7 razões pelas quais não o levam em consideração

Todos nós queremos ser amados e aceitos, mas às vezes erramos na maneira de tentar alcançar esse objetivo. Se não o valorizam, talvez você não saiba bem como reagir diante da opinião dos outros. Aqui, mostraremos um caminho alternativo.
7 razões pelas quais não o levam em consideração

Última atualização: 01 Agosto, 2021

Às vezes é bom parar e se perguntar por que os outros ignoram as suas ideias, os seus sentimentos e até mesmo a sua presença. Você se sente invisível e não entende por que não o levam em consideração, quando você está sempre atento aos outros (ou pelo menos é essa a sensação que você tem).

É muito comum que, se você já está acostumado a ser esquecido pelos outros, chegue um momento em que não verá nenhum problema nisso. Você acredita que se os outros não o levam em consideração é simplesmente porque você se define como alguém discreto, ou que não gosta de aparecer ou incomodar os demais.

Na realidade, não deve ser assim. Todos os seres humanos merecem respeito e reconhecimento, e você não é exceção. O que você pensa, o que sente e o que deseja é tão valioso quanto o que os outros pensam, sentem e desejam. Se você está interessado em saber os motivos pelos quais eles não o valorizam, reflita sobre os seguintes pontos.

“Se você quer viver feliz, não se importe que os outros pensem que você é bobo”.
– Sêneca –

Dúvidas sobre a vida

Razões pelas quais não o levam em consideração

1. Você se sacrifica pelos outros

Não é correto pensar nos outros antes de você mesmo, pelo menos não do ponto de vista da saúde mental. Pensar em si mesmo primeiro não é egoísmo, mas uma lógica sensata. Sacrificar-se pelos outros desnecessariamente traz uma mensagem: os outros são mais importantes do que você.

Por que você acha que no avião, ao orientar como agir em caso de emergência, os comissários apontam que em caso de despressurização deve-se colocar primeiro a máscara de oxigênio em si mesmo e depois em crianças ou pessoas que precisam de ajuda? Pense nisso.

2. Dependência de aprovação

Há toda uma série de mecanismos implícitos e inconscientes pelos quais uma pessoa transmite a ideia de que precisa da aprovação dos outros. Se você precisa da aprovação de outras pessoas, é porque precisa de informações que reforcem a sensação de que você tem valor.

Geralmente, a dependência de aprovação gera nos demais um sentimento de rejeição. Você está enviando uma mensagem negativa a seu respeito. Se você mesmo não confia em si, por que os outros deveriam confiar? Se você se invalidar, será mais fácil para os outros fazerem o mesmo.

3. Você procura falhas apenas em si mesmo

É possível que, sem perceber, você acabe se sentindo responsável por tudo o que acontece ao seu redor. Quando algo ruim acontece, você automaticamente se sente culpado, sem saber o porquê. A má notícia é que os outros, também sem estarem muito conscientes disso, acabarão pensando a mesma coisa.

Muitas vezes ninguém lhe agradecerá por estar disposto a realizar tarefas que não lhe dizem respeito. Dessa forma, você acabará se tornando um bode expiatório em muitas ocasiões. Não se preocupe em encontrar “o culpado”; em vez disso, concentre-se em como consertar as coisas.

4. Elogiar a si mesmo, uma razão pela qual não o levam em consideração

Talvez, o fato das suas realizações ocorrerem em um plano pouco visível para os outros o leve a elogiar a si mesmo com frequência. Você fala sobre os seus pontos fortes, as suas realizações, ou o quanto faz pelos outros.

Esta é apenas outra maneira de mostrar o quão dependente você é da opinião externa. A única pessoa que você precisa convencer é você mesmo. O que é realmente importante é que você reconheça o seu valor e o quanto contribui com os demais. O que as pessoas pensam é secundário.

5. Você não sabe como definir limites

É possível que, em situações em que você sente que foi injustiçado, decida perdoar mesmo que não lhe peçam. Você acredita que o perdão é menos custoso emocionalmente do que confrontar o outro pela sua ofensa.

De uma forma ou de outra, você acaba justificando quem o ofendeu. Esquece que tudo tem um limite e que você deve marcar o seu terreno. Isso pode exigir mais de você a curto prazo, mas o impedirá de continuar a ser alvo de ofensas e agressões a longo prazo.

Mulher triste

6. Você acha que o respeito é algo relativo

Todos os seres humanos merecem respeito. Não importa se alguém é alto ou baixo, feio ou bonito, inteligente ou disperso, rico ou pobre, preto ou branco. No entanto, talvez você acredite que só devem respeitá-lo se você puder contribuir com algo ou fazer algo por alguém.

É um erro pensar que você deve fazer algo para ganhar o respeito dos demais. Só pelo fato de ser humano, você já merece respeito; os animais e plantas também o merecem. Ninguém tem o direito de não o levar em consideração, mesmo que você cometa erros ou faça algo impróprio.

7. Você tem problemas com o autorrespeito

Quando você sente que não o levam em consideração e se acostuma com isso, também perde a noção do que significa uma agressão. Em outras palavras, é incapaz de identificar uma agressão, acredita que é normal e que deve aguentar tudo isso.

Talvez você não tenha pensado o suficiente a respeito de como os outros o tratam. Também é possível que você não tenha certeza sobre o efeito do abuso em sua vida. No entanto, chegou a hora de pensar sobre isso com mais detalhes.

Muitas vezes eles não o levam em consideração, de forma injusta, porque no fundo você tem uma opinião negativa de si mesmo. Mas você quer estar bem com os outros e gostaria de ser mais importante para eles. O que acontece, simplesmente, é que você está errando na estratégia para alcançar o seu objetivo.

Pode interessar a você...
Por que sinto que ninguém se importa comigo?
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Por que sinto que ninguém se importa comigo?

'Ninguém se importa comigo'. Você já disse esta frase? Poucos pensamentos são mais devastadores do que este. Vamos falar sobre isso neste artigo.



  • Pereira, M. L. N. (2007). Autoestima: un factor relevante en la vida de la persona y tema esencial del proceso educativo. Actualidades investigativas en educación, 7(3).