Psicologia social: o que você sabe sobre esta vertente da psicologia?

Você sabe o que é psicologia social?

outubro 25, 2017 em Psicologia 1 Compartilhados
Psicologia social

Dentro da psicologia, poderíamos traçar uma divisão entre a psicologia aplicada e a psicologia básica. A psicologia básica estuda os processos psicológicos básicos, como a percepção, a atenção, a memória, a linguagem e o aprendizado. Por outro lado, a psicologia aplicada está focada no estudo de outras características da psicologia relacionadas à resolução de problemas. Dentro da psicologia aplicada existem diferentes vertentes, como a psicologia social.

A psicologia social pode ser definida como o estudo da interação dos seres humanos, especialmente em grupos e situações sociais, e ressalta a influência das situações sociais no comportamento humano. A psicologia social se concentra especificamente no estudo científico de como os pensamentos, sentimentos e comportamentos das pessoas são influenciados pela presença real, imaginária ou implícita de outras pessoas (Allport, 1985).

O que a psicologia social busca?

A psicologia social visa estudar as relações sociais (Moscovici e Markova, 2006). Os especialistas dizem que existem processos psicológicos sociais que diferem dos processos psicológicos individuais. A psicologia social tenta compreender os comportamentos dos grupos, bem como as atitudes de cada pessoa na sua maneira de reagir ou pensar dentro do ambiente social.

Crianças unidas mostrando mãos e pés

Em outras palavras, a psicologia social estuda o comportamento das pessoas dentro de um grupo. Ela tenta descrever e explicar o comportamento humano, reduzindo-o a variáveis ​​psicológicas. Desta forma, a psicologia social busca estabelecer teorias sobre o comportamento humano que servem para prever comportamentos antes que eles ocorram e poder intervir. Assim, sabendo quais fatores promovem determinados comportamentos, a intervenção nesses fatores pode mudar os comportamentos finais.

Temas dentro da psicologia social

A temática estudada pela psicologia social é ampla e variada (Gergen, 1973). Ao focar em alguns dos temas que constituem o seu objeto de estudo, podemos falar da identidade. A identidade social (Taylor e Moghaddam, 1994) ou o grau com que as pessoas se identificam e compartilham características com os grupos é um fator muito estudado na psicologia social. A identidade social determinará os comportamentos das pessoas. Quando uma pessoa se identifica muito com um grupo, seus comportamentos corresponderão às normas e valores desse grupo.

Varal com figuras de crianças penduradas

Outro tema clássico da psicologia social são os estereótipos (Amossy e Herschberg Pierrot, 2001). Os estereótipos são a imagem que temos do outro grupo. Geralmente, é uma imagem simplificada e generalista que serve para avaliar igualmente todos os membros de um determinado grupo. Por exemplo, um estereótipo comum na Europa é que os espanhóis são preguiçosos. As pessoas que têm este estereótipo sobre os espanhóis, quando interagem com um espanhol, pensam que ele é preguiçoso mesmo antes de conhecê-lo.

Estreitamente relacionados com o estereótipo estão os preconceitos (Dovidio, Hewstone, Glick e Estes, 2010). Os preconceitos são atitudes preconcebidas que nos ajudam a tomar decisões rapidamente. São julgamentos que são feitos com base em informações incompletas e geralmente são negativos. Muitas pessoas acreditam erroneamente que todos os muçulmanos são violentos e até mesmo terroristas. Mesmo com evidências que mostram este erro de julgamento, muitas pessoas mantêm essa crença. As suas emoções e comportamentos com pessoas que praticam essa religião estão determinados a confirmar as suas expectativas, por mais que sejam errôneas.

Outro tema de estudo da psicologia social são os valores (Ginges e Atran, 2014). Os valores são um conjunto de diretrizes que as sociedades estabelecem para serem cumpridas. Os valores geralmente têm um consenso social e variam em todas as culturas. Os valores são tão importantes para algumas pessoas que podem tornar-se sagrados e, apesar da sua irracionalidade, as pessoas os defenderão mesmo fazendo grandes sacrifícios.

