceito é chamado de “seleção parental” e tem a ver com a sobrevivência daquele grupo em particular. Nos humanos, muitos simpatizam com seus pares, com a expectativa de que no futuro eles retribuirão o favor. Essa categoria é conhecida como “altruísmo recíproco”.

Por fim, haveria uma modalidade chamada “situacional”, na qual são as circunstâncias do momento que exigem intervenção imediata. Pode-se dizer que é uma reação reflexa a uma eventualidade. Este é o mais semelhante ao heroísmo.

Nesse caso, não há vínculo familiar e a resposta do herói se deve a aspectos que têm a ver com sua personalidade, sua cultura e a situação. Quando perguntados por que eles se colocam em perigo para ajudar outra pessoa, eles geralmente minimizam suas ações. Eles entendem seu comportamento como natural, respondendo assim à máxima da ética kantiana: “Aja como se a máxima de tua ação devesse tornar-se, através da tua vontade, uma lei universal”.

Pode interessar a você...
As frases mais motivadoras dos super-heróis
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
As frases mais motivadoras dos super-heróis

Confira as frases mais motivadoras dos super-heróis, baseadas em personagens poderosos como Mulher Maravilha, Homem-Aranha e Superman.



  • Kinsella, E. L., Ritchie, T. D., & Igou, E. R. (2015). Zeroing in on heroes: a prototype analysis of hero features. Journal of personality and social psychology108(1), 114.
  • Pedrosa, J. M. (2003). La lógica de lo heroico: mito, épica, cuento, cine, deporte…(modelos narratológicos y teorías de la cultura). Los mitos, los héroes, 37-63.