Quais máscaras você usa no seu dia a dia?

14 Agosto, 2020
A máscara de durão, do bom garoto, do salvador... Todos nós usamos máscaras em algum momento, mas alguns de nós as usamos há tanto tempo que permanecem apegadas ao nosso ser.
 

As máscaras são instrumentos que usamos para tentar nos adaptar a determinadas circunstâncias e, assim, nos reinventar para continuar seguindo. Elas nos permitem agir como se fôssemos capazes de qualquer coisa e nos protegem daquilo que acreditamos que pode nos prejudicar.

Ou seja, as máscaras são mecanismos de defesa inconscientes que tentam proteger nosso verdadeiro “eu” quando ele pode estar em perigo. É uma engrenagem que nos permite sobreviver; portanto, usar uma máscara não é necessariamente prejudicial para nós.

No entanto, há circunstâncias em que essa máscara que adotamos não cumpre essa função adaptativa, pelo contrário. Essas máscaras embutidas em nossos verdadeiros rostos foram extensivamente estudadas na psicopatologia. Elas são conhecidas como “ego” na psicologia da Gestalt ou “conservas culturais” no psicodrama.

Quais máscaras você utiliza?

Quando precisamos delas?

Aprendemos a usar as máscaras desde a mais tenra idade quando percebemos que, em certas situações, não podemos nos comportar como gostaríamos se quisermos sermos aceitos.

Assim, aprendemos que devemos controlar, por exemplo, nossa frustração e birras para que nossos pais nos deem sua aprovação. Ou devemos ser pacientes e amigáveis ​​com nossos colegas de classe para conseguir essa aceitação.

 

Essas máscaras marcam os limites para nos relacionarmos com os outros e aprendermos os diferentes papéis que precisaremos desempenhar nas nossas vidas. Elas nos permitem refletir sobre nossos impulsos, desenvolvendo capacidades superiores, como a empatia.

Além disso, também precisamos usar essas máscaras ou personagens internos em situações específicas. Por exemplo, podemos precisar de uma máscara de força diante das adversidades ou tempos difíceis, para depois nos permitirmos abandoná-la e descansar do pesado fardo.

Os tipos de máscaras que nos acompanham

Aprendemos a usar máscaras desde a infância até morrermos. Algumas delas nos salvam, outras nos prejudicam. É curioso que muitos de nós compartilhem algumas dessas máscaras. Vamos ver algumas das mais conhecidas:

  • O bom garoto. A criança que aprendeu a se comportar bem para sempre ser aceita, que tem dificuldade em estabelecer limites ou opinar por medo de não ter aprovação. Busca afeto através da doçura e ao satisfazer o próximo.
  • O guerreiro. Aquela máscara que foi criada em duras batalhas nos permitiu sair vitoriosos diante da adversidade. Ela nos permite deixar de lado o medo e a indecisão que podemos sentir ao assumir o comando.
  • O indiferente. O personagem indiferente que permanece impassível, independentemente do que aconteça do lado de fora. Este é um personagem que se defende de ameaças externas ao ocultar seu sofrimento.
  • O salvador. Precisa salvar todas as pessoas e isso é algo muito pessoal. Seguidores de casos perdidos e responsáveis ​​indevidos pelos infortúnios dos demais.
 
  • O sofredor. Ele aprendeu que na vida tudo é um infortúnio, e que a maneira de buscar o amor dos outros e a sua atenção é através da vitimização.
  • O cara durão. Uma máscara regular para as pessoas mais sensíveis que temem ser feridas e parecerem vulneráveis. Diante desse medo, elas aprenderam a ser pouco emocionais e até agressivas.
  • O eterno feliz. Pessoas que podem ter mais dificuldade em aceitar emoções como a tristeza, raiva ou perda fingem que está tudo bem colocando um sorriso amargo no rosto.
  • O engraçado. São aquelas que aprendem a fugir das suas emoções usando o humor. É uma máscara semelhante à anterior, em que você pode acreditar que as outras pessoas não o aceitarão se um dia você deixar as piadas de lado e for sincero.
Os tipos de máscaras que nos acompanham

Quando a máscara gruda em nós

Todas as máscaras anteriores têm algo em comum: elas nos permitem proteger o nosso verdadeiro “eu” de possíveis ameaças. Às vezes, usamos essas máscaras por tanto tempo que elas grudam na nossa pele. E nos perguntamos: será que sou realmente assim? Essa máscara faz parte da minha essência?

Se nos fizermos essa pergunta, provavelmente a nossa preciosa máscara está conosco há muito tempo. Talvez isso seja o vestígio daquela criança ferida que desejava ser amada e vista pelos outros.

 

As máscaras que antes nos protegiam deixaram de funcionar e se tornaram uma maneira de nos desconectarmos das nossas emoções, esquecendo nossos verdadeiros desejos e valores. A perda da essência e da conexão emocional pode nos levar a um beco sem saída, tentando usar a mesma máscara repetidamente, mesmo que a vida tenha mudado.

Pode ser difícil remover algumas máscaras. Por exemplo, se interpretarmos o cara durão, podemos pensar que as pessoas nos apreciam por essa característica e nos abandonarão quando perceberem a nossa vulnerabilidade. No entanto, este é um espelhamento dos nossos próprios pensamentos.

Uma vez terminada a nossa função diária, podemos chegar em casa e tirar todas as máscaras e nos olhar no espelho, nos ver e nos conectar com o nosso autêntico “eu”. Observe quem você realmente é, com a sua própria luz e escuridão, para se amar acima de tudo. Somente assim será possível mostrar o seu rosto nu para os outros.