Sharp Objects, uma visão de tendências autodestrutivas

março 16, 2019

Os comportamentos com tendências autodestrutivas são todas aquelas ações que uma pessoa pode fazer para causar danos a si mesma. Isso inclui ferir-se intencionalmente, abusar de substâncias narcóticas, deixar de se alimentar, entre outros atos. Essas atitudes costumam ser comuns em pessoas com baixa autoestima ou que sofreram algum trauma na infância.

Muitos protagonistas de filmes e séries de televisão foram projetados com essas tendências autodestrutivas por diferentes razões, seja para ir contra essas tendências prejudiciais ou simplesmente para tornar os personagens mais interessantes e profundos.

Independentemente do motivo, a verdade é que as tendências autodestrutivas estão presentes em muitas produções cinematográficas e televisivas. Este é o caso da série da HBO Sharp Objects (Objetos Cortantes), adaptação do romance policial de Gillian Flynn.

Vamos ver, através desta série, quais são as tendências autodestrutivas mais comuns, incluindo uma série de recomendações sobre como evitar e combater essa atitude prejudicial.

Cena da série 'Sharp Objects'

Sharp Objects, uma jornalista em busca de respostas

A série retrata as investigações realizadas pela jornalista Camile Preaker (interpretada por Amy Adams) em sua cidade natal. O pano de fundo da investigação é o assassinato de duas meninas pré-adolescentes. No entanto, ela não só irá aprofundar o que aconteceu com essas meninas, mas também deve enfrentar e tentar superar seu passado traumático.

Camile retorna pela primeira vez em 11 anos para sua cidade natal. Lá ela se reencontra com sua fria e manipuladora mãe, além de seu padrasto inexpressivo e dócil. Ela também terá que enfrentar as dolorosas lembranças de sua falecida irmã mais nova e conhecer sua meia-irmã pela primeira vez: uma adolescente tão possessiva e manipuladora quanto sua mãe.

Sua infância difícil deixou uma marca em Camile. Desde sua adolescência ela se corta intencionalmente, esperando diminuir sua dor emocional com a dor física infligida em si mesma. Ao mesmo tempo, ela abusa de várias drogas, como o álcool.

Tendências autodestrutivas nos personagens de Sharp Objects

Existem dois tipos de tendências autodestrutivas. Uma direta, que envolve danificar-se imediatamente, seja se batendo, cortando ou queimando. O caso mais extremo seria o suicídio. O outro tipo é indireto, que são ações que danificam o corpo, mas gradualmente, como o uso de drogas, jogos de azar, distúrbios alimentares, esportes radicais ou sexo desprotegido.

Portanto, como afirma o psiquiatra Frederic Nauman, muitos dos comportamentos autodestrutivos podem ser realizados consciente ou inconscientemente. Todos esses comportamentos sabotam a saúde e a felicidade a longo prazo dos indivíduos que incorrem neles.

Em Sharp Objects, muitos dos personagens incorrem em tendências autodestrutivas indiretas. A mãe de Camile e muitos de seus amigos de infância passam seus dias bebendo uma quantidade exagerada de álcool. Os pais e parentes das vítimas também recorrem ao consumo de drogas e álcool para superar suas perdas.

Por outro lado, Amma, meia-irmã de Camile, realiza diversas atividades de alto risco. Quando sua mãe não a observa, ela escapa à noite para patinar a toda velocidade pelas ruas escuras e vazias da cidade. Além disso, ela participa de corridas clandestinas perigosas com seus amigos. Tudo isso para “sair” e chamar a atenção da mãe.

Camile é a personagem que incorre em comportamentos autodestrutivos diretos evidentes, embora tenha deixado para trás as crises em que se cortava em diferentes partes do corpo para escrever palavras que resumem sua personalidade e estado deprimido, como cereja, vergonha, doente, invisível, errada, etc.

Ao longo da série, continua a provocar pequenas feridas nos dedos e continua a pensar em suas velhas feridas que cobrem todo o seu corpo.

Cena da série 'Sharp Objects'

Combater as tendências autodestrutivas

Essas tendências autodestrutivas tendem a se reproduzir se não forem tratadas a tempo. Além disso, esse tipo de comportamento tende a aumentar em frequência e intensidade com o estresse e a ansiedade sofridos pelos indivíduos que se autolesionam. Por esta razão, a ajuda de familiares e amigos pode ser muito valiosa. Além disso, a ajuda de profissionais e grupos de apoio nunca é demais.

Algumas ações que indivíduos com tendências autodestrutivas podem tomar para eliminá-las são:

  • Conhecer e reconhecer a raiz do problema. Ao aceitar a origem dos problemas, pode-se começar a combater as tendências autodestrutivas.
  • Conversar com alguém sobre as atitudes prejudiciais e sua possível origem. Conversar com alguém sobre suas tendências autodestrutivas pode ser um grande passo para se recuperar. Pode ser com um amigo ou com um familiar próximo.
  • Procurar outras maneiras de lidar com o problema que não seja causando danos corporais. Isso inclui atividades que servem para distrair a mente, confortar o corpo e liberar emoções. Por exemplo, praticar um esporte que não seja de alto risco, tocar música ou fazer artes plásticas.

Estas são algumas atividades que podem afastar as pessoas com tendências autodestrutivas de suas ações prejudiciais, mas nem sempre são suficientes. Portanto, o que recomendamos – além dessas medidas de “primeiros socorros” – é pedir a ajuda de psicólogos e psiquiatras.