Quando você ama e odeia seu parceiro ao mesmo tempo: por que isso acontece?

O amor e o ódio compartilham a mesma região do cérebro. Isso explica por que às vezes você odeia aquela pessoa que tanto ama. Essa é uma experiência emocional tão comum quanto marcante.
Quando você ama e odeia seu parceiro ao mesmo tempo: por que isso acontece?
Valeria Sabater

Escrito e verificado por o psicólogo Valeria Sabater.

Última atualização: 20 Dezembro, 2021

Há momentos em que parece que você ama e odeia o seu parceiro, e essa contradição te deixa desesperado. Como isso pode acontecer? Como é possível que os seres humanos sintam emoções tão opostas e contraditórias ao mesmo tempo? Bem, é interessante saber que, como nos diz a ciência, é normal às vezes olhar para a pessoa que amamos e sentir aversão por ela.

A grande maioria de nós já conhece essa sensação. É muito provável que, quando pensamos nela, todas as vezes em que ficamos com raiva do nosso parceiro nos venham à mente. Uma discussão acalorada, um mal-entendido específico ou um conflito gerado pelas diferenças de personalidade podem trazer à tona esses sentimentos negativos, de forma momentânea.

A verdade é que também é possível experimentar esses sentimentos contraditórios sem que a outra pessoa tenha feito nada. Basta refletir que a vida seria menos complicada se não estivéssemos apaixonados ou pensar nas muitas renúncias foram feitas pelo bem do relacionamento.

Apesar de não se arrepender de nada, é comum que surja aquele sentimento paradoxal, estranho e contraditório. Por que isso está acontecendo? Qual a explicação para isso? Nós analisaremos esses pontos a seguir.

“O oposto do amor não é o ódio; é a indiferença.”

-Elie Wiesel-

Casal sentado na sala de estar pensando em quando você ama e odeia seu parceiro ao mesmo tempo.

Causas do amor e ódio no casal

É verdade, há momentos em que você ama e odeia seu parceiro ao mesmo tempo. No entanto, essa experiência emocional não é um fenômeno tão louco ou sobrenatural quanto imaginamos. Sentimos isso por quase todos as pessoas que são importantes para nós. Amamos nossos pais e filhos acima de tudo, mas há momentos em que eles nos deixam loucos.

Assim, existe algo que é essencial compreender para desenvolver ao máximo a nossa inteligência emocional. Devemos aprender a aceitar os nossos sentimentos contraditórios, porque eles também fazem parte de nosso repertório emocional. Essa complexa teia de sensações, percepções e emoções opostas e caóticas também nos torna humanos.

Porque apenas nos contos de fadas as pessoas se amam de forma constante, estável, imperturbável e eterna. Na vida real as pessoas lidam com contradições, enfrentam os conflitos diários e os altos e baixos existenciais com os quais tanto aprendemos.

A tênue linha cerebral entre paixão e aversão

Em um estudo realizado em 2009 na University College London foi descoberta uma informação reveladora. Enquanto investigavam os correlatos neurais do ódio, os pesquisadores descobriram que o amor romântico compartilhava as mesmas regiões com essa emoção. Essas áreas são o subcórtex cerebral, o putâmen e a ínsula cerebral.

Semir Zeki, neurobiólogo e autor deste trabalho, destacou que, embora sempre assumimos que o ódio é uma emoção negativa que deve ser reprimida, a verdade é que o amor e o ódio compartilham algumas estruturas neurológicas. A excitação neurológica que eles geram é muito intensa, e por ambos serem processados nas mesmas áreas do cérebro podemos sentir as duas emoções ao mesmo tempo por alguém.

É importante lembrar que às vezes podemos inclusive odiar a nós mesmos. O ser humano é definido por uma contradição constante que vai do afeto ao desafeto e da paixão à aversão, mas geralmente essas são experiências pontuais e efêmeras, que não alteram a identidade ou a autoestima do indivíduo.

Quando você ama e odeia o seu parceiro ao mesmo tempo: a dor da dissonância cognitiva

Ninguém te avisou que quando você ama e odeia o seu parceiro ao mesmo tempo, esse é um processo perfeitamente normal. Por isso, quando você experimenta essa sensação acaba questionando a si mesmo até o seu equilíbrio psicológico… Isso acontece por vários motivos, e um deles é a nossa obsessão e necessidade de que todas as nossas crenças e pensamentos sejam coerentes.

Quando sentimos uma certa rejeição ou até raiva de uma pessoa que amamos, entramos em conflito e surge a angústia chamada dissonância cognitiva. Este termo se refere à falta de harmonia interna que é experimentada quando sentimos uma coisa e fazemos o oposto, ou quando as nossas crenças e emoções entram em contradição.

Precisamos racionalizar essas situações e aceitar os sentimentos contraditórios. Além disso, também há outro fato: nas relações humanas os sentimentos ambivalentes são efêmeros, ou seja, essa sensação de contradição dura muito pouco e, geralmente, o amor sempre prevalece. A emoção do ódio é volátil e desaparece como fumaça saindo sorrateiramente por uma janela aberta…

Casal caminhando simbolizando quando amamos e odiamos nosso parceiro ao mesmo tempo.

Não somos perfeitos, nem as nossas emoções

Quando você ama e odeia o seu parceiro ao mesmo tempo, percebe que ele não é aquele ser ideal e perfeito que você pensava no início. De fato nem a outra pessoa nem você o são. Todos nós temos as nossas personalidades, manias, pontos fortes e fracos, e às vezes entramos em conflito. Sentir amor e desamor ao mesmo tempo é uma forma de nos descobrirmos que possibilita trabalhar essas pequenas diferenças para alcançarmos a preciosa harmonia.

Afinal, amar é viver em um círculo emocional que vai da admiração ao despeito, do fascínio à rotina, da felicidade ao desgosto. Mas alguns sentimentos sempre prevalecem (ou deveriam prevalecer): carinho, compreensão, cuidado, empatia… Portanto, aprendamos a aceitar que nada define mais o ser humano do que uma ambivalência pontual ou uma contradição efêmera…

Pode interessar a você...
O que é a vinculação emocional consciente (VEC)?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O que é a vinculação emocional consciente (VEC)?

A vinculação emocional consciente nos permite escolher as emoções mais adequadas para cada contexto. Descubra quais são seus benefícios.