Devido à grande variedade de temas estudados pela psicologia social, não poderemos comentar sobre todos eles. Alguns dos que não foram comentados aqui são: a agressão e a violência, a socialização, o trabalho em equipe, a liderança, os movimentos sociais, a obediência, o conformismo, os processos interpessoais e grupais, etc.

Bonequinhos representando trabalhadores

Pessoas que se destacaram nos estudo da psicologia social

Algumas pessoas deixaram uma marca importante no estudo da psicologia social. Algumas delas foram:

  • Floyd Allport: é conhecido por ser o fundador da psicologia social como disciplina científica.
  • Muzafer Sherif: conhecido por realizar a experiência da “caverna dos ladrões” onde dividiram um grupo de garotos em dois grupos, com a finalidade de explorar o preconceito nos grupos sociais, um estudo clássico sobre preconceito e conflito.
  • Solomon Asch: dedicou-se ao estudo da influência social. Os mais conhecidos são os seus estudos sobre a conformidade, onde ele usava desenhos de linhas de tamanhos diferentes para comprovar como os participantes davam respostas erradas. E agiam dessa forma não porque pensassem que as respostas que davam eram certas, mas para estar de acordo com as respostas dos demais.
  • Kurt Lewin: é conhecido como o fundador da psicologia social moderna. Ele fez contribuições para a teoria da Gestalt, estudou o conceito da distância social e formulou a teoria de campo, segundo a qual é impossível conhecer o comportamento humano fora do seu ambiente.
  • Ignacio Martín-Baró: além de ser psicólogo, ele era um padre jesuíta. Ele propôs que a psicologia deveria estar relacionada às condições sociais e históricas do território onde se desenvolvia e com as aspirações das pessoas que residem nesse local. Ele é o criador da psicologia social da libertação.

A importância das novas ideias

  • Stanley Milgram: conduziu experimentos de ética duvidosa. A mais conhecida é a sua experiência sobre a obediência e a autoridade. Nesse estudo, um participante aplicava choques elétricos no outro na presença de uma figura de autoridade. Realizou também o experimento do mundo pequeno, conhecido como “os seis graus de separação” (são necessários no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas).
  • Serge Moskovici: estudou as representações sociais, a forma como o conhecimento é reformulado à medida que os grupos se apoderam dele, distorcendo a sua forma original. Ele também é conhecido pelos seus estudos sobre a influência das minorias.
  • Philip Zimbardo: conhecido principalmente pela a realização do experimento da prisão de Stanford, onde os alunos de uma universidade foram divididos entre guardas e prisioneiros e colocados em uma prisão simulada no porão da própria universidade. A conclusão foi de que era a situação que provocava os comportamentos dos participantes, e não a sua personalidade.
  • Albert Bandurapara demonstrar que a violência dos meios de comunicação influía no comportamento agressivo dos espectadores, realizou um experimento onde uma pessoa agredia um boneco conhecido como o experimento do João bobo e que era imitado pelas crianças. Ele é o criador da teoria da autoeficácia.

A psicologia social concentra-se em uma das nossas dimensões básicas: a social. A psicologia social não é tão conhecida e a que mais surpreende a pessoa que decide estudar psicologia. Isso porque muitas vezes subestimamos o poder que as pessoas têm direta ou indiretamente sobre nós. Nesse sentido, gostamos de nos ver como pessoas totalmente independentes e acreditamos que o meio ambiente influencia muito pouco a nossa maneira de agir e sentir.

Como vimos, os estudos da psicologia social estão aí para nos dizer precisamente o contrário. Por isso provoca tanto interesse a riqueza de conhecimentos que os estudos nessa área da psicologia podem nos trazer com as suas descobertas.

Recomendados para você