Reconhecer rostos, uma habilidade muito especial

Estima-se que apenas 2% da população tenha a capacidade de reconhecer um rosto que viu apenas uma vez. Esta é uma habilidade genética que costuma ser muito valorizada nos serviços policiais e de inteligência.
Reconhecer rostos, uma habilidade muito especial
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater em 15 Novembro, 2021.

Última atualização: 15 Novembro, 2021

Estima-se que 2% da população tenha uma supercapacidade de reconhecer rostos. Estamos falando de verdadeiros “superreconhecedores”, ou seja, mentes para as quais basta ver um rosto uma vez para identificá-lo meses ou anos depois e especificar onde e quando foi visto. Como podemos supor, esta é uma habilidade altamente exigida nos serviços de inteligência.

Como curiosidade, vale dizer que a Scotland Yard conta com uma equipe de mais de 200 superreconhecedores, pessoas que possuem essa habilidade básica, mas que são treinadas para aplicá-la de forma eficaz e em diferentes contextos. Esse recurso está em alta demanda no âmbito do contraterrorismo.

Deve-se observar que essa característica é exatamente o oposto do que acontece com as pessoas afetadas pela prosopagnosia. Estamos falando sobre aquele tipo de agnosia visual que torna impossível para alguém reconhecer rostos familiares. São dois extremos de uma função cerebral em que alguns estão em triste desvantagem, enquanto outros beiram o extraordinário.

Existe um teste específico para saber se somos superreconhecedores. No entanto, os dados nos dizem que são pouquíssimos os que alcançam 100% de respostas corretas neste instrumento.

Homem olhando para uma mulher na rua

O que caracteriza as pessoas hábeis em reconhecer rostos?

Sempre existiram pessoas hábeis em reconhecer rostos. No entanto, o termo “superrecognizers” foi cunhado em 2009 pela Harvard University e a University College London. Assim, embora essa faculdade sempre tenha atraído a atenção dos cientistas, é agora que temos mais ferramentas para entendê-la e detectá-la.

Os pesquisadores James D. Dunn, Stephanie Summersby e Alice Towler, da University of New South Wales (Austrália), apresentaram o teste facial UNSW em um estudo. Com ele, e por meio de uma série de testes altamente padronizados, é possível identificar as pessoas mais extraordinárias nesta competência. Já avisamos que não é fácil obter uma pontuação de 100%.

Embora tenha sido apresentado em 2020, ele está acessível gratuitamente desde 2017. Algo que os pesquisadores descobriram é que, das 31.000 pessoas que o concluíram, ninguém obteve 100%. A maior pontuação foi de 97%; então, como os autores deste teste apontam, o grande superreconhecedor ainda não foi descoberto.

De acordo com os cientistas, alguém é considerado um bom reconhecedor facial quando obtém 70% de respostas corretas no teste UNSW. No momento, espera-se encontrar alguém com habilidades excepcionais.

Como são as pessoas capazes de reconhecer rostos?

Podemos imaginar pessoas habilidosas em reconhecer rostos como figuras únicas, dignas de qualquer romance de John Le Carré. No entanto, elas são tão normais quanto indefinidas, ou seja, são como qualquer um de nós. Vamos ver quais características as definem.

  • Os superreconhecedores não costumam exibir uma inteligência acima da média. Eles nem sempre estão cientes de que possuem essa habilidade.
  • Essa capacidade surge na infância. Há crianças que veem rostos em revistas ou na televisão e se lembram deles anos depois, podendo até localizar onde e quando os viram pela primeira vez.
  • Por muito tempo, pensou-se que essa habilidade poderia ser treinada. É verdade que muitos policiais podem desenvolver um pouco desta capacidade. No entanto, uma coisa que a ciência sabe é que as pessoas hábeis em reconhecer rostos nascem com essa característica. É, portanto, uma característica genética apresentada por uma porcentagem muito pequena da população.
  • Para estas pessoas, basta olhar para alguém por alguns segundos para perceber uma infinidade de detalhes. Eles têm uma memória fotográfica para tudo que é visual, mas o mais marcante é que, mesmo que se passem décadas, eles sabem quando e onde viram aquele rosto em particular.
Rosto em tela com números

Reconhecedores de rostos e reconhecedores de voz

Você é bom em identificar vozes? Você pode ouvir a voz de uma pessoa específica agora e reconhecê-la meses depois? Por mais impressionante que possa parecer, muitas das pessoas capacitadas em reconhecer rostos também têm a habilidade de reconhecer vozes.

Existem pesquisas de ponta nessa área que comprovam isso. A Universidade de Greenwich, no Reino Unido, conseguiu mostrar que uma porcentagem de superreconhecedores também é muito hábil em reconhecer vozes. Agora, o próximo desafio é entender quais mecanismos neurológicos orquestram essas faculdades extraordinárias.

Suspeita-se que haja um potencial muito maior nas regiões encarregadas de processar e recuperar informações. Não é uma simples memória fotográfica. É um tipo de memória visual e auditiva capaz de discriminar vozes e rostos para colocá-los em um determinado lugar e momento. É como quem pega o metrô todas as manhãs e consegue se lembrar de cada rosto ao longo da vida.

São, sem dúvida, facetas únicas e extraordinárias do ser humano para as quais ainda não temos todas as respostas. Não sabemos por que alguns vêm ao mundo com esta capacidade e outros não. O que é evidente é que essa habilidade é muito solicitada por uma área da nossa sociedade: a dos serviços de inteligência e polícia.

Pode interessar a você...
As pessoas que falam pouco
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
As pessoas que falam pouco

As pessoas que falam pouco costumam fazê-lo por vários motivos. Vamos analisá-los a seguir para aprendermos um pouco mais sobre esse tipo de perfil...



  • Jenkins, RETsermentseli, SMonks, CP, et al. Are super-face-recognisers also super-voice-recognisers? Evidence from cross-modal identification tasksAppl Cognit Psychol202135590– 605https://doi.org/10.1002/acp.3813
  • James D. Dunn, Stephanie Summersby, Alice Towler, Josh P. Davis, David White. Prueba facial UNSW: una herramienta de detección para superreconocimientos . PLOS ONE , 2020; 15 11: e0241747 DOI: 10.1371 / journal.pone.0241747
  • Russell, Richard; Duchaine, Brad; Nakayama, Ken (abril de 2009). “Superreconocimientos: personas con una extraordinaria capacidad de reconocimiento facial”. Boletín y revisión psiconómica. 16 (2): 252–257. doi:10.3758