Psicologia dos eSports

maio 31, 2019
São muitos os elementos da nossa vida cotidiana que transcenderam o mundo virtual, se reproduzindo ou transformando. Hoje vamos falar sobre os eSports, ou sobre como a Internet moldou novas formas de competições e profissões com milhares de seguidores.

A psicologia dos eSports é um conceito que veremos cada vez mais entre nós. Ano após ano, os esportes eletrônicos vão ganhando terreno. Por isso já é comum que se fale deles em jornais e na televisão. Os torneios internacionais têm milhares de seguidores, apresentando-se, por sua vez, como uma fantástica vitrine publicitária.

Dentro desse fenômeno popular, nós nos focaremos em duas questões. Quais habilidades e condutas um bom jogador precisa ter? Por que esses jogos são tão atrativos para as novas gerações?

Vamos revisar as principais características desse fenômeno através da psicologia. A evolução da tecnologia é tão grande que hoje em dia os videogames podem representar um problema, mas também podem ser uma ferramenta muito valiosa em uma intervenção.

Os eSports: o auge dos videogames

Os eSports não são um fenômeno que escapa da globalização. Os videogames tiveram seu público consumidor ampliado.

Muitos pais nunca pararam de jogar, muitos filhos começam a jogar agora e as gerações intermediárias aumentam esse salto geracional. Atualmente, é difícil imaginar que tudo começou nos anos 1970 com algumas pessoas reunindo-se para jogar Pac-Man ou Spacewar.

As repercussões da psicologia dos eSports

A revolução da Internet

A capacidade de se conectar à Internet e jogar online com outros usuários revolucionou o mercado nos anos 1990. Grandes produtores, como Nintendo ou Sony, se viram envolvidos em uma luta constante para dominar as vendas.

Nessa época, também surgiu a necessidade de entender as demandas dos usuários. Foi então que se estabeleceram as bases da psicologia nos eSports.

A profissionalização dos eSports

O auge é tamanho que muitos jogadores vivem disso. Hoje em dia, as competições adquiriram relevância internacional. Os torneios enormes, que começaram no Japão e na Coreia do Sul, se espalharam pelo mundo todo.

O mercado e os patrocinadores permitem que muitas pessoas se dediquem a essa atividade como um trabalho. Podemos encontrar diferentes categorias de competição:

  • Estratégias em tempo real: Destacam-se por serem competições baseadas em esportes reais. Um exemplo são os campeonatos do jogo de futebol FIFA.
  • Tiros em primeira pessoa: Simuladores de guerra e missões com armas. Um claro exemplo é o famoso jogo “Counter Strike”.
  • Arenas de batalha multijogador online: É a modalidade mais popular. Nesse tipo de jogo, os personagens lutam em um cenário repleto de elementos fantasiosos. Um dos exemplos mais claros é League of Legends.

Por que os eSports são tão populares?

O seguimento de gameplays (vídeos de pessoas jogando) é muito popular em plataformas como Youtube, destacando-se entre as novas gerações. Por que é tão legal ver outra pessoa jogar sem participar? A psicologia propõe as seguintes razões:

  • Estética. A arte de jogar bem. Os jogadores profissionais apresentam um estilo atraente e único de jogo.
  • Drama. Ver outra pessoa jogar cria expectativas. Esse sentimento se potencializa quando há uma competição entre dois ou mais jogadores.
  • Fuga. Assim como qualquer outro meio de entretenimento, essa modalidade proporciona distração.
  • Sentimento de pertencimento. Assim como os amantes de futebol se identificam como fanáticos, os seguidores de eSports se identificam como “gamers”. Ou seja, os seguidores de eSports também se identificam com um jogador ou um time.

A psicologia dos eSports

Os videogames são utilizados atualmente para vários motivos. Desde o treinamento de pilotos até intervenções em casos de TDAH, assim como na educação, sendo uma ferramenta para o aprendizado.

Várias pesquisas afirmam que os videogames potencializam as habilidades cognitivas. No entanto, sua crescente complexidade também requer essas habilidades.

Principais habilidades psicológicas nos eSports

A perspectiva psicológica dos eSports indica que são vários os “requisitos” para ser um bom jogador. As habilidades cognitivas são entendidas como as funções executivas cerebrais de alta demanda. Vamos ver algumas das mais utilizadas nos eSports.

  • Atenção: exige-se um alto nível de atenção contínua. Os jogadores devem estar atentos a cada detalhe na tela, em partidas que podem durar várias horas.
  • Planejamento: é uma capacidade fundamental, pois a estratégia é um dos pilares dos eSports. Exige-se uma grande capacidade para integrar a maior quantidade de estímulos e elaborar uma resposta adequada.
  • Memória de trabalho: essa habilidade consiste em empregar todos os recursos cognitivos em uma tarefa. É fundamental a conexão entre os estímulos atuais e aqueles guardados na memória.
  • Inibição: qualidade que se refere à capacidade de controlar a impulsividade e restringir a atenção a um objetivo. Um aspecto crucial para o jogo é eliminar as distrações que possam surgir.
Analisando a psicologia dos eSports

O que buscam seus promotores?

As altas demandas dos usuários e a evolução dos recursos tecnológicos produzem constantes mudanças nos eSports. Essas mudanças não escapam da análise psicológica e, atualmente, seguem uma direção determinada. É assim que tanto jogadores quanto espectadores valorizam certas características.

  • Imersão. Quanto maior for a sensação de estar “dentro” do jogo, mais atrativo ele será.
  • Competitividade. Os produtores tendem a oferecer melhores cenários e modalidades de competição.
  • História. Os jogos costumam ter uma história complexa por trás, a qual alimenta o mito e a imersão dos usuários.
  • Realismo e fantasia. Os gráficos são um aspecto muito importante que proporcionam um certo grau de realidade a esses jogos. Da mesma forma, o realismo é complementado com histórias e cenários repletos de fantasia, despertando a curiosidade.

Uma indústria que não é isenta de problemas

As organizações de eSports lutam contra problemas que costumamos ver em outros esportes e que, atualmente, ameaçam contaminar essa modalidade. Entre eles, encontramos a proliferação de medicamentos e drogas para manter a atenção ou melhorar o rendimento dos jogadores. Outros problemas são os estereótipos de gênero que rondam a indústria e os possíveis vícios que as crianças podem desenvolver.

Em conclusão, a psicologia é uma disciplina que se vincula cada dia mais aos eSports. Do mesmo modo, revela as características que explicam a popularidade do fenômeno. Alguns pesquisadores debatem sobre a esportividade dos eSports. No entanto, é inegável a série de requisitos cognitivos necessários para ser um profissional nessa área. Além disso, o estudo psicológico desse campo ajuda a detectar complicações e possíveis aplicações terapêuticas.